Não tenho político de estimação.

Político, para mim, é um servidor público qualquer. Não lhe devo favor, idolatria ou agradecimento algum.

Iguais, mas diferentes. A cada um, o que me merecem.

Há um ano e meio, um pouco mais talvez, eu bato sem parar no lulopetismo. Por que? Bem, vou poupá-los de 150 milhões de linhas, né? Sigamos, pois.

Mas bato também nos Sarney, Cunha, Calheiros, Collor, Jucá e tantos outros que considero da mesma estirpe. Bato também em FHC, Alckmin ou qualquer outro político que me desagrade. Basta ler as centenas de textos arquivados na minha página do FB. Já cheguei a mandar o ilustríssimo Fernando Henrique para aquele lugar, durante um ataque de raiva. Ocorre que o agravo é proporcional ao fato. Os motivos que me levam a criticar Alckmin, por exemplo, são completamente diferentes daqueles que me impelem a detonar Fernando Pimentel.

Eu não tenho culpa se o PT resolveu monopolizar os maiores crimes de corrupção e as maiores besteiras administrativas do país. Não fui eu que filiei a criminosa (segundo o Senado Federal) Dilma Rousseff  ao partido. Tampouco obriguei Dirceu, Delúbio, Genuíno, Vaccari e mais uns 150 petistas a assaltarem o país. Querem o que, pô? Que lhes teça loas e juras de amor? Sai pra lá, chulé! Não faço isso nem por José Serra e Antônio Anastasia, dois exemplos de políticos que eu gosto e admiro.

Outra coisa: O PMDB, para mim, é o maior antro de bandidos do Brasil. Rezo para o TSE não fazer como o STF — cuspir na Constituição — e cassar a legenda, juntamente com PT, PP, PTB e tantos outros “pes” (será “p” de puta?) que houverem e haverem assaltado o país. Assim, não fiquem me cobrando porrada nestes caras como se eu só tivesse olhos para a turma do Lula. Mas há que dar “a Cesar o que é de Cesar”, ué!

Aécio Neves

Não o conheço. O vi uma mísera vez em um boteco, em BH, onde eu estava com uma turma de amigos. Enchemos tanto o seu saco, que ele não aguentou dois minutos e nos deixou. Não sou amigo de ninguém que é seu amigo. Jamais fiz campanha para ele e jamais fui seu eleitor espontâneo. Sempre que votei nele, foi por oposição ao PT. Se em 2018 for ele o candidato do PSDB, e do outro lado estiverem Lula ou Dilma ou Marina ou Ciro ou Eduardo Paes, votarei nele. Se estiverem Anastasia ou Meirelles ou Serra, de preferência juntos, Aécio jamais verá meu voto. Mas é o seguinte:

Aécio é corrupto? Não sei. Se 1/10 das histórias que circulam em BH forem verdadeiras, ele é. Mas notem o “se”, ok? E “histórias” também.

Aécio se droga? Se, sim, deve fazê-lo muito bem escondido, pois jamais encontrei alguém que tenha visto ou participado de algo assim.

E o helicóptero com cocaína? Pelo o que foi fartamente noticiado, o helicóptero pertence ao senador Zezé Perrella. “Ah, mas eles (Zezé e Aécio) são sócios na droga”. Bem, aí quem disser uma coisa destas que assuma o ônus da prova. A um, eu não sou doido para dizer algo assim; a dois, eu não creio nisto; a três, acho uma puta sacanagem este tipo de insinuação.

Aécio compra a justiça? Bem, perguntem aos magistrados. Por que ele não responde a processos? Vai ver por falta de provas, ué? Mas diante um STF dominado por “petistas”, acho pouco crível esta tese.

Aécio é dono do Estado de Minas (jornal)? Se é, é de forma oculta. Tão oculta que absolutamente ninguém sabe. O jornal o protege? Não sei dizer, pois sinceramente não leio o jornal. Não só o EM, mas nenhum. O Portal UAI, onde estou há pouco mais de um mês hospedando este blog, jamais me pediu qualquer coisa neste sentido. O Benny Cohen, meu, digamos assim, “chefe”, até hoje só me pediu para maneirar nos palavrões — meus e dos comentários — e não permitir ofensas dos leitores endereçadas a terceiros ou ao próprio jornal.

Por que, então, eu não bato em Aécio? Porque ele não está envolvido em nenhum caso de corrupção. Foi citado em duas ou três delações que restaram arquivadas pelo PGR Janot, em quem eu não confio. Mas se houve treta aí, como é que eu posso saber? Aécio também não está governando o Estado. Sua atuação como senador não me desagradou em nada. E sua atuação como líder do PSDB foi, a meu ver, tão pífia e insossa durante todo este período de impeachment, que vou criticar o que além disto?

Encerro

Por que este enorme “desabafo”? Para esclarecer, aos quase 600 mil leitores deste blog, que eu, Ricardo Kertzman, não tenho o rabo preso à ninguém, não estou a serviço de ninguém e não sou censurado por ninguém. Por mim, o Aécio, o Temer, o Alckmin ou o Aloísio Nunes que se danem — O Serra e o Anastasia, não! Já disse que gosto deles. Mas os petistas e assemelhados, com esses é diferente. Esses eu vou infernizar até o fim. Hasta la muerte!

A minha ou a deles? Bem.. aí eu já não sei.

(Leia aqui)

9 comentários em “Não tenho político de estimação.

  1. É isso mesmo. Tambem nao tenho politico de estimação. Fiz campanha para o Aecio e votei nele porque era o unico possivel candidato a enfrentar a quadrilha do PT. MAs depois das eleições detestei a moleza do cabra. Mais em cima do muro que pombo. Credo!! Enfim nos cabe COBRAR DOS POLITICOS, NOSSOS EMPREGADOS, visto que somos nós que bancamos,toda a mordomia que desfrutam, e haja mordomia, para que o BRASIL SEJA VALORIZADO E RESPEITADO. Pisou na bola? Corrompeu? Foi corrompido? Nos enganou? #TCHAUQUERIDO!!

  2. o Lula é ladrão? ah não sei. Se as histórias que circulam pela Veja e Rede Globo sobre o triplex e sitio em Atibaia for verdade acho que sim. Mas da mesma forma do Aécio, que aparece em várias delações premiadas, como propina da lista de furnas, Lula não tem nenhuma condenação. cadê a sentença condenatória? Cadê o transito em julgado?

    1. Bem, logo mais você verá o santo Lula ser indiciado mais uma vez! Sentença condenatória e transito em julgado? Talvez daqui a um ano e meio, um pouco mais ou um pouco menos. Daí você poderá dizer que a justiça aplicou um golpe também, e que forjou inquérito, provas, testemunhas, acusação, julgamento e sentença. Você é quem sabe o que pensa e diz, Santos. A vida é sua. Este espaço estará sempre aberto às suas manifestações. Abrs.

    2. Tá caminhando irmão, tá caminhando! Para apanhar um crimonoso dessa “categoria” é preciso sabedoria, provas irrefutáveis bem fundamentadas para que o bote seja certeiro e mortal!

  3. O Lulapetismo é o movimento mais perigoso e mais maléfico que já surgiu em nossa história e principalmente no momento e na época em que surgiu ou que pelo menos cresceu. Muito mais perigoso e pernicioso que o sarneyismo, cunhismos, collorismo, renanismo e militarismo e outros tantos ismos menos afamados. O perigo do lulapetismo, é esta simbiose, é esta sincronia mental, esta influencia e esta relação promiscua com sindicatos, centrais sindicais, movimentos sociais com falsas boas intenções, além do discurso hipnotizante para mentes mais fracas ou reacionárias e ingenuas. Esta massa enorme de manobra (e como é fácil manobrá-la) tem uma facilidade enorme de idolatrar figuras medíocres que surgem com discursos afinados com os suas posições e pensamentos atrasados e já cheirando mofo há muito tempo. Neste cenário é fácil surgirem oportunistas ou os falsos “salvadores da pátria” que tem potencial até mesmo de se tornarem ditadores. O lulapetismo não tem a periculosidade de grupos terroristas mas usa estratégias muito parecidas para iludir e arrebanhar simpatizantes. Os terroristas islâmicos chamam seus inimigos de infiéis e os petistas chamam de golpistas. Ambos os movimentos usam o marketing e a mentira como um de seus pilares de crescimento e de sustentação. Aliás, o nazismo de Hitler também tinha estas estratégias. Com golpe ou sem golpe, o Brasil se livrou de uma câncer indo para a fase terminal (a caminho de se transformar em uma Venezuela gigante). Agora vamos combater os nossos corruptos normais, aqueles que roubam apenas para eles e suas famílias. O PT, pela sua gula exagerada e pela descomunal incompetência, pelo menos nos prestou um grande serviço que foi alertar a população, imprensa, os poderes constituidos e os orgãos públicos fiscalizadores, para os perigos que o nosso sistema político falido pode representar para a nação. O PT ao afundar e quase destruir a Petrobrás na sua louca e ilimitada ganancia, nos mostrou ou veio a tona as relações promíscuas que já existiam entre o capital privado e o estado, numa escala bem menor, mas já estavam lá. Ou seja, O PT aperfeiçoou, institucionalizou e agigantou tudo de ruim que já existia.

  4. “Aécio foi citado em duas ou três delações ” q foram arquivadas pela PGR? Cara, Aécio foi citado pelo menos SETE vezes em diferentes delações,várias delas aceitas pela Justiça. Dizer q foram arquivadas todas as delações que citaram Aécio é faltar com a verdade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.