Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Tudo pode dar certo

Reprodução/Pixabay

1) Aos poucos, a vida lhe mostrou que a mulher da sua vida não era quem ele imaginou que fosse e, que, aliás, nem mesmo uma mulher fosse.

2) O homem com quem ela se apaixonou apareceu justamente quando ela pensou que estava perdidamente apaixonada.

3) A dor de ser traída no casamento lhe transformou em uma nova mulher, independente e livre. Não demorou e ela encontrou não apenas um novo amor, mas dois. Assim, descobriu a felicidade nos vértices de um triângulo amoroso.

4) Uma vida inteira de desilusão amorosa o tornou um velho ranzinza, solitário e cheio de manias. Quando encontrou uma moça 20 anos mais nova, ele sabia que era uma questão de tempo até ela enxergar que geriatria não era a sua praia. Dito e feito. Assim que ela o abandonou, o velho pulou da janela. Só não contava que cairia em cima de uma viúva bastante enxuta que passava por ali, bem na hora. Sobreviveram os dois e casaram-se.

A vida é mesmo traiçoeira para aqueles que desejam planejar e controlar os acontecimentos, sobretudo, aqueles de ordem afetiva e emocional. É um choque descobrir que não estamos no comando da nossa própria vida, tarefa esta designada ao plano superior — Deus, Universo, Providência.

Os encontros e desencontros relatados acima são inspirados no filme “Tudo Pode Dar Certo” (2009). Por mostrar a vida como sendo aquilo que era certo, mas que deu errado, revelando-se, ao final, que o errado sempre foi certo, o filme é para mim uma das obras mais brilhantes de Woody Allen.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.