Indulgências

Tais Civitarese Faltei ao pilates para comer chocolate Era manhã de fé, mas fui tomar café. Fechei o livro para teclar com um amigo. Abandonei o divã para mexer no Instagram Gastei a grana do curso em um casaco de urso. Bebi o soldo do mês em puro whisky escocês. Usei meu último real na festa de carnaval Fiquei sem nenhum centavo E caí num … Continuar lendo Indulgências

“Melancholy” - Albert György

A Propósito de Nada

Escrever para uma coluna semanal implica em trabalhar as emoções ou apresentar fatos práticos e matemáticos. Quando fui convidada para contribuir com o Blog Mirante do Portal Uai, Estado de Minas, apresentaram-me a proposta de escrever sobre turismo – dicas, destinos, trajetórias – pois ser turismóloga e consultora de viagens é parte da minha profissão primitiva (acho que já é um termo adequado).  Aceitei o … Continuar lendo A Propósito de Nada

A dor do membro fantasma

Às vezes, quando eu não tenho nada para pensar, me ocupo refletindo sobre a intrigante tarefa que é estar vivo e na minha fragilidade enquanto existo. Neste sentido, é sempre fascinante perceber que meu corpo é capaz de se regenerar e adaptar, mesmo depois de um grave acidente. Ao mesmo tempo em um pequeno deslize cozinhando, posso queimar um dedo em uma colher quente pode … Continuar lendo A dor do membro fantasma

Paul Cézanne - (1892)

A mais engraçada das histórias

24 de agosto de 1983. Um homem de chapéu-coco repousa um resto de cigarro na boca, o mesmo que fumava desde as nove da manhã. Ao meio-dia, o sol acerta o centro da sua cabeça como um policial treinado acertaria um tiro no escuro. Ele se arrepia como se um espírito tivesse o atravessado.  Encostado no poste em frente ao Banco do Brasil, acompanha a … Continuar lendo A mais engraçada das histórias

O que era para ser

Daniela Piroli Cabral contato@danielapiroli.com.br Quando minha filha nasceu eu tive depressão pós-parto. Não foram aqueles primeiros dias de emoções novas e desmedidas somadas aos ajustes na rotina que me fizeram me sentir triste.  Foi mesmo um estado emocional duradouro e renitente sustentado por diversos pilares: um destempero hormonal horroroso que me fazia sentir péssima a maior parte do tempo; uma privação crônica de sono que … Continuar lendo O que era para ser

Desilusão amorosa

Bernardo Vasconcelos Se eu fosse uma marca, o meu slogan seria algo do tipo “sofrendo por amor since 2007”. Garotas partem o meu coração desde a tenra idade de um adolescente de 15 anos com a mentalidade de sete. Hoje, a idade adulta segue a mesma proporção, mas os episódios de desilusão estão bem piores, senão vejamos: A primeira facada no peito veio quando soube … Continuar lendo Desilusão amorosa

Nosso Livro

Nascemos como nascem todos. Em 2018, duas pessoas resolveram se juntar e chegaram à conclusão que o que tinham à vista já não era o suficiente. Para preencher o vazio com o qual a existência nos sufoca dia a dia, era necessário olhar para o Horizonte. Como todas as junções onde o amor impera, a multiplicação foi apenas mais um traço do destino. Quando os … Continuar lendo Nosso Livro

De onde eu vim, pra onde vou?

Daniela Mata Machado – Mamãe, de onde surgiu o mundo? – Da grande explosão de um único átomo. Chamou-se Big Bang. – Então, nós, as plantas, os animais e as coisas viemos todos de um único átomo? – Viemos. Todos. Minha pequena filha silenciou. Estava tão atônita quanto qualquer um de nós deveria estar depois de uma constatação dessas. E todos nós, que em algum … Continuar lendo De onde eu vim, pra onde vou?

Suco de laranja

Leānder Quadragesimae Às vezes eu me pergunto: como deve ser viver em outro corpo? Não me refiro aos pensamentos rápidos, que em momentos difíceis automaticamente nos fazem pensar na maior dificuldade do Luciano Hulk ou da Kim Kardashian (como se o dinheiro, a fama ou o sucesso fossem abrandar nossa angústia diante de nós mesmos). Porém, me refiro a ideia de viver em outro corpo … Continuar lendo Suco de laranja

Absum

Victória Farias A esperança está na memória. Nessa história nossa personagem foi, repentinamente, preenchida por uma sensação de vazio. Pensou ser incrível como o vácuo pode ocupar tanto espaço. Assim como ocupa todos os cantos do universo. Acaricia todas as estrelas e planetas, mas abre espaço para os asteroides. Dança no vórtex das supernovas.  Ainda assim, sentiu o vazio total, a absência real. A falta … Continuar lendo Absum