Os especialistas da Globo News não querem saber

Você conhece este menino? Não, né. A morte dele não importa. O que importa é se Trump é truculento e o risco do aumento da xenofobia

Até quando?

Eu não costumo escrever sobre tragédias. Raramente o faço. Sou tão sensível e solidário à dor daqueles que sofrem com a ocasião, que não me atrevo a discorrer a respeito. Não sou jornalista, e um blog — no caso este — não possui o compromisso com a informação, com o dever da profissão, que é informar. Posso palpitar sobre o que quero e me reservar sobre o que não quero. Por isso prefiro sempre guardar silêncio e respeito por quem sofre a perda de alguém.

Este anjo em forma de criança me fez romper a mudez sobre Barcelona. O sorriso que expressa o que temos de melhor, foi calado pelo que temos de pior. Julian, 7 anos, passeava com a mãe pela cidade. Conheço Barcelona, tenho amigos queridíssimos por lá e lhes garanto: cidade e menino foram feitos um para o outro. Barcelona está para uma cidade como Julian para um menino: lindos, alegres, acolhedores, carismáticos, do bem. Quis o destino que ambos fossem vítimas da antítese de tudo isso. O Terror é o mau em sua forma mais hedionda.

Você não conhece o Julian, eu sei. Você não sabe que sua mãe está internada em estado grave. Você não imagina o que o pai esteja sentindo. Sabe por quê? Porque eles não importam. Eles são brancos, ricos e cristãos. Representam aquilo que os gigantes pensadores de esquerda mais detestam: uma família comum e feliz. São meras vítimas dos injustiçados e oprimidos pelo capitalismo, os muçulmanos abandonados por esse mundo judaico-cristão cruel. São danos colaterais de uma luta necessária. E a grande imprensa mundial, majoritariamente formada e pautada pelo pensamento libertário (melhor dizendo, liberticida), literalmente se lixa para gente assim.

Mas, por outro lado, você conhece de cor e saltado o que pensa Donald Trump e o que pensam os jornalistas do mundo sobre ele. Você conhece de cor e salteado as histórias (igualmente trágicas, aliás!) das crianças sírias e a necessidade de acolher os refugiados. Você conhece de cor e salteado a cartilha que prega a imperativa necessidade de impedir o crescimento da xenofobia e o chamado islamofobismo. Você conhece de cor e salteado cada rosto sofrido de uma mãe de um terrorista morto, mas não conhece a feição inconsolável de quem perdeu um amado, colhido pelo Terror. Você verá sempre um petista ou psolista condenar os Estados Unidos ou Israel, mas jamais o verá chorar por Julian.

Um traficante morto, em um morro carioca, é estrelado no JN como um mártir. Um policial militar tombado sequer é citado. Um adolescente de classe média, espancado durante um assalto, não é ninguém; já o “di menor” negro, amarrado num poste após ser capturado por um assalto, é o retrato daquilo que somos: uma sociedade escravocrata, que ainda amarra negrinhos ao poste. A imprensa do Brasil e mundial são cúmplices e fomentadores de boa parte da violência urbana e do terror. Eu não tenho a menor dúvida disto e não tenho o menor receio em dizer.

Ao invariavelmente vitimizarem o lado mau e denigrirem o bom, esses valentes defensores dos “fracos e oprimidos” só os estimulam à saga terrorista sanguinária que impõem ao mundo livre ocidental. Julian não merecia isso. Outros inocentes não merecerão.

Leiam mais, aqui.

16 thoughts to “Os especialistas da Globo News não querem saber”

  1. Não entendi.
    Parece que as notícias sobre o atentado foram vistas pelo blogueiro em uma outra mídia, talvez de outro planeta.
    A cobertura sobre da mídia foi intensa e um dos maiores focos da cobertura. Todo o atentado teve cobertura midiática que classificou como algo intolerável.
    Se o blogueiro não sabe ou não percebe, seu herói Trump tem muito a ver como o atentado e com as posturas de ódio que também ocorrem hoje nos E.U.A. É o discurso xenófobo e supremacista que alimenta o ódio e a intolerância.
    Deplorável o atentado, deplorável Tramp e deplorável a leitura do blogueiro sobre tais fatos.

    1. Ah … entendi !!! Quer dizer que a “islamofobia ” e o “Discurso de ódio” de Donald Trump , que foi eleito em 2016 , são a causa do terrorismo islâmico que faz parte de uma guerra que começou há mais de 1000 anos !?!?!? Que interessante !!! Podemos tirar uma de duas conclusões : 1-ou os islâmicos , vítimas do capitalismo e da opressão ocidental enxergam o futuro e começaram uma reação, com antecipação, a uma causa que só começaria a manifestar-se mais de 1000 anos no futuro , ou 2 – o tempo corre ao inverso e estamos vivendo , na verdade, o “passado” dum “futuro” que nos parece ter acontecido há mais de 1000 anos ,mas que , na verdade , ainda acontecerá !!!!

      1. Ótimo Marcelo.
        O islã em sua teologia promove o terror. Não é uma questão de extremistas e radicais do islã, o islã é radical.
        Olha o povo idota do Brasil se convertendo ao islã.
        Dementes não faltam em nenhum lugar.
        Estes são alguns dos trouxas tupiniquins que caíram no conto de que se tornando filho de Allah, terão uma vida de eterna ventura de prazeres sexuais. Sendo mujahedins da causa de Allah e promovendo a jihad para purificar (converter à força ou extirpar qq kâfir) o mundo da koufr (descrença) para a vinda do imâm Mahdi. Então eles receberão um palácio com 70 mansões, cada mansão com uma virgem, que terá o hímen regenerado após a relação e, de quebra, ele receberá o vigor sexual de 100 homens.
        Para deixar claro, todo ser humano inteligente e de livre pensamento que não concordar com isto tem ser exterminado.
        Isto é a súmula do que é o islã do ponto de vista do prêmio religioso.
        O islã não é uma religião, é um sistema político teocrático totalitário radical e fundamentalista, que usa o fanatismo religioso como meio para atingir seus fins. O fanatismo é atingido através da lavagem cerebral e da promessa da recompensa.
        Dar a vida como mártir é o caminho mais curto para a eterna glória de gozos sexuais.
        Assista:
        https://m.youtube.com/watch?feature=youtu.be&v=C3mng9jaAhY

  2. Ricardo, você expressa o sentimento de boa parte das pessoas idôneas, honestas, trabalhadoras que vivem no Brasil. O “ser” “politicamente correto” tem sido a estratégia usada pela maioria dos meios de comunicação no Brasil, sob uma influência da inversão dos valores. Essa é a grande questão… vivemos tempos em que o direito individual pretere o direito coletivo, sob o argumento equivocado de que os monstros humanos são vítimas do meio. As teorias socialistas agradam mais, em especial as que enfatizam que o “todo” é responsável pelas mazelas da “parte” ou do “indivíduo”, de forma a debitar para o coletivo o passivo das escolhas inconsequentes de alguns que são taxados como minoria… ora essa postura não consegue sustentação eterna… o povo ordeiro já não aguenta mais… basta!!!

    1. Ah … entendi !!! Quer dizer que a “islamofobia ” e o “Discurso de ódio” de Donald Trump , que foi eleito em 2016 , são a causa do terrorismo islâmico que faz parte de uma guerra que começou há mais de 1000 anos !?!?!? Que interessante !!! Podemos tirar uma de duas conclusões : 1-ou os islâmicos , vítimas do capitalismo e da opressão ocidental enxergam o futuro e começaram uma reação, com antecipação, a uma causa que só começaria a manifestar-se mais de 1000 anos no futuro , ou 2 – o tempo corre ao inverso e estamos vivendo , na verdade, o “passado” dum “futuro” que nos parece ter acontecido há mais de 1000 anos ,mas que , na verdade , ainda acontecerá !!!!

  3. A Mérdia (mídia) mundial nacional e internacional, maligna, prostituta, cínica, comprada pelos petrodolares do globalismo islâmico está a serviço ( idiotas úteis ou não) da N.O.M. nova ordem mundial. Eles querem a desconstrução/destruição de todos os valores da civilizacao ocidental…..A globosta tem 3 de seus donos, filhos do Roberto; bilionários! O o Brasil acaba com a globolixo, ou a rede esgoto acaba com o “brazil” z de zona mesmo….

  4. Ricardo, a gente mora no Brasil, infelizmente essas mortes, não nos chocam mais, como chocam o resto do mundo. Aqui morrem mais por dia do que tem morrido em um ataque terrorista.
    Não digo que estamos certos, muito pelo contrário, mas estamos bastante calejados.
    A empatia existe, mas parece faltar tempo para pensar mais nisso ou a banalização da morte no Brasil nos faz assim.
    Você se choca ou fica triste com todas as mortes que acontecem diariamente aqui em nosso país?
    Acredito que não, até pelo fato de que a grande maioria das mortes que aqui ocorrem, não são noticiadas, muito menos se essa vida for pobre e negra.

    Isabella Nardoni ganhou o Brasil naquela época, não pelo crime bárbaro, mas por ser branca e de classe média alta e branca.

  5. no Brasil a mídia é o braço ideológico do crime organizado…
    quem diz isso é o desembargador Ivan Sartori…e qqr um tem tenha cérebro funcionando,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.