O problema nunca foi 2016

Para quem não via a hora de terminar o ano passado, 2017 já mostrou que a treta é bem mais séria que um simples algarismo que representa unidade

confronto
O Brasil vive na Idade Média em pleno século 21

Quem me acompanha sabe o quanto acho bobagem este negócio de “ano novo, vida nova”. Sempre digo que, um dia após o outro, é somente isso: um dia após o outro. Não há poder sobrenatural capaz de mudar o rumo das coisas e das nossas vidas por conta da meia-noite do dia 31 de dezembro. Infelizmente. Adoraria sumir com 10 quilos ou com alguns problemas na virada do ano. Só que acordo no dia 1º e está tudo igual. Os quilos e os problemas. E agravados pela ressaca monstro, hehe.

O Brasil constrói seus próprios horrores desde 1500. Jamais fomos uma nação, mas apenas um território habitado por selvagens domesticados por tiranos. Uns mais, outros menos. Selvagens e tiranos. Nada mais, nada além. Hoje somos uns 160 milhões de bovinos domesticados, uns 40 milhões de cidadãos (se muito!) e uns 5 milhões de criminosos horrendos, capazes de tudo. São os bandidos que estupram, roubam, matam, traficam e, sim, corrompem e deixam-se corromper. Bandido com facão ou com caneta nos levam todos ao mesmo destino. Esta merda de Brasil.

Jamais tivemos governantes sérios e decentes. Jamais! As raríssimas exceções ao longo da história não passaram de pequenos soluços. Igualmente jamais tivemos “povo”. No máximo alguns poucos milhões de patriotas dedicados. Vejam as manifestações de 2016, por exemplo. Cinco ou seis milhões foram às ruas, e só. O resto? Ou estava do lado contrário, roubando e participando da bandalheira, ou curtindo o domingo em família. O país? Que se dane. Como de fato tem se danado.

Sempre digo: Não chegamos até aqui, desse jeito, por acaso. Trabalhamos muito, por mais de 500 anos, para isso. Ser a merda que somos não é fácil, não. É trabalho para profissionais. O duro, amigos, é — parafraseando aqueles que creem — entrar ano, sair ano, e nada, absolutamente nada mudar para melhor. Só para pior. É isto que corrói a alma, que castiga o coração e enche a mente de desesperança. É isto que entristece e desanima. É isto que me faz, como dizem os bovinos mansos, proferir discursos de ódio. Mas pergunto: Como não odiar?

Os acomodados que me perdoem, mas não nasci para bichinho de estimação. É melhor irem a uma pet shop qualquer e deixar este blog em paz.

Leiam também.

5 comentários em “O problema nunca foi 2016

  1. Os portugueses quando chegaram ao Brasil, os índios ainda viviam no Neolítico. Com o início da colonização, lá pela metade do século XVII o Brasil entrou na Idade Moderna, quase Contemporânea.
    Faz todo sentido o título do texto. Só agora estamos entrando na Idade Média.

  2. Você tem razão e seu artigo reflete bem o “espírito de merda do brasileiro”: falar… falar… reclamar… reclamar… e nada de novo ou melhor, acrescentar.

  3. Por que a referência à Idade Média?
    Os professores comunistas de história mentiram para nós, meu prezado!
    A Idade Média foi o período das escolas e universidades, assim como foi o período das catedrais maravilhosas, da arte e beleza na estética. Foi também a época dos hospitais, da dignificação da mulher, da eliminação da escravidão (que voltou com o modernismo).
    A selvageria mundial se deu no século do nada (século passado): duas guerras mundiais (fascismo e nazismo); mais de 100 milhões de mortes geradas pelo comunismo e milhões de abortos!
    Já a barbárie nacional começou com a Proclamação da República!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.