Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Habémus

Victória Farias

Temos. Nós temos. Nós temos tanta coisa que nem conseguimos contar. Mas não temos nada quando realmente precisamos contar. Numeramos nos dedos tudo que queremos e o resto deixamos como resto, uma obrigação da vida, um acontecimento que se foi e logo depois de ir se tornou rotina.

Mas no final das contas, não temos realmente nada. Já cansei de ouvir que “dessa vida, nada levamos”, então como explicar as lutas diárias para se ter ou ser alguma coisa? O ter e o ser se misturam em um espiral de sentimentos que eu, no auge do meu conhecimento momentâneo, não consigo explicar.  

Mas você, caro leitor, não precisa de explicações, precisa? Não, para você essa é mais uma segunda-feira de final de ano, que termina com um saldo de mortos maior que o ano passado e com a gasolina mais cara do que você poderia imaginar no seu pior pesadelo. Em falar em pesadelo, tenho tido sonhos constantes e inexplicáveis sobre o passado. Talvez seja o meu subconsciente querendo me dizer alguma coisa, talvez seja eu mesma, tão cansada de tudo, que volto constantemente para um lugar onde sei exatamente o que vai acontecer.

Isso ou aquilo, sigo a minha vida fazendo uma prece: meu Deus, por que me abandonaste se sabias que eu não era deus se sabias que eu não era santo. É um poema de Drummond, adaptado por mim, que repito constantemente para dizer que: Meu Deus, por que nos abandonastes, se sabia que nada temos, se sabia que nada somos? 

*

Pintura: The Shepherd’s Dream, from ‘Paradise Lost’ – Johann Heinrich Füssli

*
Curta: Facebook / Instagram

One thought to “Habémus”

  1. Por que dissestes ” Deus por que nos abandonastes ???
    Talvez tenhamos esse sentimento as vezes sim, porém eu entendo que na minha vida quando isso aconteceu e hoje percebo que não abandona e sim me faltou entendimento e reconhecimento no fato de gratidão, da qual eu questionei e reclamei maior parte da vida ao invés de buscar na fé o meu propósito. Não cabe a “mim” questionar. Deus não abandona, Deus não muda, Deus não deixa de ser mais ou deixa de ser menos ele é Deus e ponto. Nós que devido algumas circunstâncias deixamos Ele de lado, algo que não queríamos acontece e logo partimos para “por que” ou só acontece comigo… E por aí vai. Se entendermos que Deus sempre estará conosco e pedir a Ele que nos guie conforme a boa perfeita e agradável vontade dEle tudo será bem sucedido! Deus não abandona, nós somos quem distância dEle. Então, me invocareis, passareis a orar a mim, e eu vos ouvirei.
    Buscar-me-eis e me achareis quando me buscardes de todo o vosso coração.
    Jeremias 29:12-13 Deus abençoe a todos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.