Skip to main content
 -
Pedro Henrique é professor, blogueiro e cruzeirense fanático. Escreve desde 2012 e já teve passagens no Blog Azul Estrelado, Camisa 11, Lance Activo, Guerreiro dos Gramados e Bloguerreiro. Siga @RealPedrin no Twitter e acompanhe diariamente os comentários do blogueiro. Curta a fan page oficial do blog no Facebook: fb.com/blogsomoscruzeiro/

Nós somos Chapecoense

O escudo e o verde da Chapecoense uniram pessoas e clubes. (Foto extraída do site aratuonline)
O escudo e o verde da Chapecoense uniram pessoas e clubes. (Foto extraída do site aratuonline)

O texto de hoje não será sobre o Cruzeiro. Porque simplesmente não dá para fazer posts sobre o nosso clube e ignorar a maior tragédia do futebol brasileiro. O desastre ocorrido com a Chapecoense comoveu o mundo inteiro e quebrou muitas barreiras tolas. O escudo e o verde da Chapecó uniram as pessoas e os clubes. Aliás, desde que chegou à primeira divisão do Campeonato Brasileiro, esse time catarinense ganhou um lugar especial no coração de muitos brasileiros. E ontem o mundo todo conheceu a Chape e também passou a gostar dela.

Na terça-feira eu acordei um pouco mais tarde. O celular não despertou, descarregou durante a noite. Abri os olhos, estava me sentindo descansado e com energia renovada. Coloquei o celular no carregador, abri o Whatsapp e comecei a ver um tanto de notícias sobre a Chapecoense. Não estava entendendo muito bem e só depois que a ficha caiu. O primeiro instinto foi pensar que era pegadinha, que era mentira. Daí veio a tristeza. Fiquei inconformado. Liguei a TV. Assisti o “Redação SporTV” inteiro. O apresentador e os comentaristas visivelmente com cara de quem não queria estar ali falando sobre tudo aquilo. As imagens, as notícias novas que chegavam, o sofrimento.

Meio-dia. Não quis almoçar. Vim até o blog pra ver se alguém estava comentando sobre o assunto ou se alguém estava pedindo para que eu fizesse algum texto em homenagem à Chape. Nada. Nenhum comentário. Nem no texto sobre o Cruzeiro, nem sobre a tragédia. Porque tá todo mundo estarrecido, ninguém quer falar de futebol agora. Quem pôde cancelar alguma obrigação, cancelou. Quem não pôde, fez as coisas no automático e com a cabeça em outro lugar.

Pois ontem foi um daqueles dias que a gente se recolhe, fica quieto e pensando sobre uma pá de coisa. Porque quando a gente se coloca no lugar do outro aí a gente sente. Poderia ter acontecido comigo ou com você. E daí aparece um tanto de porquês: por que com eles? Por que nesse momento? Por que dessa forma? Tem alguma explicação? Voltamos às questões existenciais que sustentam toda a nossa filosofia. Quem somos, de onde viemos, para onde vamos, etc. Que dia triste.

Definitivamente, não é “só futebol”, não é “um bando de homem correndo atrás de uma bola”. São pessoas, seres humanos, gente que depois que sai do campo volta para casa, volta para sua mãe, para seu pai, para sua esposa, para ficar com seus filhos. Infelizmente, a maioria dos atletas da Chapecoense não voltará mais para casa, para suas famílias, para suas esposas, para seus filhos. Às vezes a gente xinga demais, deseja até coisas horríveis para pessoas ou clubes e quando uma tragédia dessas acontece, todo mundo cai na real, porque todos nós somos seres humanos, todos.

Nesse momento de profunda tristeza, há muita solidariedade. Os grandes da série A estão pensando em formas de ajudar a reerguer a Chapecoense para não deixar esse clube acabar. Empréstimo gratuito de jogadores e 3 anos sem rebaixamento foram as primeiras medidas articuladas. Clubes de menor expressão e times do exterior também se colocam à disposição para ajudar. Atletas renomados querem fazer doações. Que bom que o mundo não está perdido e que ainda existe solidariedade e empatia.

Ontem, hoje e daqui para frente todos seremos Chapecoense. Um pouco de nós está e estará com eles para sempre. A todos que estão sofrendo com as inúmeras perdas que tivemos, fica o nosso fraterno abraço e nossas orações/boas energias. Vamos, juntos, tentando seguir em frente sem nos esquecer dos atletas, dirigentes e jornalistas que nos deixaram por terem acreditado num sonho.

Amanhã voltamos a falar sobre o Cruzeiro, que terá mais tempo para se preparar para a última rodada do Campeonato Brasileiro, adiada para o dia 11/12, em virtude da tragédia envolvendo a Chapecoense. Um abraço a todos.

Pedro Henrique

Olá, o meu nome é Pedro Henrique. No Twitter, sou conhecido como o @RealPedrin. No blog, todos me chamam de PH. Desde 2012, escrevo sobre o Cruzeiro. Já redigi no Blog Azul Estrelado, Camisa 11, Lance Activo, Guerreiro dos Gramados e Bloguerreiro. Não sou daqueles blogueiros que gosta mais de cutucar o rival do que de analisar o próprio time. Minha missão aqui é colocar o meu ponto de vista - dentre tantos milhões de pontos de vista possíveis - e abrir o espaço para o debate, para a troca de ideias. E prefiro ser essa metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo. Ei, você curte o blog? Então curte lá a nossa fan page no Facebook: fb.com/blogsomoscruzeiro/. Muito obrigado! Sejam todos bem-vindos!

26 thoughts to “Nós somos Chapecoense”

  1. Faço de suas minhas palavras PH! Que Deus esteja com os que foram e com os parentes e amigos que ficaram! Não podemos nos esquecer das pessoas da imprensa e dos tripulantes! #ForçaChape

  2. Muito triste…. ontem realmente trabalhei no automatico e sempre que podia lia alguma noticia….. Tenho uma filha de 6 meses e chorei igual criança ontem pelo ocorrido e quando vi o video do jogador da chapé que soube que seria pai uma semana antes e também com a foto do goleiro Danilo com o filho dele chutando a bola….. Me coloquei no lugar deles e posso dizer que senti pelo menos 1% dessa dor…. Para mim esse ano não da mais para falar de futebol, a não ser para lembrar desses guerreiros que conquistaram não so a america, mas o mundo! Meus sinceros sentimentos a todos os familiares, amigos!! Estamos orando por vocês!!!

  3. Em momentos como esse a gente vê o quanto somos pequenos com os nossos tolos desentendimentos diários.

    Ao mesmo tempo, com a impressionante solidariedade demonstrada em todo o planeta temos a oportunidade de perceber o quanto poderíamos ser melhores.

    Eu tinha pensado em entrar no site do Atlético Nacional e mandar um e-mail sugerindo que pedissem para a Sul Americana dividir o título. Grande foi a minha surpresa vendo que eles querem dar o título de presente para a Chapecoense. Sempre podemos ser melhores.

    Diante dessa atitude sem precedentes do Atlético Nacional, o Atlético Mineiro deveria seguir o exemplo e pedir para a CBF dar os 3 pontos do último jogo do Brasileirão para a Chape.

  4. Nesse momento não é hora de buscar culpados. Mas o que mais dói é saber que, pelas notícias e pelo que está sendo apurado, esse acidente foi por um motivo bobo, uma falta de combustível, uma situação que poderia ter sido evitada. Não foi meramente um acidente, uma fatalidade. Isso é o que mais entristece. Mas enfim! Que Deus permita a recuperação dos sobreviventes e que isso seja um alento diante de toda essa dor. E que conforte e de força aos familiares e amigos. No âmbito do futebol toda ajuda será bem vinda. Além dessa questão de ceder jogadores, vi até alguns comentários levantando a ideia de que jogadores deveriam se reunir para jogar a final da sulamericana, como forma de homenagem.

  5. Incorporando as sábias e belas palavras suas Pedro Henrique, as quais retratam com precisão tudo que senti da tragédia da Chape, parabenizo também os companheiros Alessandro, Jonas e Marcelo que me precederam, pelos elevados sentimentos de solidariedade cristã de suas manifestações. Somos criaturas finitas de um Deus todo poderoso que a todo instante nos chama ao lar eterno. Vivemos com se nunca fôssemos morrer e por isto criamos tantas dificuldades para nossos irmãos. Que a dor das famílias enlutadas pela tragédia da Chapecoense possa nos fazer crescer diante do Pai Celeste enquanto vivos aqui no planeta.

  6. Belas palavras PH! Acredito que nenhum torcedor de futebol e mesmo de outros esportes no mundo será igual ao que era antes. Esta tragédia será lembrada por muitos e muitos anos! Que pena que somente se estabeleça tamanha solidariedade mediante tamanho sofrimento! Sem ser utópico, como em um vídeo que vi, salvo engano da própria Chape, mais que tudo, lembraremos sempre que houve um dia em que todos nós torcemos por uma só Equipe! Que o Sr Deus os receba como os campeões que hoje acreditamos que podiam ser e proporcione o conforto às famílias não só dos jogadores e comissão técnica, mas de todos que partiram! Faço minha as palavras dos que me antecederam: #ForçaChape

  7. Isto aí, PH. O momento é de solidariedade. São dezenas de famílias chorando pela ida trágica de seus entes queridos. Muito triste. Deus no comando, sempre.

  8. Pedro Henrique e colegas que comentaram antes de mim, sim, o ser humano é assim mesmo, se confraternizam e são solidários quase sempre em festas e em catástrofes, mas nós, não fomos criados para sermos assim, nós talvez pelo nosso egoismo nos tornamos assim, fomos criados para servirmos e amar o próximo em qualquer circunstância, quem já teve ou ainda vai ter a oportunidade de viajar de avião por favor lembre-se de olhar para baixo principalmente se for em cima de uma floresta, com certeza você não verá o tamanho das árvores e a visão que vamos ter é que são todas do mesmo tamanho e é assim que DEUS nos vê, muitos dos seres humanos acham que se olhar o próximo de cima para baixo vai se tornar maior, ledo engano, ontem o mundo teve a oportunidade de refletir o quanto somos pequenos, e que possamos ao olhar o próximo, vê-lo como se olhássemos para nós mesmos, é difícil, é, mas com a ajuda de DEUS é possível. Que DEUS abençoe e conforte os corações de todos os familiares que perderam seus entes queridos. E com certeza Pedro Henrique, você expressou neste texto o sentimento de dor e pesar da família cruzeirense para com todas as famílias chapecoenses.

  9. É meu caro P.H., e comentaristas, parece que tem time que não nasce para ser campeão. Dessa vez não ia ter jeito e a “Chape” ia ser campeão e já continental. Ledo engano. Caiu. Sem nenhum motivo ou explicação. Simplesmente caiu. E a tristeza de perder um título, nada disso. Uma tristeza muito maior, fora de qualquer lógica. Que Deus abençoe as famílias que ficaram desoladas. Nós, que amamos o futebol, jamais vamos esquecer cer desse time e do treinador Caio Júnior. “Força Chape”.

  10. Pra mim esta sendo o “11 de setembro do esporte” tenho ficado impactado em como todo globo tem sem comovido e movido nesta causa sendo um com Chape. Que Deus derrame graça e consolo aos familiares amigos e torcedores que sofrem com essa enorme perda.

  11. Torcedores do Atl. Nacional lotaram o estádio para homenagear e pedir que o título seja da chape. Conquistaram todo o meu respeito e admiração

  12. – Até hoje não tenho palavras para expressar a profunda tristeza que todos estamos sentindo em função desta tragédia. O futebol é capaz de gerar emoções, alegrias, ou mesmo provocar tristezas e decepções. O que aconteceu (extra campo) foi por demais impactante, fiquei o dia inteiro vendo tv e acessando a internet, fiquei congelado, paralisado e vários sentimentos tomavam conta de nossa mente, lembramos de pessoas queridas que se foram, sejam elas próximas ou não e constatamos que não somos nada, frágeis criaturas, por isso muito dependentes de DEUS que é a força maior. Fiquei muito admirado com a solidariedade do povo colombiano e com a homenagem realizada ontem quando 100.000 pessoas compareceram ao estádio de futebol. Transmitimos a todos os familiares das vítimas (jogadores, imprensa, comissão, tripulação…), à cidade de Chapecó e ao povo de Santa Catarina nossos profundos sentimentos. Eu já admirava a Chapecoense antes e agora muito mais. FORÇA CHAPE!

    1. É companheiro, não é só a falta de gasolina, do diesel ou do querosene que ceifa vidas e vidas. O desamor, o desrespeito, o preconceito, a intolerância, a ganância e o orgulho também vitimam. As tragédias humanas são sempre e unicamente causadas por nossas IRRESPONSABILIDADES como vc anotou. Ser responsável é difícil, muito difícil, porém possível, perfeitamente alcançável. Com humildade, dedicação, sacrifício e alegria a gente consegue! Viu as homenagens póstumas que os colombianos prestaram ontem à Chape e a nos brasileiros? Fantástico! Igual em emoção e espontaneidade aos funerais do Roberto Batata, Leide Dy, Ayrton Senna

  13. Companheiros, o burocrático cumprimento de um calendário esportivo já definido é mais importante que respeitar as dores de famílias enlutadas, dos amantes do futebol que, de uma hora para outra, foram agredidos por uma tragédia imensa, será?
    A realização dos jogos restantes do BR-16 serão mais importante que respeitar os sentimentos dos atletas? Eles desejam se solidarizar de maneira efetiva, real com seus colegas de profissão trágica, precoce e estupidamente mortos. Por que negar-lhes este direito legítimo?
    A imprensa esportiva brasileira se sentirá reconfortada em voltar aos estádios e, neles, assim tão recente, não mais ouvir a voz e reencontrar companheiros de trabalhos, cujas vidas foram ceifadas brutalmente no cumprimento do sagrado dever de informar, sentirá?
    Nós brasileiros temos menos coração e alma que o bravo e honrado povo de Medelin, Antioquia e Cejas, que sem nunca ter jogado ou convivido com a Chape, prestou-lhe e a seus dirigentes, jogadores, comissão técnica, auxiliares, familiares enlutados, à Cidade de Chapecó e a todos nós, as homenagens do mais elevado respeito e de calorosa espontaneidade que o Planeta Terra já viu, temos?
    Será que a bonita e estrondosa homenagem póstuma do Atlético Nacional, do povo e das autoridades de Medelin e Antioquia foram de nenhum valor para a CBF, será?
    O encerrar do BR-16 sem a realização dos jogos da 38ª rodada não seria um tributo de respeito e solidariedade da CBF à Chapecoense, a todos os jogadores profissionais e a imprensa esportiva brasileira, também mutilada e a nós torcedores, seria?
    Será, que os gestos eloquentes de solidariedade e respeito do povo colombiano não poderiam irradiar, motivar a CBF e parte de nossa mídia para que se convençam que encerrar o BR-16 agora se converterá também num mínimo de grandeza, dignidade e respeito a todas as vidas que se foram?
    Será, que os torcedores brasileiros, diante da maior manifestação de calor humano e de sentimento cristão registrados no Atanásio Giradort ontem, nos darão ânimo, interesse em comparecer aos estádios? A dor, o desânimo, a desesperança passam. Mas nem por isso, podem ser desprezadas e hostilizadas. Gracias Medelin! Gracias Atlético Medelin! Muchas Gracias!

  14. Ronaldo de Andrade, te entendo, te compreendo e estou totalmente de acordo com você, mas ontem assistindo o programa a noite na Esporte Interativo, eles disseram praticamente tudo o que você disse, mas, diante do que disse o diretor do Inter sobre a rodada final ficou claríssimo a intenção do Inter ou seja em primeiro momento ele criticou o adiamento da rodada dizendo que o Inter também vive uma “tragédia interna” e depois pediu desculpas, mas o pior que ele disse e se desculpou, depois emendou sobre a não realização da última rodada onde seus próprios jogadores estão de acordo em não ser realizada, foi ele deixar entre linhas para refletirmos é que; “mas sobre o nosso drama deixamos para um momento oportuno “, o que pode ser isso? Pode até que seja; Depois entraremos na justiça e brigaremos contra a queda por causa da não realização da ´´ultima rodada, o que os comentaristas comentaram é justamente sobre o sentimento momentâneo de acordo com o interesse próprio. imagino que você entendeu, mesmo o mundo ter demonstrado todo o sentimento e dor em prol das famílias que perderam seus entes queridos, ainda tem aqueles que deixa uma brechinha e não são tocados verdadeiramente pelo espírito de solidariedade verdadeira, resumindo pelo que eles quiseram dizer é ; a não realização da rodada pode não haver rebaixamento, e se não for assim deixa brecha para quem se sentir prejudicado entrar a justiça. Mesmo diante de um acontecimento triste deste sempre haverá um motivo discordância.

    1. Sabe Antonio, também vejo dessa forma… Amanhã, quando a comoção acabar, os dirigentes maus-caracteres vão se aproveitar para usar isso a favor deles. Agora essa situação do Inter já estaria resolvida, o rebaixamento já decretado, se o Cruzeiro não tivesse se acovardado domingo e ao menos empatado lá em Porto Alegre… Gostaria que os jogadores do Cruzeiro, numa possível virada de mesa por parte do Inter, se sintam em parte culpados, pois também não honraram a camisa que vestiam na última partida…

      1. Concordo plenamente, o Cruzeiro entrou em campo para não ganhar o jogo, na minha visão quem entra em campo pára “não ganhar” consequentemente perde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.