Skip to main content
 -
Pedro Henrique é professor, blogueiro e cruzeirense fanático. Escreve desde 2012 e já teve passagens no Blog Azul Estrelado, Camisa 11, Lance Activo, Guerreiro dos Gramados e Bloguerreiro. Siga @RealPedrin no Twitter e acompanhe diariamente os comentários do blogueiro. Curta a fan page oficial do blog no Facebook: fb.com/blogsomoscruzeiro/

Vitória importante, mas não serve de parâmetro

Em reviravolta de gols, Cruzeiro vence e assume a liderança do Mineiro. (Foto: Fernando Priamo/Lightpress/Cruzeiro))

Terceiro jogo da temporada. Depois da partida contra o Boa, Adilson Batista havia garantido apenas dois reforços em campo no jogo de hoje contra o Tupynambás e disse que teria de avaliar a condição física dos outros. Durante a semana, poucos treinos, inclusive para a turma que acabou de chegar. Adilson, então, resolve promover, em uma só tacada, cinco mudanças no time. Atitude arriscada. Mexer em uma equipe que vinha evoluindo e colocar em campo jogadores que ainda não entrosaram com o elenco, que treinaram pouco com o grupo e que as condições físicas podem não ser as melhores… coisa de professor pardal? Talvez. Mas dizem que Mineiro é laboratório e que o momento de fazer testes é agora…

O Cruzeiro começou o jogo bem, mas logo veio o primeiro susto. Um tirambaço do lateral-direito do time da casa. Bola lá dentro. 1×0 para eles com 4 minutos de jogo. Sorte? Competência? As duas coisas? Alguns minutos depois e uma falha amadora da defesa celeste. 2×0 para o adversário com menos de quinze minutos. Enquanto isso, alguns estreantes deixavam impressões ruins: o volante Machado e o atacante (ou meia?) Roberson, por exemplo.

Final do primeiro tempo e a sensação era de injustiça. O Cruzeiro dominou o adversário, mas o marcador apontava vitória para o time da casa. E por 2×0. A “invenção” de Adilson parecia custar caro ao Cruzeiro. Cinco mudanças de uma só vez? Loucura. E do outro lado, com todo respeito, o pior time do Campeonato Mineiro até agora. A defesa mais vazada.

O segundo tempo começou, o Cruzeiro empurrou o Tupynambás pro seu campo de defesa e um milagre aconteceu. Gol de Edilson, de falta. E quem disse que o raio não cai duas vezes no mesmo lugar se enganou. Edilson, outra vez, mas de pênalti, empatou o jogo. E que jogo esquisito. Com o empate, o Cruzeiro melhorou, criou mais jogadas, fez triangulações e até o Roberson conseguiu executar uma jogada de craque. Sorte? Competência? As duas coisas? Jogadaça que terminou num belíssimo gol do jovem Maurício, que fez mais uma bela partida. Muito regular o menino até agora. Bom de bola.

E ainda teve o quarto gol, do estreante Jhonata Robert, após receber bela assistência de Maurício. O jogo, que começou péssimo para o Cruzeiro, terminou em ritmo de goleada. Vitória que coloca o time na liderança do Mineiro, mesmo com um jogo a menos, e que dá confiança para a jovem equipe de Adilson Batista.

Jogo estranho que carece de muita atenção para qualquer avaliação mais criteriosa. Penso que não é possível, ainda, analisar os reforços que chegaram. Nós enfrentamos o pior time do campeonato, que fique claro. Não temos parâmetro para fazer uma avaliação mais consistente. Não dá pra chamar o Roberson de craque, não dá pra perdoar o Edilson e muito menos se empolgar com a vitória. Comemorar pode, é claro.

Agora teremos um teste interessante contra o América-MG. O primeiro clássico do ano. Jogo importante para observar o comportamento dos nossos jogadores. A recuperação na partida de hoje foi um bom sinal, mas convenhamos que o adversário não ofereceu perigo em momento algum. Feliz por esse início positivo, mas com os pés no chão. A gente sabe que tem muita coisa para melhorar ainda, mas ainda assim estamos invictos. Ê Cruzeiro arrogante.

Pedro Henrique

Olá, o meu nome é Pedro Henrique. No Twitter, sou conhecido como o @RealPedrin. No blog, todos me chamam de PH. Desde 2012, escrevo sobre o Cruzeiro. Já redigi no Blog Azul Estrelado, Camisa 11, Lance Activo, Guerreiro dos Gramados e Bloguerreiro. Não sou daqueles blogueiros que gosta mais de cutucar o rival do que de analisar o próprio time. Minha missão aqui é colocar o meu ponto de vista - dentre tantos milhões de pontos de vista possíveis - e abrir o espaço para o debate, para a troca de ideias. E prefiro ser essa metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo. Ei, você curte o blog? Então curte lá a nossa fan page no Facebook: fb.com/blogsomoscruzeiro/. Muito obrigado! Sejam todos bem-vindos!

15 thoughts to “Vitória importante, mas não serve de parâmetro”

  1. MAIS UMA BRILHANTE ANÁLISE, PH. ADÍLSON GOSTA DE CORRER RISCOS AINDA QUE DESNECESSÁRIOS. COLOCAR O 5 PRÁ JOGAR PODERIA TER SISO UM DESASTRE DO PONTO DE VISTA PSICOLÓGICO E DE VESTIÁRIO,POIS ESTAVA DANDO TUDO ERRADO ATÉ OS 70 MINUTOS DE JOGO E, CERTAMENTE, UMA DERROTA ACARRETARIA UM TURBILHÃO DE CRÍTICAS E GERARIA DESCONFIANÇA NOS NOVATOS QUE SE SENTIRIAM UNS “TAPA BURAÇOS” DO TIME.
    AGORA, SEM DÚVIDA O MELHOR NESSE INÍCIO DE TEMPORADA É VER O MAURÍCIO JOGAR, POIS É O TIPO DO JOGADOR QUE EMPOLGA O TORCEDOR. DESLOCA, TROCA PASSES, LANÇA, MARCA, ROUBA BOLAS, MOVIMENTA-SE DE MANEIRA INTELIGENTE POR TODO O ATAQUE, DÁ ASSISTÊNCIA E AINDA FAZ GOL. SUA OBSTINAÇÃO PELA VITÓRIA E SUA LUTA PARA CONSEGUI-LA É ALGO EMOCIONANTE, DE SE ARREPIAR MESMO. ACHO QUE COM MAIS ALGUNS JOGOS JÁ TEREMOS UM NOVO ÍDOLO PRÁ CHAMAR DE NOSSO. E, CÁ PRÁ NÓS, UM ÍDOLO DESSE QUILATE NUM MOMENTO DESSES SERIA UMA DÁDIVA CELESTE.

  2. Não vou cobrar futebol de qualidade porque ele nunca teve bola pra isso. Daí o absurdo de contratá-lo como o mais bem pago de sua posição no país. Também é difícil esquecer ter sido ele o pivô da crise gerada no único momento de 2019 em que se viu uma luz no fim do túnel! Mas é exatamente aí que está o meu dilema. Se o Cruzeiro tivesse reagido sob a batuta de Rogério Ceni, a limpa estaria sendo feita ou estaríamos presenciando mais discursos e medidas populistas que elevariam de 800 milhões pra 2 bilhões a nossa bancarrota? Estaríamos vendo o surgimento de novos talentos ou o levante do império de ex-jogadores em atividade? Enfim, não pelo jogo de ontem, nem pelos anteriores, no que se refere à qualidade técnica, repito, de quem nunca esperei nada. Mas pela atitude e postura diferente. Pelo menos pra mim, Edilson tem sim mostrado engajamento, prazer em estar fazendo parte do processo de reversão do quadro que ele tanto contribuiu para colocar o clube.
    A vitória valeu mais pela forma como aconteceu, por dar moral e elevar a autoestima dos jovens e do grupo como um todo, do que pelo jogo em si.
    Meu pé atrás se resume no comando técnico de AB. Sou muito fã do zagueiro AB. Tenho muito respeito pela sua história em 2008 e 2009. Mas, ao mesmo tempo, é desse período que vem minhas dúvidas sobre sua capacidade em observar e escolher jogadores. Em que pese a boa vontade e até a participação nos lances de gol, mais a bola na trave, Roberson está longe de ser um jogador nível Cruzeiro, MESMO EM NOSSO ATUAL MOMENTO! A justificativa de que não gosta de jogar com um homem de referência paradão, também escancara essa dificuldade do AB, pois nem Judvan, nem Popó são jogadores desse perfil. E AB ficou anos parado, só “observando” de fora. Só a título de comparação, Sampaoli, trabalhando fora do país e depois no Santos, dissecou a base do Palmeiras quando foi sondado no final do ano passado.
    Ontem, não foi só o fato de escalar jogadores ainda sem ritmo e sem entrosamento, mas tirou do time jogadores que vinham bem. Felipe Machado chegou e passou na frente de Pedro Bicalho e Guilherme Liberato. João Lucas sacou Rafael Santos e barrou Matheus Pereira, nosso melhor jogador na Copa São Paulo de futebol Júnior e muito versátil. É a volta da incoerência. Da época do Mano e da época do próprio Professor Pardal. Aquele que mexia no time todo mas não tirava Henrique e Paraná, só não os improvisando no gol e que, numa final de Libertadores, preteriu Sorin, Fabrício e Fabinho, por Magrão, Henrique e Paraná!

    1. Companheiro André Luiz Brasil,

      esta é também a minha grande preocupação. AB é trabalhador, ousado, sabe montar times ofensivos mas, tem estes vacilos emocionais que você coerentemente apontou. Cisma com certos jogadores e vai insistindo e ai a torcida se revolta e vem a pegação. Se se dispuser a dialogar com a torcida e ouvi-la, o trabalho dele vai se aproximar do Ayrton Moreira, quando lançou Tostão e companhia com o mantra: “joga ligeiro, como o ataque do Cruzeiro,” lembra? Naquele tempo não tínhamos centro avante fixo, pois o Evaldo recompunha criando espaços para Dirceu e Tusta fazerem os salseiros que faziam nas defesas adversárias.

      Estamos muito no inicio ainda. Muitos dirão: devagar com o Andor que o Santo é de barro. Este dito de prudência e realismo se aplica a numerosas situações da existência humana e diuturnamente. Mas, esta garotada nossa tem muita qualidade. Dando-lhes moral, incentivo e não havendo PANELAS, já caminhamos a passos firmes para nova e agradável realidade.

      Será que o Blogueiro teria como fazer chegar ao Grupo Gestor uma grande preocupação da torcida: porque o Popó não está tendo oportunidades ainda?

      Um grande abraço ao Blogueiro por nos disponibilizar este momento de reencontros e a todos os cruzeirenses. Vamos nos unir, darmos o máximo de nossos esforços para resgatar este patrimonio afetivo e cultural das Minas Gerais chamado CRUZEIRO ESPORTE CLUBE!

      1. Ronaldo, vejo que você é do meu tempo. Ayrton Moreia fez o Tusta. a maior estrela do Cruzeiro de todos os tempos, responsável direto por lançar o clube no cenário mundial. Pena que hoje não ocorrerá a criação de novo Tostão. Este Mauricio tem idade e pinta, mas bastará fazermos dois golaços daquele contra o Tupinambás que sairá do Cruzeiro, alegando que é profissional, saíra beijando o escudo e depois dirá que um dia volta, como fez o Ronaldo Fenômeno, que depois deu uma “banana” para a torcida e sequer mencionava o início de sua carreira… Continuo muito magoado com o acontecido, não é seu Dedé ingrato?

        1. Companheiro MAD,

          Obrigado pelo compartilhamento. Sou cruzeirense desde 1965. Tinha quinze anos e sofria muito no colégio, porque de maioria atleticana. E isto me fazia gostar mais e mais desta escolha clubística. Nos namoricos da adolescência, algumas namoradas me discriminaram por ser cruzeirense. Nas peladas idem. Contudo, nunca desaminei e acompanhei a extraordinária administração FelícioxFurletti e depois Furletti e as sucessivas. Para mim,depois de Felício Brandi, somente o Zezé e Alvimar deram ao nosso clube esta dimensão esportiva fantástica. Mas, igual ao Felício Brandi, penso que nunca mais surgirá outro!

          Estou muito animado com os jovens de nossa base e vejo neles um extraordinário futuro, pois tem muita qualidade e vão surpreender muitos dos nossos próprios companheiros. Merecem o nosso carinho e compreensão, pois o Ruralito é para fazer experiencias, testes mesmos! Por isto concordo com o Adilson. Se não testar como saberemos se podemos contar ou não com o atleta A ou B?

          Um fraternal abraço ao Companheiro de conquistas e alegrias memoráveis.

  3. Meu sentimento está próximo ao do Pedro e do Amigo Andre Luiz tb. O AB foi Pardal ontem e inventou e muito. Implementar tantas mudanças de uma vez em um time em construção é inexplicável. O time ficou completamente perdido. Tivemos posse de bola mas tb não agredimos muito no primeiro tempo. No segundo fomos para um abafa meio na vontade e com o Everton Felipe mais recuado o time se organizou um pouco mais. Das novidades apenas ele e o tal Machado, sim mesmo com a falha, me mostraram algo relevante. Roberson fez uma jogada linda mas 90% do tempo foi apenas o jogador que todos esperavam. Fraco! o Tal JRobert não me convenceu de nada, tanto é que o lado dele melhorou quando com o Judivan o Roberson acabou jogando mais pelo lado dele. E me explica uma coisa, alguém treina bater escanteio? Cada hora vai um e sempre sem sentido nenhum. Ahhh, lembrei agora que não temos treinador.

  4. Edilson me irritou muito no ano passado.
    Mas, é um dos poucos que assumiu a culpa pelos erros e aceitou ficar. Pelo gol de falta ontem, nada demais, ele não é um batedor excepcional mas, convenhamos, ele sabe bater falta e uma hora acerta. O que me agradou ontem foi ele ter pego a bola e a responsabilidade de bater o pênalti… tive receio de uma repetição do ato horroroso do TN, mas ele não brincou, não tentou colocar a bola. Encheu o pé. Foi essa atitude que me agradou. Se continuar assim, não tenho como criticar, porque o time precisa ser mesclado com jogadores experientes.

  5. Realmente o adversário de ontem é fraquíssimo… como eu disse em alguns comentarios o maior receio de todos no clube por enquanto se chama Adilson Batista.
    Ele inventa, tira que esta bem, coloca quem nunca jogou gosta de fazer merda.
    Mas estamos indo .. eu ainda tenho um receio maior:
    O vagabundo sem vergonha e mau caráter ainda não se desligou do clube.
    Como ninguém quer essa bosta, daqui a pouco o vagabundo enfia o rabo entre as pernas e pede para voltar, paga a TV alterosa para fazer média co entrevistas pagas e isso é um problema gigante.
    Com sua indolé de marginal contamina tudo.Ou seja somente vou comprar o sócio depois que esse vagabundo FRED KONE sumir de BH..

  6. Olá Prof Pedro Henrique e China Azul,

    Mais um jogo difícil vencido na base da raça e imposição física dos jovens. O Tupynambás se fechou na retranca, abusou de parar o jogo com faltas e dos pedidos de atendimento em campo; levou merecida goleada.
    O “aparício” do apito, ao invés de aplicar a regra e apitar, estava mais preocupado em ficar gesticulando para intimidar jogadores do Cruzeiro, verificar posição de bola em cobrança de escanteio e sua postura só serviu para deixar o nosso time nervoso; uma cotovelada no rosto de Maurício, na cara dele, não foi vista (esse é o problema da maioria dos árbitros que se perdem nos jogos).
    Bom chute à parte no 1º gol adversário, a verdade é que o time não pode deixar um defensor arrematar com tanta tranquilidade e Fábio não pode levar um gol de tamanha distância (pareceu que demorou para reagir e não subiu para espalmar a bola, como costuma fazer).
    Falha bizarra no 2º gol, típico das peladas de churrasco. O jogador ficou ali justamente para cobrir a subida da zaga ao ataque, contudo, se atrapalhou no lance e não fez um corte fácil.
    Falhas assim contra time mais qualificado podem decretar derrotas e perdas de pontos, tornando tudo mais difícil.
    Os estreantes (João Lucas, Felipe Machado, Jhonata Robert, Everton Felipe e Roberson) pareceram nervosos e, num primeiro momento, deixaram o time mais lento e menos competitivo; acredito que precisam ser lançados aos poucos e vão demonstrar mais jogo se estiverem entrosados.
    Na raça e no preparo físico o Cruzeiro engoliu os veteranos do Tupynambás e exerceu tremenda pressão abrindo espaços pelas laterais; a correria funcionou e o empate veio com dois gols em falta e penal, cobrados por Edilson; depois as jogadas em velocidade funcionaram, sobretudo com Maurício, sendo construída bela vitória.
    Até aqui tem ficado claro que teremos um time competitivo; prefiro um time de jovens inexperientes que honram a camisa que “lerdos e cascudos” que ficam só cadenciando partidas e justificando maus resultados.
    É o que temos. Torcendo para que Dedé, Rafael, Robinho, Rodriguinho, Ederson e Fred acertem logo suas vidas bem longe do Cruzeiro (possuem bons empresário que vão arrumar para eles lugares e salários melhores); esperando que a investigação sobre as coisas no Cruzeiro avancem rapidamente e as prisões comecem a ser feitas logo.

  7. Não dá pra julgar o AB por nada, ele precisava sim colocar os reforços em campo o qto antes possível e melhor oportunidade não haveria – pela frente um dos piores times do campeonato.
    E ao final foi muito bom, garotada mostrou raça e poder de reação!
    Dias melhores virão!!!
    A de se lamentar ainda a presença do Edilson no Cruzeiro, quem sabe ele jogando bem aparece uma proposta de Sport, Coritiba, Ceará…e ele vaza
    Opções temos no mercado: Jonathan experiente e identicado c o Clube, Ricardo Silva q ano passado fez uma ótima serie B pelo América (joga de lateral direito, zagueiro e volante)
    Vms aderir ao sócio gente, pra vermos o Cruzeiro de volta aos trilhos

  8. É PH, essa vitória não serve de parâmetro, mas como é gostoso, saboroso, ouvir e ver gols da Raposa Astuta. Gols escassos nos tempos de Fred o Cone, TN avacalhado, e Mano panelinha, Henrique, Ariel, etc…, Agora, esse foi o último colocado da tabela, agora vamos pegar o Amériquinha, que é e sempre foi osso duro de roer para a Raposa astuta. “Prova de fogo”. Adilson tá mandando bem. Abraços.

  9. Concordo com o comentário, mas não concordo com o processo histórico e coerência nas avaliações. Ano passado o Cruzeiro iniciou o ano “voando” contra estes mesmos times fracos do Campeonato Mineiro e da primeira fase da Libertadores e de repente era o melhor time do Brasil. Ganhou o Mineiro sem convencer e para os bons analistas já se via que não ia longe na Libertadores. Então vamos encher um pouco a bola destes meninos sim, que estão fazendo um bom papel no Mineiro e com o mais importante, respeitando a camisa que estão vestindo. Que vocês tenham um grande futuro garotos ou aqui ou em outros clubes.

  10. Caros PH e Companheiros,

    Vi aqui no Blog outro dia uma sugestão, com a qual me simpatizei de cara: da adoção de outro uniforme pelo Cruzeiro para jogar toda a série B. Este desastre que nos legou a badalada administração “Rainha da Inglaterra”, acumpliciada com numerosos Conselheiros Pilatos, não merece ser disputado com este uniforme com o qual escrevemos páginas heroicas e imortais nos gramados de Minas, do Brasil, das Américas e outros recantos do Planeta.

    Penso que jogar com a camisa que nos deu tantas vitórias e destaque, seria uma desonra, sinal de aceitação com o descalabro que esses conselheiros traíras e a mais incompetente e nefanda administração nos impingiram. Sermos rebaixados, será uma nódoa indelével em nossa história. Jogar pois, com um novo uniforme preservando o Azul e Branco mas em outro estilo, durante a Série B, seria a nossa mais lídima e expressa manifestação de desagravo as esses conselheiros e dirigentes que apunhalaram pelas costas nossa imensa e fiel torcida.

    Você Pedro Henrique, teria como fazer uma enquete por aqui neste sentido e submeter o resultado dela ao Grupo Gestor? O que acham os demais companheiros?
    Zeerorooooooooooooo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *