Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

A força da vulnerabilidade

Daniela Mata Machado

Há de surgir
Uma estrela no céu
Cada vez que ocê sorrir
Há de apagar
Uma estrela no céu
Cada vez que ocê chorar
O contrário também
Bem que pode acontecer
De uma estrela brilhar
Quando a lágrima cair
Ou então
De uma estrela cadente se jogar
Só pra ver
A flor do seu sorriso se abrir

(trecho da canção Estrela, de Gilberto Gil)

Passei anos atormentada pela carta da Torre. Tinha, inclusive, um pesadelo recorrente com um castelo medieval cheio de labirintos e absolutamente claustrofóbico, cuja única saída era saltar de sua torre mais alta. Levei mais de uma década para compreender que aquele pesadelo era a carta da Torre. A famigerada carta que me deixava em pânico cada vez que aparecia nos meus jogos online. Eu vivi a Torre. Passei por ela e a vi destruir, com raios e trovões, cada tijolo da fortaleza que eu havia erguido para me proteger. Até que, bem mais recentemente, decidi aprender a jogar tarot de verdade… e passei a encontrar, em cada um dos meus jogos, a carta da Estrela. Então é isso: depois da Torre, vem a Estrela.

Ano passado, no meio da fase mais fechada da pandemia da Covid-19, a carta da Estrela se abateu sobre o meu corpo e a minha alma de um modo absolutamente visceral. Durante a Master Class em AIM – Abordagem Integrada da Mente, facilitada pelo psiquiatra e neurocientista Diogo Lara, eu me deixei inundar pela vulnerabilidade e pela abertura da décima sétima carta do tarot.

No meio da fase mais crítica de uma pandemia que havia derrubado todas as nossas certezas absolutas, tendo uma tela por intermediária de uma das experiências terapêuticas mais viscerais que vivi, finalmente avancei uma casa na jornada do tarot, rumo ao mais aquariano dos arcanos maiores. Depois de ser arremessada do alto de uma Torre irremediavelmente destruída, a heroína estava nua e havia entendido que não precisava carregar toda a bagagem que seguia arrastando: despejava na terra a água que ajudaria a florescer e frutificar o solo e devolveria ao rio o restante. A Estrela é aquela que já passou pela Torre. E ela sabe que tudo o que basta é o essencial.

Na primeira formação em AIM, eu encarei a Torre: ali, era preciso aceitar a destruição de tudo o que já se encontrava em ruínas. Seguir cimentando tijolo em cima de tijolo numa fortaleza que já não podia sustentar minha persona frágil era um trabalho inglório, que não resultaria em nada. Deixar que a fortaleza implodisse e revelasse toda a fragilidade do ego era um passo importante naquele momento.

Mas eu sabia que, cerca de um ano e meio depois, era preciso continuar. Diante da Torre caída, um pouco contra a minha vontade, era necessário me fazer vulnerável, exposta e, finalmente, aberta para o caminho de esperança que se descortinava.

Não é preciso carregar a água: a que não serve para irrigar o solo deve retornar ao rio. Não é preciso erguer novos muros, nem criar e polir personas diversas. A Estrela se move absolutamente exposta, desprotegida e, por isso mesmo, forte. Com a força de quem descobre, dia após dia, que não é preciso nada além do essencial. O ser essencial.

*

Se você desejar atendimentos de AIM ou leituras de tarot, pode me mandar uma mensagem de texto pelo whatsapp: +55.31.98395.5144.

*

Curta: Facebook / Instagram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.