Oito ou oitenta: O Brasil prestes e mudar

A relativa calmaria no mercado financeiro não condiz com o grave momento político do país. Isso só mostra o que podemos ser

O céu ou o inferno

Vivemos uma crise política sem precedentes em nossa história. Sim, porque se em outras épocas ainda mais conturbadas, como o Estado Novo ou o Golpe de 64, o cenário era de disruptura e incertezas políticas, ao menos contava-se com o apoio de grande parte da população. Havia, digamos assim, algum tipo de maioria. Hoje nem isso! Não há consenso ideológico, muito menos político entre os agentes e a sociedade.

A crise financeira que nos colheu em 2014, após anos de corrupção, irresponsabilidade fiscal, políticas assistencialistas, etc, dos governos lulopetistas, nos levando ao maior estrago econômico desde 1930, dava sinais de arrefecimento, mas ainda muito longe do fim. Após o grampo de JBS a reversão das expectativas foi total.

Paralelamente, uma sociedade civil pouco politizada, pouco representada, e sujeita ao corporativismo e radicalismo extremos de grupelhos sindicais diversos, tanto na esfera pública como na privada, assiste as reformas tão necessárias serem dizimadas por aqueles que não aceitam perder nada, pois querem ganhar tudo.

Completando o tabuleiro da desolação, onde política, economia e sociedade juntaram-se num longo e apertado “abraço de afogados”, vivemos um vácuo de liderança jamais visto nos últimos, sei lá, 50 ou 60 anos. Não há um(a) mísero(a) líder a nos servir como referência. Em nenhum campo, aliás. Reparem:

Políticos como JK ou Tancredo; jornalistas como Barbosa Sobrinho, Victor Civita ou Roberto Marinho; empresários como Antônio Ermírio de Moraes; esportistas como Ayrton Senna; atores como Paulo Gracindo ou Mário Lago; enfim, gente que transpirava respeito e credibilidade, que servia como voz na sociedade não existe mais. Estamos à mercê dos desabafos do Faustão, meu Deus! Ou de atores petistas, como Wagner Moura, Camila Pitanga e o porco Zé de Abreu.

Sequer temos uma Suprema Corte para nos garantir o cumprimento das leis, vejam vocês!

E ainda assim, ainda com todo este cenário de terra arrasada, como num descolamento quase surreal, os agentes econômicos mantêm-se relativamente tranquilos: O dólar não explodiu, a bolsa não derreteu, investidores não bateram em retirada. Isso mostra o potencial que este país possui. Mostra o tamanho da força do mercado brasileiro. Mostra o quanto empresários e trabalhadores são fortes e resilientes.

Imaginem, amigos, se não houvesse essa classe política imunda a nos puxar, como âncora, para o fundo do poço. Imaginem o Brasil livre dos corporativistas e sindicalistas que só pensam em si mesmos. Imaginem nosso país sem bandeiras vermelhas, apenas verde e amarelas. Pois é. Seríamos o paraíso, não é verdade? Mas por que não somos?, você me pergunta. Eu não sei, eu te respondo. Mas sei de uma coisa:

Estamos a um passo, a um mísero passo de uma mudança gigantesca e sem volta. Se para melhor ou muito pior, sinceramente eu não sei. Ninguém sabe, aliás. Mas é certo que o copo está quase transbordando, e tem gente pingando cada vez mais gotas dentro dele. É só aguardar!

Leia também.

10 thoughts to “Oito ou oitenta: O Brasil prestes e mudar”

  1. Brasil, eterno país do futuro.
    Em futuro muito distante, podemos chegar a ser uma Noruega.
    Mas, no curto prazo, estamos mais para Venezuela.

  2. O Brasil foi divido pelo PT imundo em nós e eles. O Brasil que funciona, trabalha e não abala o mercado pertence a nós. O Brasil imundo, bandido que nos assalta a luz do dia pertence a eles, vermelhos, sindicalistas, petistas, vadios, desonestos, vagabundos e imorais.
    Chegou a hora de formar um país único varrendo essa corja da nossa história.

    BOLSONARO é meu amigo, vai separar o joio do trigo.

  3. Pronto, zanguei!
    “Golpe de 64?” ??? Que golpe? a falácia petista ‘golpe’ está pegando…

    “algum tipo de maioria” ? Em 19 de março de 1964 foram 500 mil pessoas em passeata só em São Paulo onde o POVO repudiava a ameaça comunista(joão goulart).
    Em 2 de abril de 1964, cerca de um milhão de pessoas foram às ruas no Rio de Janeiro na marcha da vitória apoiando o regime militar!
    Proporcionalmente, foram as maiores passeatas no Brasil quando tínhamos MENOS que 82 milhões de habitantes.
    Não houve ‘golpe’ algum, era a vontade popular na sua grande maioria, só os que “exilaram-se” fugindo do Brasil por conta própria chamavam e continuam chamando de ‘golpe de 64’ onde NENHUM deles tem “carta de exílio” para comprovar que foi exilado.

    1. ps: Hoje, nem isso temos, de 2000 pra cá o povo esteve, está e ficará perdido e cairá certamente nas mãos dos que extraviam os caminhos da democracia!
      “Tamo fu” pois as forças armadas não farão absolutamente NADA!

  4. Sim, meu amigo este e o resultado de se retirar um presidente democraticamente eleito do poder por um golpe branco,parlamentar, desde muito tempo atrás eu reconheci que o PT foi menos pior do que estes centro direitistas descendentes de oligarquias decrepitas que vendem suas almas ao diabo para terem o poder nem que para isto seja preciso implodir um governo(Dilma) e arrastar toda uma população junto, uma massa de trinta milhões de desempregados e subempregados, dizem que o PT em treze anos destruiu o Brasil , mais quantas acusações infundadas haverá de serem feitas por esta imprensa “imparcial” considerada por eles mesmos entre as melhores do mundo, dignas de prêmios jornalísticos mundiais ? mas foi incapaz de não denunciar esquemas, que como ate a pro pia revista” veja” reconhece tem origem nos anos 50s .
    Inventam mentiras como a de que e de que existia um plano de perpetuação no poder por parte do PT e dai ? qual e objetivo de qualquer partido político ? E o que sustenta esta entidade chamada PMDB por tanto tempo no poder ?
    A epopeia do PT lembra Cervantes e seu Quixote: uma miopia falha de não reconhecer seus verdadeiros inimigos ridicularizado pelos nobres, nomeiam seu ajudante para ser governador de um ilha e os habitantes da ilha se surpreendem ao verem que ele era melhor administrador de que os nobres assim foi os anos PT os sucesso na área de educação que surpreendeu a todos os investimentos na área de saúde, não e não eles não poderiam continuar , hoje só resta lágrimas o que vira pela frente ? o separatismo ? a inanição econômica? de meu carro eu vejo os andarilhos pelas estradas, jovens que poderiam serem médicos, engenheiros entregues a pro pia sorte, nos falhamos eu voçe OAB juízes e políticos e outras inutilidades, existe no inferno um lugar especial para gente como nós e talvez ainda seja pouco para caber nossa soberba..

    1. Olá Marcelo Ferreira, suas palavras são como brisa benfazeja que demonstram que nem só de ódio e desatino são preenchido os espaços de blog. O PT, embora com muitas falhas, foi o melhor que surgiu para governar Pindorama, mas, invariavelmente, como sempre acontece toda medida tomada em prol da coletividade sempre é repelida com toda virulência. Vide JK, Jango, Getúlio Vargas, Antonio Conselheiro, Tiradentes, Filipe dos Santos, Zumbi e etc. A elitizinha rapinosa e extrativista quer governar para apenas 20% da população e que os demais estejam rastejantes e servis. Viva os altivos e esclarecidos.

  5. Tudo vinha bem até a…
    CONSPIRAÇÃO JANOT-PT E FACHIN-MST.
    Premiaram uma dupla de bandidos com todas as benesses como prêmio pela flagrante preparado, sem perícia e sem crime contra Temer.
    O estrago foi feito.
    Lula e Dilma, que deram 10 BI para a JBS via Bndes estão rindo a toa.

  6. Ótimo texto. Por mais que racionalmente eu pense que não vai melhorar, ainda mais no curto/médio prazo, não consigo deixar de torcer para que eu esteja errado. Concordo que estamos a um passo de uma mudança incrível, cujo efeito pode nos levar a ser enfim um país de primeiro mundo em uma ou duas décadas. Mas ainda há algo que toma, um temor uma desconfiança de que do outro lado temos atores muito fortes, muito poderosos que de forma alguma irão permitir que essa mudança aconteça. Nenhum deles, nenhum partido tem proposta para o país, apenas proposta de poder. Eles não deixaram que isso acontece, não sem lutar e nesse campo onde o jogo sujo apresenta vantagens eles são mestres.

  7. Esses desgraçados ainda vão à TV para afirmar que a culpa é do governo. Viram o LUPI, o LULA e cia. dizendo as barbaridades sobre a economia e ao desemprego? Como se eles não tivessem nada com isso. E ainda tem gente que acredita, meu Deus! Nojo, nojo dessa gente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.