Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Esse Natal

Tais Civitarese

Fim de ano é época de festas e neste, não sei por que, não me sinto festiva. Sinto-me – pela primeira vez – um pouco oprimida pela obrigatoriedade das celebrações. Eu costumava amar o Natal. Acho que finalmente terei que enfrentar um Natal sem minha avó, e desta vez, o auge da pandemia não será uma desculpa.

O auge já passou. Talvez o auge dos meus Natais também. Olho para o baú onde hiberna a árvore e hesito muito em abrir. Resisto em montá-la. Mas o farei, a pedido das crianças. Terei que esquecer que não sou mais neta e tampouco criança. Sou mãe. Finalmente, sou mãe.

Está sendo difícil. Era a única época do ano em que nosso encontro estava garantido. Ela morava em outra cidade. Nunca passávamos o Natal longe. Não sei se existe Natal sem avó. Minha mãe é avó, talvez isso atenue um pouco. As crianças ainda acreditam no Papai Noel. Meu marido provavelmente cozinhará uma coisa gostosa. Estaremos juntos e protegidos. E eu só consigo pensar nela e na falta que ela faz.

Os sentimentos são egoístas e contraditórios.

Talvez eu procure melhorar o Natal de alguém. Talvez eu leve meu coração partido para fazer o bem em algum lugar.

No dia, certamente estarei alegre. Mas no fundo, vou sorrir e lembrar dela. Vou atender a porta e esquecer que não será ela. Vou olhar as pessoas e por mais que sejamos sua continuidade, sentirei falta de vê-la ali. Vai ser frio e chuvoso. Vai ser estranho e com motivos para agradecer. Mais ou menos como é a vida. Mais ou menos como são todos os dias. Talvez o segredo seja ajudar a dar dignidade a alguém e sublimar as nossas dores.

Assim farei, assim será.

*
Curta: Facebook / Instagram

One thought to “Esse Natal”

  1. Natal e vovó andavam juntos. Vinha o Natal, vinha ela também. Também sinto que esse será nosso primeiro Natal sem a presença física dela. Minha amada mami, sua amada vovó.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.