Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

O dia seguinte

Márcio Magno Passos

Cresci sendo educado para ter medo do ano 2000 porque dele não passaríamos. Passamos e meu o medo seguinte foi uma terceira guerra com armas nucleares que acabariam com o mundo. Ela não veio, mas chegando aos setenta anos de idade me deparo com um vírus de origem ainda discutida e com uma capacidade de destruição que supera tudo que imaginamos ao longo da vida.

Em menos de dois anos ele matou mais de 600 mil e contagiou dezenas de milhões de pessoas só no Brasil, além de conseguir confrontar a inabilidade e deficiência política do nosso presidente, governadores e prefeitos, protegidos ou envolvidos por milhares de parlamentares de conveniência, além de torcidas e gangues que discursam democracia e praticam outra coisa bem diferente.

Quando isto vai terminar e com quais números ficará marcada a nossa história? O que vai sobrar e qual será a realidade da volta à normalidade?

Difícil prever o breve futuro, mas é a oportunidade única para nos reinventarmos como pessoas, como cidadãos, como seres humanos. Se a gente não sair melhor dessa, teria valido a pena não estar entre as milhares de vítimas fatais, muitas pelas condições de doenças favoráveis ao vírus e outras tantas porque não entenderam a necessidade de mudança de comportamento para enfrentá-lo? Depois dele não virá outro? Ele mesmo não poderá voltar? Uma futura guerra nuclear está descartada?

Independente das respostas, uma pergunta que não pode calar neste momento é como estaremos no pós pandemia? Continuaremos os mesmos, piores ou melhores? A oportunidade e o aprendizado mostram nossa fraqueza e apontam que é hora da gente se reinventar para melhor, mais tolerantes, mais irmãos, com menos preconceitos e apontando os dedos mais para o espelho do que para os outros. Podemos tirar bom proveito deste momento que mudou as relações entre as pessoas para renascermos mais humanos. Quem se habilita?

*
Curta: Facebook / Instagram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.