Bastardos inglórios.

Ao menos na obra prima de Quentin Tarantino, nós conseguimos identificar os bastardos. Em Brasília, isto é impossível.

Tudo junto e misturado! Esse é mais um destes bordões de temporada, que a cada dois ou três anos são criados, não se sabe onde, mas que tornam-se hábitos na fala do povão e dos mais jovens. Brasília é a minha cidade-natal. Cresci lá e ganhei o mundo depois. Guardo um enorme carinho por ela, uma quantidade de memórias afetivas as mais agradáveis. Eram outros tempos; era outra Brasília. Não lhe pairava o ar podre, contaminado pela corrupção e ausência completa de amor ao próximo. O poder, há anos, tornou-se mero instrumento de autossatisfação econômica e propagação de miséria.

Tarantino, no seu brilhante filme, nos apresenta um grupo de justiceiros sem piedade e sem apego às leis e às regras. Como nossos governantes, são obcecados pelo o que fazem, e fazem “passando o trator”, não importa onde nem em quem. O objetivo é destruir o inimigo. É matar o líder do mau. Nossos políticos repetem o mesmo repertório, pena que os inimigos, para eles, somos nós. Passam o trator das leis, dos impostos, do descaso, da mentira, do cinismo e da imundice dos seus caráter e ambições sobre nossas cabeças, sem dó nem piedade, esmagando nosso presente e enterrando nosso futuro.

No Brasil, na vida real, o final não está se mostrando feliz, não. The end!

17 thoughts to “Bastardos inglórios.”

    1. E continuaremos alimentando, ou acha que está camarilha que assumiu o governo Brasileiro,fina flor do mais imoral, irá se satisfazer reduzindo ou mantendo seu ganhos?

    2. O Ricardo, na sua adolescência, viveu em Brasília quando era o regime militar. Garanto que sonhava que o regime ideal seria o da esquerda “jacaré”. Deu no que deu!

  1. Temos que nos transformarmos em Quentin Tarantino e passar nosso trator sobre esses abusadores. Corrupos que rasgaram até nossa Constituição para dar guarida a uma nefasta ex-presidente.

    1. A imprensa — não mídia, pois coisas diferentes — pode até ser conivente. Mas eu não faço parte, pois não sou jornalista nem trabalho no setor. Apenas escrevo este blog.

  2. São um bando de mau caráter, quadrilha de ladrões, cujo único objetivo é tirar proveito da ignorância e boa fé do povo brasileiro. Legislam somente em causa própria, mandam e desmandam sempre com interesses próprios. Não há nunca seriedade no que dizem, fazem . Não se pode confiar em nenhum da corja toda. Devia o povo votar , opinar, ter voz ativa no caso de aumentos salariais dos “Senhores” Magistrados, Senadores, Deputados..etc( sei que isso é utopia), mas não seria o mais justo? Está na hora do povo ser ouvido, ter voz ativa, não é somente eleger esses aproveitadores que do povo quer duas coisas: VOTO E DISTÂNCIA! Chega de hipocrisia.

  3. Enquanto milhares iam a manifestações contra a Dilma e outros milhares iam(e vão) a manifestações contra o impeachment…nenhuma pessoa, sequer um, se manifesta em frente a casa do Lewandowski, do Toffoli, do Teori, do Gilmar Mendes…
    O grande mal desse país é a justiça corrupta…e o STF é simboliza tudo de mais podre na justiça do pais.

    Gostaria muito que todo o ódio que os ‘coxinhas’ têm do PT e todo ódio que os ‘mortadelas’ têm dos coxinhas fossem direcionados para o STF.
    Mas ai já é pedir demais para esse povo sofrido e ignorante…

  4. Pelo que li, a sua adolescência foi na época do regime militar, do general Newton com seu cavalo branco em plena esplanada dos ministérios. Cacete não é santo, mas faz milagres.

    1. Minha infância. Sai de Brasília com 10 para 11 anos. Jamais me senti oprimido ou vi meus pais cerceados. Aliás, por conta do golpe militar, o negócio do meu pai, que caminhava muitíssimo bem, foi a bancarrota. Ele era comerciante de móveis e viu sua clientela ir embora da cidade.Ainda assim, eu, meus outros três irmãos e meus pais vivemos anos muito bons e felizes na cidade. Sabe por que? Havia paz urbana e oportunidade de trabalho. Para quem quis seguir dentro das leis, foi um período ímpar.

  5. Ricardo, você é sempre bem humorado com os que não entendem seu ponto de vista que é lógico e racional. Muitas vezes é ”atacado” de forma grosseira e sempre reage com inteligência. Da dó de ver quem lhe afronta, hehehe!

    Parabéns, sou seu fã!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.