Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

A Menstruação do Presidente

Rosangela Maluf

Senhor presidente,

Inegavelmente, o senhor pertenceu, durante toda sua vida, a um universo predominantemente masculino. Pai, irmãos, tios, primos, amigos, depois filhos, militares, vereadores, deputados, senadores, ministros, assessores & cia. Talvez por isso o senhor não entenda nada sobre menstruação. Como quase nada lhe interessa, não creio que tenha conversado com suas mulheres.  Como não possui o hábito da leitura, certamente quase nada leu a respeito. Enfim, é pouco provável que tenha se informado. O senhor precisa opinar e decidir sobre bases bem fundamentadas, é isto que se espera de um presidente. O mínimo que se espera de quem foi majoritariamente eleito pelo povo.

O senhor talvez não saiba, mas as meninas – independente do nível social, – menstruam. Sangram. E cada vez mais cedo. Aos onze anos já padecem de TPM, sentem cólicas fortíssimas, precisam colocar bolsa de água quente e se possível, analgésicos por via oral e, nos casos mais graves, injetáveis.

O senhor não pode imaginar o que é sentir escorrendo perna abaixo aquele líquido viscoso que a tudo colore de vermelho. É nojento, sabia? E fede, cheira mal, por isto é preciso que as jovens sejam orientadas sobre o uso correto e a troca dos absorventes, acompanhada por banhos localizados. Várias vezes ao longo do dia. É muito desagradável. Na grande maioria, a duração é de três dias podendo ser mais curta ou ainda mais longa. Sempre desagradável, uma pasta que se liquefaz quando sai do seu local de armazenamento. E desce, escorre, sangue que literalmente, jorra. Um nojo, senhor presidente, um nojo.

Imagine, senhor presidente, as presidiárias. Ainda bem que se encontram confinadas, não precisam trabalhar, nem sair da prisão. O mau cheiro deve ser insuportável, mas acredito que muitos familiares lhes socorrem fornecendo absorventes, sejam eles descartáveis, toalhinhas de pano, absorventes internos, mas capazes de segurar a enxurrada de sangue que desce, todos os meses.

As moradoras de rua vivem situação semelhante. Sempre imundas, cheirando mal, se virando com jornais e panos velhos para forrarem suas calcinhas. Água pra banho? Onde? Acredite senhor presidente, não é fácil.

Pensando nestas mulheres, me vem à cabeça outra situação igualmente penosa: as refugiadas. Senhor presidente, imagine, uma jovem mulher, seu marido e seu filho. Todos sem ter o que comer, sem ter onde dormir, sem roupas pra trocar, sem poder se lavar, e ela, além de tudo isto, sangra. Sangra todos os meses, por três, quatro, cinco dias. Não consigo imaginar situação pior, o senhor consegue?

E as moradoras do Afeganistão e de outros países em guerra? A rotina destas mulheres é de fazer dó. Não têm nada de nada: nada pra comer, nada pra beber, nada pra vestir, sem ter onde dormir, sem ter onde se lavar, bombas caindo o tempo todo. As cidades em ruínas, medo, terror, a morte sempre por perto. Já pensou, senhor presidente, quanto sofrimento?

No Brasil, nem tudo se mostra diferente. As meninas de baixa renda não podem comprar absorventes. Sendo assim, não podem sair de casa. Não vão à escola, perdem aulas, porque não podem sangrar nos bancos sem que todos os outros alunos notem e riam delas. Reportagens feitas em cidades de extrema pobreza nos informam que as mulheres locais usam jornais velhos, dentro da calcinha e miolo de pão, dentro da xoxota, tentando minimizar o estrago do sangue que escorre sem parar. O senhor não faz a mínima ideia do que seja isto, não pode mesmo sequer imaginar.

É muito triste. É triste demais e lamento profundamente que nenhuma energia feminina tenha se aproximado do senhor, levando-o à uma melhor reflexão. Merecia, senhor presidente. Merecia. Era uma oportunidade ímpar de mostrar que, apesar de todas as limitações e defeitos (que não são poucos), o senhor poderia ter um pingo de compaixão por estas meninas-mulheres. Ser um pouco mais caridoso, como apregoa tanto o seu inconsistente e cínico lado evangélico. Poderia ter desenvolvido uma empatia, claramente direcionada a um problema tão relevante. Quem sabe ainda haja tempo pra refletir melhor?

Neste caos que nos envolve, com tudo de pior nos acontecendo simultaneamente, uma aprovação deste projeto, partindo do senhor, poderia em parte, nos aliviar da carga tão pesada que tivemos, estamos tendo e ainda teremos pela frente. Dias ainda mais sombrios esperam por nós e o senhor, melhor que ninguém sabe (?) disto.

É uma pena, senhor presidente, uma pena. E lamentável, profundamente lamentável!

*

Curta: Facebook / Instagram

4 thoughts to “A Menstruação do Presidente”

  1. Ridículo, a meus olhos, é quem posta comentário na condição de anônimo. Melhor, é covarde. Não sem considerar, seguramente por ser gado, sua inobservância que o texto tem autora e não autor (esse cara). Certamente que leu, será que leu (?) sem entender qual era o tema e a motivação da denuncia na visão de uma mulher. Acho compreensível, perfil patético de idiota negacionista.

  2. Um recado muito bem dado!!! Que CORAGEM admirável!! Apoio incondicional a você, querida, alguém tem que falar “com todas as letras”, mesmo assim, tá difícil dele entender!! Você foi fundo, na alma, um “direto” na “Esquerda” do peito, sangrou?? Acho que não!! Onde não existe sentimento, jamais existirá compaixão… Mas, adorei o seu texto, admirei sua CORAGEM e determinação em tentar explicar, a quem não quer entender… Só nos resta cantar Gilberto Gil, que tão bem retrata o “Super Homem”!!: “Um dia
    Vivi a ilusão de que ser homem bastaria
    Que o mundo masculino tudo me daria
    Do que eu quisesse ter
    Que nada
    Minha porção mulher, que até então se resguardara
    É a porção melhor que trago em mim agora
    É que me faz viver
    Quem dera
    Pudesse todo homem compreender, oh mãe, quem dera
    Ser o verão o apogeu da primavera
    E só por ela ser
    Quem sabe
    O super-homem venha nos restituir a glória
    Mudando como um deus o curso da história
    Por causa da mulher.” Bjssss amiga, tamos juntas!! ❤

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.