Que triste, Sérgio Cabral

Relutei um pouco em escrever o que segue, mas os dedos são nervosos e a cabeça não sossega

cabralpreso
Desonra, humilhação, que triste fim

Não se chuta cachorro morto nem tripudia-se de derrotado. Isso não é frase feita e tampouco filosofia de botequim. É o certo, é o justo. Daí minha preocupação em escrever o que segue. Não quero parecer, e muito menos me sentir cruel.

Toda noite, antes de me deitar, cumpro uma espécie de ritual. Passo no quarto da minha mãe, vejo se está tudo em ordem e encosto sua porta. Logo em frente fica o quarto da minha filha, de dez anos. Entro, deito ao seu lado por alguns minutos, faço-lhe carinhos, dou-lhe um beijo e sigo para o meu próprio quarto. Aliás, outro dia assisti a um filme onde a personagem — aquela “diliça” da Scarlett Johansson — dizia à mãe que conseguia se lembrar das sensações da infância. Dizia que se lembrava dos beijos nas bochechas e dos abraços apertados que recebia dos pais, e lhe descrevia o imenso prazer daqueles momentos. Apesar de ser um filme muito doido, sobre uma droga poderosíssima, tal cena é extremamente emocionante.

Agora imaginem vocês, meus caros, se pudéssemos mesmo lembrar disto? A sensação de beijar um filho, enquanto ele dorme, já nos faz querer congelar aquele momento para sempre; nos faz desejar que o mundo pare e que tudo permaneça intocável. Agora inverta o ponto de vista e tente imaginar a sensação do filho ao ser beijado, abraçado, acariciado e cuidade. Deve ser um sentimento tão poderoso de segurança e regozijo, que é aí que entra, para mim, a existência de Deus. Quando minha filha me pergunta o que é, como é ou se existe Deus, eu sempre lhe explico que: Deus é como o nosso amor, um pelo outro. A gente não vê, não toca, não pode provar que é real. Mas a gente sabe que existe, pois a gente sente.

Quanto mais esse Blog cresce — e como cresce!! — mais responsabilidade eu assumo. Perante vocês leitores e perante meu espelho, que sempre me encontra antes de eu ir dormir. Gosto da sensação de me ver e de saber que sou um homem bom. Um bom filho, um bom pai, um bom marido, um bom amigo. Pois bem.

Fim da digressão. Adiante com o tema…

Ao ver a foto acima de Sérgio Cabral, tirada no presídio Bangu 8, imediatamente pensei no seu filho. Pensei nos seus pais, que não sei se são vivos (na esposa não, por motivos mais do que óbvios. Ao que parece, logo logo lhe fará companhia numa ala qualquer de Bangu). Pensei na dor que devem sentir ao realizar a dura constatação que seu ente tão querido, tão próximo, tão amado e tão admirado, até então, nada mais é que um reles bandido qualquer, um ladrão, um presidiário de merda, tal qual um Fernandinho Beira-mar da vida. Confesso que me senti mal por eles.

Sérgio Cabral, assim como Garotinho ou Marcelo Odebrecht, como Palocci ou Lula, como tantos e tantos outros párias da sociedade brasileira não podem olhar-se no espelho. Ao menos como eu me olho. Essa gente não pode orgulhar-se da própria história. Seus descendentes não poderão orgulhar-se dos pais e avós. Não poderão carregar os sobrenomes triunfantes. Não terão boas histórias nem boas memórias para contar aos filhos, na cama, antes de eles dormirem.

Terão vergonha dos vizinhos, do português da padaria, do Zé do açougue. Serão eternamente filhos e netos “daqueles políticos safados que roubaram o Brasil”. Passarão anos enfrentando a dificuldade e o constrangimento de visitar os parentes ladrões nos presídios. Aniversários, datas importantes, comemorações, tudo sempre trará a lembrança daqueles que não estarão presentes. Não por morte, mas pelo cárcere da infâmia.

Que triste. Que vergonha, meu Deus. Quanta desonra. Que futuro nefasto aguarda toda esta gente. Enfim…

Agora chega. Vou cumprir meu abençoado ritual. Vou me encontrar feliz — muito feliz! — com o meu espelho.

Leia também!

32 comentários em “Que triste, Sérgio Cabral

  1. Parabéns Ricardo!
    Outro texto nota 10! Um melhor que o outro!
    Você além de ser um bom filho, um bom pai, um bom marido, um bom amigo, é um excelente formador de opinião.

  2. Não acredito que a prole desses párias, excrementos da sociedade, pensem nos país como ladrões, assassinos, vagabundos, penso que partilhem da teoria de tirar vantagem em tudo, pelo menos a maior parte deles, usufruem do roubo e se acham no direito de expropriar a nação. São donos do mundo e nós seus vassalos. A fruta não cai muito longe da árvore , raras exceções.

    1. Concordo, continuam usufruindo, tenho certeza, assim como têm a certeza de que a qualquer momento tudo volta ao que era: pai soltó, usufruindo ainda mais, pois nenhum da “turma” devolve tudo que roubou.

  3. Em tempo, Ricardo, o pai de Sérgio Cabral (ex-governador e atual carcerário) é o célebre jornalista Sérgio Cabral, que apôs seu nome ao memorável grupo de colegas de O PASQUIM, na Década de setenta, tendo colaborado para a extinção do governo militar, através de honrosa militância intelectual. Também vivo a me perguntar como se sentiu o grande jornalista, ao acompanhar a “carreira” maldita de seu sucessor. Mas, são os desígnios do destino e faço coro ao Nilson, lá em cima: colhe-se o que se planta. E a nave vai!

    1. O pai também foi político, além de crítico musical (vereador por três legislaturas). Em 2013, disse no Programa do Jô que seu filho é o “maior governador que o Brasil já teve” – http://www.verdadegospel.com/o-maior-governador-que-o-brasil-ja-teve-diz-pai-de-sergio-cabral/
      Sérgio Cabral, Chico Buarque, Juca Kfouri, Frei Betto, Leonardo Boff, Luiz Fernando Veríssimo… durante décadas, entregamos a eles e outros nossa sede por ética. Se explica por que estamos como estamos hoje.
      Como dizia Fernando Brant (esse sim, um artista coerente):
      “O medo de amar é não arriscar
      Esperando que façam por nós
      O que é nosso dever – recusar o poder”
      Não podemos recusar o poder.

  4. Ricardo, excelente texto. Discordo somente no ponto em que terão vergonha dos vizinhos, do Zé do açougue, etc. Daqui a pouco estarão soltos, com a mesma cara de pau que roubaram dos milhares de brasileiros que ” estão pagando a conta da corrupção “, sofrendo com a saúde, segurança e educação, pra não dizer de outros péssimos serviços prestados pelos governos. Mas com certeza já é um excelente início de um novo Brasil.

  5. Salvador-Bahia, 20.11.2016-Domingo.

    Para o Ricardo Kertzman & Amigos:

    Muitos americanos milionários, ao perderem toda a fortuna, NO CRACK DA BOLSA DE NEW YORK, EM 1929, PELA HUMILHAÇÃO SOFRIDA, SUICIDARAM-SE !

    No Japão, A TRADIÇÃO E O COSTUME, É A PRÁTICA DO HARAQUIRI MAIS ESPECIFICAMENTE, O SEPPUKU QUE CONSISTE EM CORTAR O VENTRE, PROFUNDAMENTE, COM UMA LÂMINA AFIADA, UM PUNHAL, RAZOAVELMENTE, GRANDE PROPICIANDO QUE AS VÍSCERAS FOSSEM EXPOSTAS !

    No Brazil, temos o EXEMPLO DO GETÚLIO DORNELES VARGAS O QUAL, EM 1954, SUICIDOU-SE, DANDO UM TIRO CERTEIRO NO CORAÇÃO !

    ESTES EXEMPLOS SÃO DE PESSOAS QUE POSSUEM NOÇÃO DO SIG- NIFICADO DE VERGONHA NA CARA, DIGNIDADE, ESCRÚPULO E, ETC . . .O QUE, ATUALMENTE, PRINCIPALMENTE, NO BRAZIL, ESTÁ EM FALTA, FORMANDO UMA GRANDE LACUNA NA NOSSA SOFRIDA E DIGNA SOCIEDADE !

    Na China, JÁ TERIAM SIDO FUZILADOS, COM OS GASTOS DA OPERAÇÃO, BANCADOS PELA PRÓPRIA FAMÍLIA !

    Quando será que O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL E ESTADUAIS, JUNTAMENTE COM AS POLÍCIAS FEDERAL E ESTADUAL, VÃO INICIAR AS INVESTIGAÇÕES SOBRE AS FORTUNAS DE DINHEIRO PÚBLICO ROUBADOS E DESVIADOS, POR POLÍTICOS ANTERIORES À LAVA JATO, MUITOS DOS QUAIS JÁ MORTOS ?

    No Brazil, O CRIME SEMPRE COMPENSOU MAS, ATÉ QUANDO ?

    Grato pela atenção.
    Jairo Pinto de Carvalho

  6. Como já dizia minha mãe: quem não deve não teme. Mas, para refletirmos: são apenas esses passando tais sentimentos e sensações? Quantas outras famílias também sentem a mesma dor imbuída em vergonha e desprezo? A resposta é: inumeras. Basta que olhemos um pouco a cima ou a baixo de nosso “pequenino umbigo”. Interessante é só agora nos acharmos representados por esses dois indivíduos (perceba-se o alvorosso nas mídias), ante a imensidão de casos em nossa sociedade que não são divulgados.

  7. Discordo de sua opiniao, esses corruptos não tiveram piedade nenhuma de ajudar a destruir direitos sociais através de roubos e falcatruas , você tem piedade de corruptos? tenha piedade do estado do RJ que está falido, um político corrupto é como um assaltante com uma arma não terá piedade de mim nem de voce, essa raça está destruindo o país em que vivemos e você tem piedade deles??? Enquanto houverem pessoas como você os corruptos vão sempre reaparecer para continuar a destruir o país até que não reste nada PSDB pmdb pt seja a legenda que for a realidade é essa destroem roubam mentem e ainda zombam da sociedade

  8. Ricardo, seu texto é emocionante. É de arrepiar.
    A foto, segundo um ditado, diz que ninguém trás escrito na testa quem é, mas é só olhar para a cara que lê-se: CA-NA-LHA!

  9. Belo comentârio,mas acho que se enganou esses tipos de pessoas não tem vergonha em olhar no espelho antes de serem pegos adoram os holofotes da midía.
    Penso assim se ele pensasse mesmo na família não estaria nessa situação,como digo ao meu filho você tem a opção do não.
    Esse tipo de pessoa não pensa em nada quando desfruta de festas,carros,passeios com dinheiro vindo da corrupção.Mas quando são pegos aparecem problemas de saúde,nunca tem dinheiro e negam tudo.
    E o pior nunca ficam presos como a maioria da população pobre. quando ficam tem regalias.
    Não se enganem como o garotinho ate para ser preso aproveitam a midía para aparecer.

  10. Adorei simultaneamente a leveza e a profundidade de sentimentos narradas no texto. O trecho que fala do seu amor por sua filha e a explicação sobre a existência de Deus são comoventes.
    Em relação a cachorro morto, concordo. Mas toda vez que me flagro tendo pena da humilhação e escárnio público do Cabral, lembro das pessoas que estão passando fome, sejam por terem sido cortados benfeitorias sociais como restaurantes populares ou simplesmente as que não estão recebendo seus salários e suas aposentadorias ou as pessoas que já morreram por falta de atendimento médico adequado ou por falta de medicações e instalações médicas fundamentais e as que ainda vão morrer por conta deste roubalheira desenfreada, aí penso, todo sofrimento que eles estão passando a muito pequeno em relação ao sofrimento gerado pelo Cabral e sua quadrilha.

  11. Ricardo,
    Milhas filhas até hoje se lembram dos abraços apertados e beijos dados nas caminhas delas. Do ajeitar os cobertores para que nenhuma fresta ficasse. Cobria até a cabeça delas!!!! Quando as encontro, dou-lhes abraços apertadíssimos, de tirar o fôlego. Elas adoram, mulheres feitas!!! Mas… parece que você não sabe quem é o pai de Sergio Cabral. Ele está vivo, tem 79 anos, e é um dos maiores jornalistas do Brasil. Especializado em música brasileira, sempre teve importância na cena musical e cultural do país. A ele, a minha solidariedade. O meu abraço fraterno, o meu beijo de amigo, que não o conhece pessoalmente. Cabral pai, conte comigo!

  12. Boa tarde..
    Lendo seu texto,muito bem escrito, venho frisar um trecho em que comenta sobre os ascendentes e descendentes do Cabral.
    Vi uma reportagem alguns anos em tomas coelho me parece,em que sua avó aparecia mostrando as facetas de criança e adolescência do neto.
    Não sei se sou muito ingênuo ou sei lá o quê,mais via uma estrutura familiar acompanhava o pai as vezes como jurado ou dando uma palhinha no futrbol era vascaino doente.
    Um cara respeitado no meio…
    Que decepção amigo……
    Triste pra nossa sociedade….

  13. Na minha opinião, que até pensei nos filhos, mas digo, ninguém rouba sozinho, a mulher sabe, já está presa, os filhos sabem, sogro, sogra, tia, todos mamam, e com a certeza dá impunidade, agora são solidários a ele, não por amor, mas por ter desfrutado dos frutos do roubo, isso é uma você e versa na sociedade, a mãe de filho na favela, vê o filho de moto, comprando TV 80 polegadas, e não pergunta de onde vem os recursos, pois sabe que é o tráfico, assim como ocorre com os políticos, PMs, e inúmeras profissões, tudo fruto de roubo, pois honestamente é mais sacrificante e nem sempre se consegue.

  14. Poderão dizer: mais um lulista defendendo o ex-presidente. Mas chamar o ex-presidente de pária entre outros citados pareceu-me uma forma de compensatória de agradar os dois lados e justificar o artigo desancando pau – e com razão – no Sérgio Cabral Filho . De um lado uma busca incessante de provas contra o ex-presidente que até agora não se confirmaram. De outros propineiros e ladrões dos cofres públicos já sabidos. Esperemos, então, para colocar todos no mesmo saco… O pai Sérgio Cabral é vivo e está com Mal de Alzheimer.

  15. Curioso…. vc escreveu exatamente o que pensei assim que soube de toda essa passagem nogenta que adoece nosso estado do Rio de Janeiro
    Refleti com essa prisão atingia ao pai e ao filho desse ex governador
    Fiquei imaginando a dor de um pai ao ver um filho preso e a decepção de um filho ao ver o pai preso
    Mas são apenas reflexões que não levam a lugar nenhum
    Hj sou ciente que o pai de Sergio Cabral o jornalista de mesmo nome. Adoece com o mal de alzheimer e o filho pelo que parece acredita na inocencia do pai. Lamentável patriarcado.

  16. Com certeza os filhos nao estao aproveitando os frutos do roubo, estes irao usufruir sem nunca serem pegos pois eles nao tem “culpa” principalmente o mais velho. Que dó que tenho deles, muitos morrendo de fome e essa escoria aproveitando.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.