Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Os chinelos 39

Márcio Magno Passos

Detesto experimentar roupas, calçados e periféricos. Com os 70 anos de idade batendo na porta, Eloíza avisou que as filhas queriam saber o que eu precisava como presente de aniversário.

– Pode ser um chinelo porque os meus estão pela hora da morte.

Entro na casa das filhas no dia D e, entre camisas e outras coisitas mais, apareceram os chinelos.

– Tem que experimentar para saber se precisa trocar, – já foi dando ordens a patroa.

– Qual o número? – insistiu ela.

– Meu número é 39 e estou conferindo aqui. Bateu! Não precisa experimentar.

– Precisa sim. Chinelo tem que ser número maior senão incomoda. E o prazo para trocar é só uma semana…

Para encurtar a conversa e mostrar que eu estava certo, enfiei os pés nos chinelos e subi o tom da voz:

– Serviu! Está vendo como tenho razão?

– Mas é melhor com um pouco de folga, – insistiu Eloíza.

Para encerrar o assunto eu disse:

– Está muito confortável. Podemos mudar de assunto?

Eloíza concordou e seis meses se passaram. Os chinelos apertam muito, não são confortáveis e estou morrendo de saudade dos velhos. No entanto, me falta coragem para reconhecer o desconforto e dar o braço a torcer.
Ontem cheguei em casa e Eloíza estava usando meus novos chinelos apertados.

– Uai, Coração, usando meus chinelos?

– Sim. São muito confortáveis.

Aproveitei a deixa e não perdi tempo:

– Pode ficar com eles pra você.

E ela respondeu sem deixar espaço para negociação:

– Nem pensar. Sua filha quem lhe deu e é seu.

Cá estou eu vendo TV com os pés descansando sobre os chinelos apertados e convencido que experimentar é muito melhor que usar.

A vida é assim mesmo. O preço da teimosia aperta até os pés.

*

Curta: Facebook / Instagram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.