Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Turismo, escritores e suas casas

Placa no caminho - Arquivo Pessoal - Turismo, escritores e suas casas
Sandra Belchiolina de Castro
sandra@arteyvida.com.br

CORA CORALINA

Tive a alegria de ver Cora Coralina ser homenageada num roteiro turístico. Também, presenciar o “Caminho de Cora Coralina”, da Agência Estadual de Turismo de Goiás (Goías Turismo), ser o segundo colocado nas iniciativas de destaques do turismo brasileiro. Prêmio para o quesito: Aproveitamento do Patrimônio Cultural para o Turismo.

Assim, Cora Coralina “chegou chegando” pedindo licença para Guimarães Rosa, Carlos Drumond de Andrade (seu grande incentivador) e o Nobel Neruda.

Eles seriam os próximos da lista para as futuras crônicas. E ela, premiada, pediu para abrir alas para que passasse. Assim seja…

Placa no caminho - Arquivo Pessoal - Turismo, escritores e suas casas
Placa no caminho – Arquivo Pessoal – Turismo, escritores e suas casas

Primeiro, falo do caminho. Ele tem um percurso de 300 km, passa por oito municípios: Corumbá de Goiás, Pirenópolis, Jaraguá, Itaguari, São Francisco, culminando em Goiás Velho (casa de Cora Coralina), percurso cercado por bucólicos vilarejos. 

Os organizadores informam que o projeto foi escolhido “a partir do conceito de viagem, tanto exterior quanto interior”. O caminho tem o propósito de autoconhecimento e fé. 

Está repleto de poesias, rico em paisagem, gastronomia e cultura. Cora é uma grande representante da cultura goiana e conhecida internacionalmente. 

Projetos turísticos dessa magnitude, têm como objetivo a fixação das pessoas em suas localidades, mantendo a cultura e distribuindo renda na região. Isso, porque o turismo, na sua dimensão, impacta  43 setores da economia.

Pelo caminho, há 70 poesias escritas por Cora Coralina. A diretora do Museu (casa de Cora), Marlene Velasco, relata que a escolha das poesias se deu por: “que falam do meio ambiente. Cora era uma grande ambientalista, ela fala do meio ambiente, fala de superação, fala de acreditar nos valores humanos”. 

Cora Coralina publicou seu primeiro livro aos 76 anos. Mulheres, de sua época, não escreviam publicamente no Brasil. 

Muitas vezes, eram proibidas de fazê-lo. Assim, Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas idealizou o codinome: Cora – coração, coralina – que advém do vermelho, cor vermelha; rio da vida de Cora Coralina, que corre às margens e desafia sua casa até hoje em Goiás Velho, sua cidade.

A casa velha da ponte, como é também conhecida, tem amplas janelas e ao seu lado corre o Rio Vermelho. Nela, estão preservados objetos, imagens, mobiliário, livros, cartas. 

A cozinha é um lugar especial. Cora foi doceira e sua casa cheira a doce. Quando fiz uma visita há alguns anos, era possível comprar doces por lá. Principalmente os cristalizados. 

São histórias e vivênicas de muitos momentos de Cora. É visível a simplicidade de nossa poetisa e sua sensibilidade para vida.

Carlos Drummond descobriu os textos de Cora e mandou para redação do jornal (sendo o único endereço possível para correspondência) a seguinte carta: 

    Rio de Janeiro, 14 de julho, 1979

            Cora Coralina

Não tendo o seu endereço, lanço estas palavras ao vento, na esperança de que ele as deposite em suas mãos. Admiro e amo você como a alguém que vive em estado de graça com a poesia. Seu livro é um encanto, seu lirismo tem a força e a delicadeza das coisas naturais. Ah, você me dá saudades de Minas, tão irmã do teu Goiás! Dá alegria na gente saber que existe, bem no coração do Brasil, um ser Chamado Cora Coralina.

    Todo o carinho, toda a admiração do seu

                Carlos Drummond de Andrade

Com a riqueza de Cora Coralina e Carlos Drummond de Andrade, seguimos nossos caminhos mais poetizados

O que nos deixam mais leves na caminhada. Fica aqui meu desejo de muito sucesso para o “Caminho de Cora Coralina”.

Para saber mais:

http://www.museucoracoralina.com.br/site/

http://www.turismo.gov.br/component/content/article.html?id=10644

https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2018/04/13/interna_cidadesdf,673307/caminho-de-cora-coralina-deve-ser-inaugurado-na-proxima-sexta-feira.shtml

http://tvbrasil.ebc.com.br/caminhos-da-reportagem/2018/08/no-rastro-da-poesia-no-caminho-de-cora

*

Curta: Facebook / Instagram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.