Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Coisas íntimas

Coisa íntimas - Fonte: Pixabay
Coisa íntimas – Fonte: Pixabay
Daniela Piroli Cabral
contato@danielapiroli.com.br

A minha profissão me coloca em situação de privilégio para olhar o campo da intimidade. Cada vez mais me surpreendo no quão rico pode ser o universo interior das pessoas. No fundo, no fundo, todas elas carregam em si uma grande e complexa riqueza que fica presa ali dentro, no íntimo, preservadas do mundo aparentemente inóspito.

Às vezes são dores paralisadas que precisam de campo de confiança para serem expostas e curadas.

De outras, são desejos esquecidos, endurecidos pelo tempo e pela rotina, que se tornam inacessíveis, como um núcleo precioso de identidade.

Às vezes, são medos da opinião alheia, que nos fazem dizer o que é esperado e silenciar o que é, de fato, verdadeiro. Por outras, são traumas que precisam ser escutados e reconhecidos.

São as certezas invioláveis. São os segredos, as simbioses e os pactos. São metamorfoses incompletas em casulos mofados. São coágulos precários de feridas antigas.

São amores inconfessáveis. São os afetos esperando para serem desnudados. São histórias cristalizadas por normas no substrato da subjetividade.

São os fracos se fingindo fortes com receio de mostrar vulnerabilidades. E são os fortes se fazendo de fracos, carentes de atenção.

A intimidade é repleta de construções imaginárias prontas para serem desfeitas, reformadas. A intimidade é um campo caleidoscópico de múltiplas possibilidades que carrega em si uma potência essencialmente criativa. O construir-se. O fazer-se. O relacionar-se.

Todos temos nossos lados de luz e de sombra, mas a intimidade mostra um lado humano que quer romper a barreira do comum, extrapolar a experiência cotidiana. A intimidade quer vivenciar a transcendência apontada ao infinito.

Entrar em contato com a intimidade requer sensibilidade e calma. Requer escuta e empatia. Exige certa doçura e leveza. Encarar a si mesmo demanda coragem.

A intimidade revela mesmo a beleza do que é imperfeito e a honestidade do que é incompleto.

*

Curta: Facebook / Instagram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.