Uma boa notícia, para variar

O Brasil é o Rubinho Barrichello das nações. Ou sempre quebra ou está décadas atrasado

Buááá!! Até o Brasil me ultrapassou agora

Caramba! Quase 20 anos para aprovar um projeto. O projeto? Que nada. Um simples projeto, algo que deveria ser corriqueiro e banal. Mas no paraíso da esquerda, vocês sabem, né? Há sempre os defensores dos trabalhadores lutando contra os patrões selvagens. Vai ver por isso somos essa maravilha toda: Quase 20 milhões de desempregados! Claro que, dentre estes, não estão os tais defensores, pois ou são sindicalistas ou são políticos.

A terceirização é uma realidade em qualquer Democracia Ocidental civilizada. Como não somos nem tanto uma Democracia assim, e muito menos civilizados, continuávamos na esteira rasa do discurso ideológico tosco e retrógrado dos esquerdistas. Essa gente não gosta de modernidade, de liberalismo econômico, de livre mercado. E sabem por quê? Porque onde isso funciona, eles ficam desempregados. Onde isso funciona, eles não conseguem roubar um dia do salário de quem trabalha, todos os anos. Onde isso funciona, essa turma restringe-se a ser o que é: um bando de aproveitadores tentando surrupiar um troco de quem trabalha e produz.

Daqui um ou dois anos iremos ver quem estava com a razão: os chupins ou os empreendedores. Iremos ver se o desemprego aumentou ou diminuiu. Iremos ver se a renda média cresceu ou decresceu. E assim poderemos esfregar na fuça desta turma vermelha uma realidade que o mundo conhece há mais de 30 anos, mas que, por conta e obra desta cambada de embusteiros, só agora o Brasil poderá desfrutar. Mas antes tarde do que nunca, né? Mesmo que tão tarde assim.

Agora é dobrar a meta! Persigamos o segundo passo; talvez ainda mais importante: o fim do maldito imposto sindical! Pois eliminando mais esta excrecência, os profissionais da exploração dos trabalhadores, vulgo sindicalistas, ficarão como os petistas nas passeatas de hoje em dia: sem pão nem mortadela, hehehe.

p.s: bom humor, gente! Bom humor!!

Leiam também.

64 comentários em “Uma boa notícia, para variar

  1. Me dói o coração quando é descontado o imposto sindical, estão roubando meu dinheiro sem eu poder fazer nada. Claro que ano após ano estou lá no sindicato com minha cartinha expondo minha opinião e proibindo retirar mais dinheiro do meu salário para esses sangue-sugas que não gostam de trabalhar. Afinal, se deixarem, descontam três vezes do salário com contribuições sindicais, para os trabalhadores que não enviam a carta, que, pra dificultar, precisa ir pessoalmente, outro absurdo.

  2. Quando trabalhava na iniciativa privada percebi como funcionam as coisas no mundo dos empreendedores. Na empresa onde trabalhava as faltas dos trabalhadores eram avaliadas em função da economia com a recisão do contrato, muito mais que a falta de ética ou gravidade. Não perdiam a chance de demitir quem tivesse direitos que encareceriam uma futura recisão. Errado? Apenas lógica de mercado. Não sou esquerdopata, comunista ou socialista. Mas, se a educação dos brasileiros, ou a falta dela, leva a alguns descalabros, a flexibilização das leis trabalhistas farão dos “chupins” zumbis que se esfolarão pra enriquecer os vampiros que se aproveitarão da ausência de garantias pra meter o pé no traseiro do contratado por qualquer motivo ou para melhorar seu lucro.

    1. Max, uma coisa não tem absolutamente nada a ver com a outra. Os funcionários contratos sob o regime CLT continuam com os mesmos direitos e garantias. Quem for contratado como terceirista, ou seja, Pessoa Jurídica, obviamente que não contará com nada disso, só que, por outro lado, gozará do livre direito de trabalhar onde quiser, como quiser e, principalmente, por quanto quiser — inclusive para empresas diferentes simultaneamente. Ah! E este ex-funcionário, agora empresário, irá visar sabe o que? Lucro!!!!

      abrs

        1. sabe o que é melhor sobre sua última colocação, Rafael?? é que dá certo pacas!!! tira do trouxa enganado e põe no cofrinho de quem fica rico depois de um acordo mambembe. aposto que vc já fez papel de trouxa kkkkkk

            1. Os trouxas são gente como você, sacou? Que sempre se lascam mesmo! Pois burraldinhos, burraldinhos.

              Os empresários gananciosos sonegam impostos, não pagam os direitos trabalhistas e sempre saem numa boa. Acredite em mim quando eu digo que saem numa boa, pois saem mesmo!!! Já os trouxa, ficam a ver navios. Essa é a graça do jogo!

              Sobre a sociedade de BH Zona Sul…. bem, aí não é comigo! Eles que se defendam, né ô Zona Rural? kkkkkkkkkkkkkkkkk

              1. Aqui você não se conteve.
                Apologia ao Crime!!! Você é um formador de opinião por mais que seja verdade você não pode escrever que criminosos sempre se dão bem. Sonegar imposto é crime.
                Reveja seu comentário. Ficarei muito satisfeito se o excluir.

                  1. É uma pena.
                    Apologia ao crime também é um crime de iniciativa pública incondicionada.
                    Estou reportando o fato, com print da tela , ao Ministério Público e a Delegacia de crimes cibernéticos.

                    Boa Sorte.

                    1. Puta merda, eu já vi neguinho falar merda poraqui mas vc se superou!! Delegacia de crimes cibernéticos??? Vai ser ridículo assim lá no sindicato dos advogados porta de cadeia. MP? Ainda que houvesse algum crime aqui, vc acha que alguém está interessado nas suas fofoquinhas de internet cara? Se manca e se recolha a sua insignificância. Tenho dó sua Ricardo de aguentar estes bostas

                    2. é a parte mais divertida do blog! Quanto mais eu sacaneio. mais eles aparecem. E viciam, o que é pior.

      1. Os trabalhadores contratados por empresas locadoras de mão de obra comprovadamente recebem salário menor que os contratados diretos pelas empresas contratantes. No serviço público e privado.

        Quanto aos pejotizados, ou seja, quem virou pessoa jurídica, além de perder os direitos deve se sujeitar a uma relação comprovadamente desigual. A empresa determina sua remuneração. e geralmente é para baixo.

        Essa de , vc pode trabalhar onde quiser e ganhar quanto quiser é muito bonita da teoria. Vai ver a prática do mercado como é. Vai um pejotizado procurar trabalhar onde quiser por quanto quiser e como quiser numa empresa. Vai lá e fala pro coordenador que vai fazer do seu jeito.

        E mais, trabalhar onde quiser e por quanto quiser é possível sem a precarização da terceirização. Bons profissionais são ainda mais valorizados com um garantia mínima de direitos.

        Isso sem levar em conta impacto em despesas médicas e queda de rendimento por aumento de casos de assédio no trabalho, pressão psicológica e estresse desmedido. Impacta no orçamento domestico e na rede pública de saúde.

        A grande maioria das relações de trabalho com a terceirização vão gerar lucro sim. Somente para o empregador.

        1. Que bom então, né? Quanto mais o empregador ganhar dinheiro, mais ele investirá, aumentará o negócio, pagará mais impostos e… tchan tchan tchan tchan!! Gerará mais empregos.

      2. Quem for contratado como terceirista, ou seja, Pessoa Jurídica, obviamente que não contará com nada disso, só que, por outro lado, gozará do livre direito de trabalhar onde quiser, como quiser e, principalmente, por quanto quiser(PELA METADE QUE VÃO OFERECER) — inclusive para empresas diferentes simultaneamente(A MAIOR PARTE DOS EMPREGOS SÃO JORNADAS DE 8 HORAS). Ah! E este ex-funcionário, agora empresário(HAHAHA QUE LUNÁTICO), irá visar sabe o que? Lucro!!!!(SOBREVIVER)

      3. Ricardo, trabalho como PJ desde 1995 e isso que você está falando não existe… o empregado mesmo como PJ é a parte mais fraca… ele só tem sua mão de obra para negociar… o empregador mesmo te contratando como pj, vai de exigir exclusividade, não vai te dar férias.. e nenhum outro direito… simplesmente o valor hora combinado, o número de horas combinado por mês, sem falar que estes valores são impostos… vc nunca tem a oportunidade de negociar… aí vc fala é só não aceitar… detalhe tem muitos que aceitam… infelizmente no Brasil a muita oferta de mão de obra… e o contratante muitas das vezes não vê a qualidade somente quer pagar menos… e diminuir o valor do trabalho.

        1. Paulo, imagine você se sem a terceirização já é esse massacre que descreves (a livre negociação entre raposas e galinhas) o que não será depois de assegurada por lei a terceirização. O trabalhador tem APENAS sua força de trabalho e não é o envólucro PJ que irá torná-lo menos vulnerável. Não ha negar, os quatro cavaleiros do apocalipse Gedel, Moreirel, Michel e Padilhel não deixarão pétala perto de pétala. Nem os inocentes úteis acreditam mais, pois, os paneleiros evaporaram, sumiram que ninguém viu.

      4. claro e obvio, literalmente vil este seu pensamento. “trabalhar onde quiser”, como assim?!?! trabalhar onde puder e com salario que quiserem dar né! que você quis dizer! gozando da nossa cara que está certamente.
        “por quanto quiser” sem comentários! por isso que esse é o Brasil.

        1. Tire a revolta do coração e pense em trabalhar duro, produzir e crescer. Vá por mim! Dará certo se você tentar. Mas se continuar assim, apenas alimentando rancores, jamais sairá do lugar. Acredite no que te digo.

      1. Eu sou a favor e não sou nada do que disse. E você tem razão, sim: a terceirização colocará dinheiro no bolso de quem trabalha e fará sofrer os sindicalistas e afins, que perderão boa parte da mamata.

    2. Max é a tal da meritrocracia que no serviço publico não existe. O empreendedor/empresario é vampiro e você como empregado tem que ser também. Isto é, tirar o maximo da empresa(salario), mas da o retorno para o patrão(lucro). O negocio tem que ser bom para ambas as partes. Igual casamento.

  3. Quando vi a notícia lembrei-me do meu primeiro emprego, em um Banco.
    Além do imposto sindical, logo no meu 2º mês de trabalho uma baita greve dos bancários.
    Tentei entrar para trabalhar, por receio de perder o emprego, e fui impedido pelo piquete sindical.
    Quando foi assinado o dissídio coletivo, levei um desconto de 30% — TRINTA POR CENTO — em favor do Sindicato dos Bancários, Prá quê? Prá nada!
    Finalmente, começa a se encerrar a fase de sustentar vagabundo que se autodenomina defensor dos trabalhadores.

  4. Olá Inundado, o grosso do empresariado de Pindorama não quer saber de competição em igualdade de condições e êxito através da excelência. Querem mesmo é blindagem com garantia de nichos e feudos e exigem socorro do Estado a qualquer sobressalto que surja. Vide Ricardo Mansur com sua Mesbla e Mapin, teve a cara de pau de sair à rua em meio a seus ex empregados solicitando ajuda do BB; vide OI com o pires na mão clamando pela CEF, BB e BNDES; vide a Maria Antonieta Tropical com seu PROER justamente para socorrer os banqueiros, o setor mais rapinoso e extrativista que existe. Não se combate a máfia dos pneus prendendo borracheiros do anel viário. Sorte, Saúde e Sabedoria.

  5. Não sou contra, porém a ordem mais uma vez foi invertida (como sempre acontece aqui). Primeiro educação depois a terceirização. Lá fora as coisas funcionam pq o povo é culto, tem estudo, sabe se defender. Aqui não. Mentira? Primeiro que houvesse forte investimento na educação e daqui a mais de 20 anos viesse a terceirização. “Haaaaa Leandro, mas daqui a 20 anos. Somos o Rubinho mesmo”. Somos sim, sempre atrasados, era pra ter se investido a mais de vinte anos atrás. Coisa que não está sendo feita nem agora. E pelo visto nem nunca. Queremos copiar as coisas incompletas.

  6. Li apenas o primeiro parágrafo. Mas de tão previsível o conteúdo do texto que ali mesmo parei.
    Há tempos que não lia seu blog, por um motivo óbvio.
    Vc faz discursos de que escreve por amor, com sentimento, sem fins econômicos. Bulhufas.
    Sua estratégia é simplista. Assuntos polêmicos com grande rejeição. Bingo !!
    Vou defender pontos de vista que a minoria aprova. Sucesso seu blog, especialmente pelo número de comentários de pessoas que discordam da sua opinião.
    E é incrível tal previsibilidade que , antes de abrir seu blog, sabia que teria textos defendendo frigoríficos no escândalo da carne fraca e a favor do projeto da terceirização.
    Amigo, uma pena que vc não enxerga além dos prédios da savassi ou ao menos não esta disposto pra isso. E olha, não sou um vermelhinho viu, nem esquerdopata. Abçs inundado.

    1. Você poderia deixar de ser mentiroso, né? Toda vez é o mesmo bla bla bla. “Eu não leio o seu blog, passei aqui por acaso, só li o primeiro parágrafo”. Tanto lê, que estar a par dos assuntos dos posts. Tanto lê, que sabe o conteúdo dos posts. Tanto lê, que sabe que a “maioria” discorda de mim. Tanto lê, que fica aí dando chiliquinhos nos comentários, tendo faniquitos atrás do teclado.

      Te espero amanhã, belê?

    1. Se não tivesse começado seu comentário com uma ofensa, eu o teria publicado integralmente. Quando aprender a se comportar adequadamente, você volta e eu publico, ok?

      1. mas é burrice mesmo. defender terceirização é avalizar a supressão de direitos .

        Publique então o meio do texto. É importante para as pessoas refletirem.

        Sei que você não gosta dos meus comentários, mas a diferença de pensamentos é importante. E mesmo porque, o senhor não é uma das pessoas mais educadas. Haja vista, como responde as pessoas, chegam até chamar o Governador de FDP. Então não me venha com falso moralismo.

        E a burrice, não foi direciona a você, mas a quem defender a terceirização sabendo que este projeto suprirá direitos próprios.

        1. João, joão….

          Ofender a mim ou a terceiros dá na mesma. Você poderia enviar o mesmíssimo comentário sem chamar ninguém de burro. Tenho certeza que não gosta quando é com você.

          Sobre mim, te juro sobre a bandeira do Galo (olha que isso é duma importância monstra pra mim, hein!): sou educadíssimo!! Mas apenas com quem é comigo. Sabe aquele lance de “bateu, levou”? Pois é. É o meu mantra.

          Por fim, o governador é, sim, FDP: Fernando da Mata Pimentel. Sou doido, mas não babo

          1. Então o problema é mais sério. O grande problema é o próprio conteúdo do texto. Ai fica difícil. Porque começar um Texto dizendo que defender a terceirização é burrice e explanar a argumentação demonstrando o porquê da burrice, vai me desculpar, isso não ofende ninguem.

            A questão é que ideias contrárias te afetam muito. Opiniões divergentes são sacrificadas. Não existe contraditório. Você sabe muito bem que o Texto não tem ataque nenhum.

            Faça uma interpretação.

            Isso mostra a lavagem celebral que o governo, meios de comunicação e os empresários fazem para imputar as reformas trabalhista e previdenciária.

            Por último, não sou petista como já fui tachado pelo senhor, apenas tenho capacidade reflexiva para entender que o Brasil está perdido, tanto na época de lula/dilma como na atualidade com temer e que os único que estão ganhando com é joça são os empresários que destruíram este país.

  7. Não é a precarização das relações do trabalho que fará o Brasil crescer. Mas se “escreve” hoje no Brasil seguindo um receituário.

    Liberalismo é um pensamento econômico em declínio no mundo. Os EUA mostrou isso ao mundo ao eleger o Trump. Outros países fizeram o mesmo. Aumentaram a proteção à sua economia, suas empresas e trabalhadores.

    Só o complexo de vassalagem justifica manter um pensamento, que não deu certo em ligar algum do mundo. Só na cabeça do Rodrigo Constantino e sua ultrapassada escola austríaca, que isso se justifica. Precarizar direitos trabalhistas impacto diretamente na capacidade de consumo e na economia, bem estar do trabalhador.

    Mal sabe que ele próprio (“colonista”) pode ser uma vítima. Pode virar um “pejotizado”. Mais adiante tem uma explicação sobre o que significa esse termo.

    Então, se vc não for grande empresário, latifundiário ou banqueiro e tiver que trabalhar nas empresas locadoras de mão de obra ou mesmo como pessoa jurídica como é o caso de profissionais liberais, apertem os cintos se essa aberração passar no senado.

    Ela precariza todo o mercado de trabalho no Brasil, cria condições para a redução de salários e acaba com a proteção ao trabalhador, ao permitir que todas as atividades de uma empresa sejam terceirizadas, inclusive a principal.

    Com isso, os patrões poderão contratar seus funcionários sem garantias tais como férias, décimo-terceiro salário, licença-maternidade, abono salarial e outros direitos trabalhistas. O trabalho temporário também foi ampliado de três para nove meses, mas poderá ser indefinidamente prorrogado.

    É uma lei perversa, criando um quadro gravíssimo pois permite a terceirização total da força de trabalho.

    Hoje a terceirização só é possível nas atividades-meio da empresa – limpeza, vigilância, recepção e escritório, por exemplo –, e precisava de alterações que protegessem os 11 milhões de terceirizados.

    A partir de agora, essa lei vai permitir que qualquer empresa não tenha sequer um funcionário próprio, subcontratando empresas locadoras de mão de obra, ou “pejotizando” o trabalhador.

    Uma fábrica, ou siderúrgica, não precisará mais ter empregados próprios, uma grande loja não precisará ter mais vendedores próprios, uma escola não precisará de professores próprios, um hospital não precisará ter médicos, enfermeiros e nem mesmo auxiliares próprios.

    Vão contratar uma pessoa jurídica, uma empresa intermediária, ou o próprio trabalhador, daí o termo “pejotização”, pagando em média 30% do salário que pagava antes da lei.

    Com isso, vão reduzir encargos trabalhistas, inclusive a contribuição dos patrões para a Previdência, pois estes não terão mais que pagar seus deveres patronais. É isso que quebra a Previdência. Já os trabalhadores, como passam a ser pessoas jurídicas, perdem os direitos previstos na CLT: férias, 13°, FGTS, aviso prévio…

    Se, com tudo isso, ainda querem mais, há o contrato temporário “eterno”. Hoje, o trabalho temporário é limitado a 180 dias, mas passa a ser de nove meses. Ou, se não houver proibição via convenção coletiva da trabalho, pode prorrogar-se sem limites. Este empregado também não tem direito a aviso prévio, multa do FGTS, etc.

    Esta monstruosidade se estende também ao serviço público, exceto para as chamadas “carreiras de Estado”.

    Com a desculpa de proteger 11 milhões de trabalhadores, hoje terceirizados, vivendo com trabalho precário e salários baixos, terceirizam toda a população trabalhadora do nosso País.

    1. Você brilhou, Carlin! Não tem nada de modernidade na terceirização. Nas empresa onde foi usada nos anos 19990 como ferramenta de RH, como a Cemig, a terceirização deixa um lastro de péssimos serviços prestados ao consumidor e muitos acidentes de trabalho. Na estatal morre um eletricista a cada 45 dias, quase todos contratados de empreiteiras que, para aumentar o lucro, economizam no treinamento e equipamento de segurança. Moderno, né?

      1. RsRsRsRs …

        Obrigado ao primeiro comentário.

        Ao segundo, bem… Vamos lá.

        Meu caro, a resposta é típica.

        Adianto a você que não sou petista nem filiado a partido algum. Não sou vermelho, azul, rosa ou amarelo. Adoro um pão com mortadela, principalmente o do mercado municipal de São Paulo. São 200 ou 300 g de mortadela na chapa com um pão de sal … mas aprecio salgados e outros quitutes.

        Não é porque discordo do que escreve que necessariamente me enquadro em seus rótulos. Existem formas diversas de pensar e ver o mundo, além do “nós contra eles”, ou da “rua de cima contra a rua de baixo”.

        Aprecio ver a realidade e o porquê das ações na política e economia. Investigar em diversas fontes e meios de acesso à informação, pois a grande mídia nem sempre traz a baila motivações e porquês, pois tem seus senhores e interesses. Da forma mais isenta possível, se é que isso é possível.

        Procuro, na medida do possível, ver por traz da “Matrix” que é esse nosso limitado campo de visão.

        Saudações.

  8. Ricardo Kertzman… se pudermos debater sobre o tema, agradeço! Segue minha opinião abaixo.

    Terceirização nos moldes que foi aprovado irá promover no país uma cruel redução salarial, sucateando todas as atividades. Você que tanto mencionou a esquerda (e tenha certeza que me identifico muito mais como centro-direita e não menos importante: absolutamente apartidário) irá perceber que no futuro seremos a nova China – não apenas expressiva extensão territorial e populacional, mas sim por uma mão de obra barata. Não acredita?
    Pois imaginemos a seguinte situação: uma agência possua 30 bancários concursados que hoje percebam, cada um deles, uma remuneração de R$5.000,00. Um montante total (sem considerarmos encargos trabalhistas) de R$150.000,00, correto? Quando da terceirização , em especial aprovada para as atividades-fim, todos estes serão demitidos, será aberta a contratação de uma empresa para suprir estes recursos com o objetivo de redução de custos. A empresa vencedora em sua proposta apresenta a disponibilização de 30 bancários por R$120.000,00. Pois bem, a empresa vencedora retira (embolsa) R$30.000,00 deste montante e repassa o restante R$90.000,00 em forma de salario dividido igualmente (R$3.000,00) para cada um dos funcionários contratados. E assim sucessivamente, até a próxima concorrência entre as empresas onde apresenta-se uma proposta ainda mais vantajosa para o contratante (Banco) reduzindo o salário para R$2.500,00 e aceita quem quer e engole o choro quem não quer!

    E assim uma salva de palmas aos que criaram e APOIARAM este ciclo danoso à logica de mercado e ao trabalhador brasileiro. Emprego para todos? Parabéns!

    1. Você está completamente equivocado, mas respeito sua opinião.

      Seu raciocínio, me perdoe, não possui qualquer lógica ou amparo na realidade. Não sei qual sua formação ou mesmo se já trabalha, porém tenho certeza que não é dono do próprio negócio.

      No seu exemplo, há falhas insanáveis: se um bancário é concursado, só pode trabalhar em banco público e não pode ser demitido. Mas, ok! Vamos falar dos funcionários dos bancos regidos pela CLT. Nenhum deles poderá ser demitido e recontratado através de uma empresa terceirista, porque se for, caracterizará continuidade de vínculo trabalhista, o que veda qualquer supressão de benefício anterior. Outrossim, aqueles que forem demitidos e constituírem eles próprios uma PJ ou um micro-empreendedor, poderão trabalhar ganhando muito mais, pois os encargos antes repassados ao governo, em boa parte — obviamente não tudo — retornará a eles.

      Poderia passar três dias seguidos tentando te convencer do contrário, mas acredito que seria uma tremenda perda de tempo, para mim e para você, né? Por quê? Pelo seu parágrafo final. Assim, vida que segue. Para nós dois. E que tenhamos sempre sucesso com as nossas crenças e atitudes.

      1. Tudo bem, respeito também a sua opinião mas aproveito para “sanar” algumas questões.

        “Não sei qual sua formação ou mesmo se já trabalha”
        Com extrema tranquilidade o suficiente para dialogar honestamente com você e qualificação com sobras para substituir qualquer um dos que lá estão – na Câmara dos Deputados.

        ” funcionários dos bancos regidos pela CLT”
        Evidentemente estava me referindo aos regidos pela CLT. Utilizei o exemplo de um banco para seguir o mesmo utilizado por você.

        “aqueles que forem demitidos e constituírem eles próprios uma PJ”
        Embora seja viável e legal um conjunto enorme de demitidos constituir uma PJ, você acredita mesmo que esta conseguiria concorrer com grandes empresas?
        Explico: Há alguns anos há uma nítida e sólida tendência de aquisições e fusões empresariais que demonstram cada vez mais uma agressiva busca pelo poder de monopólio. Este aumento da concentração de mercado tem gerado uma absurda redução da concorrência dizimando “os pequenos”. Você acredita, portanto, que uma simples PJ vai ter espaço? Gostaria muito que isso se tornasse uma verdade – mas não creio.

        Vejo que o pais precisa sim de uma ampla reforma trabalhista, mas não apoio todos os pontos: Terceirização das “atividades-fim” chega a ser insanidade.

        Vamos aguardar o desfecho “e que tenhamos sempre sucesso com as nossas crenças e atitudes”

        Abraço!

    2. Pinheiro, “mininu” esperto. Chegastes no busílis da questão. A perversidade contra os trabalhadores se dá exatamente nos moldes que descrevestes. É claro que para impor o cálice (ou seria ou cale-se) haverá acenos de hipotéticas, supostas, improváveis, inalcançáveis vantagens, mas no duro do jijujã o que haverá mesmo é a supressão de quase todos direitos duramente alcançados da década de quarenta para cá. Depois do golpe da retirada de Dilma, do pescoço pra baixo tudo é canela. Sorte, Saúde e Cidadania.

      1. Carlos, na teoria o que você disse é muito simples – quem não está satisfeito procure algo melhor; mas entenda, esse “melhor” estará sempre abaixo dos dias atuais. A empresa que pagava cinco mil reais passa a pagar três, a que pagava oito passa a pagar cinco e por ai vai. O que ganhava cinco poderá procurar outra que pagava cinco ou mais? Claro que sim! Vai encontrar? Não sabemos, mas o que certamente sabemos é que não será exigido por esse “a mais” a mesma qualificação anterior.
        Em uma analogia – se há 10 anos você possuía 150 mil reais e era suficiente para comprar um apartamento 2 quartos na Savassi, significa que hoje com estes mesmos 150 mil reais seria suficiente para comprar o mesmo apartamento? Quando as regras do jogo mudam pra pior e as suas cartas permanecem as mesmas – é bastante previsível o que irá acontecer.

  9. Ricardo, as pessoas que se deparam com conclusões, como as elencadas por você, e tem os preconceitos ideológicos arraigados, não conseguem ver o alcance da proposta.
    Todos sabem que um funcionário de CLT custa às empresas o dobro do que lhe é pago de salário.
    O empresário não aumenta salário para o funcionário porque tem que aumentar para um bando de chupins (sindicatos, sistema 5 S, FGTS que não corrige nem inflação mas serve para o governo emprestar para seus comparsas).
    Precisamos de menos governo na vida do trabalhador. Os maus empresários não sobrevivem em meio a uma maioria correta e leal ao trabalho.
    Abraços.

    1. Lucas, bom dia!
      Qual a relação entre encargos trabalhistas e a terceirização?

      Onde está escrito que ao introduzir uma empresa terceira nessa relação de trabalho não mais haverá os encargos pesados ( e realmente são absurdos) de hoje em dia? Se puder explicar seria ótimo, pois gostaríamos de entender.

  10. Ricardo, parabéns!!!! Por que será que a esquerda brasileira não gosta de trabalhar, até mesmo se assusta, quando vê que tem que trabalhar para receber????? ” A cada qual conforme suas obras”!

  11. Ricardo, sempre acompanhei seus comentários, principalmente por detonar com a petralhada.
    Agora, depois de você defender a reforma da previdência e agora a expansão da lei de terceirização fiquei profundamente decepcionado.
    Pra mim suas idéias não tem mais credibilidade alguma, você acaba de perder um leitor.

    1. Bem, se é assim que você entende e respeita as opiniões divergentes, na boa… adeus! Não me fará falta nenhuma. Se quiser posso te recomendar um bom site da Coreia do Norte ou Cuba. É a sua cara!

  12. Quando me sobra tempo passo por aqui para ler algumas opiniões. Lamento pelo que vejo. Você tem uma grande oportunidade com esse veículo, mas não a aproveita plenamente.
    Zomba de todo mundo, não respeita as diferenças, se comporta como moleque. E, olha, não sou de esquerda, odeio esse maldito PT. A terceirização servirá para os políticos manipularem as licitações no serviço público. Sou trabalhador, sei o que passo no dia a dia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.