Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Pé dormente

Reprodução/GettyImages

Guilherme Scarpellini

Acordou com o pé dormente.

Foi pulando no pé bom até a pia e enxaguou o rosto.

Mal havia escovado os dentes e pegou o celular para checar os e-mails. Ao servir o café amargo, já havia olhado outras três vezes.

Os primeiros minutos se passaram. Depois, a primeira hora. Então, a segunda… Sem e-mails.

Não gostava de manhãs tranquilas.

Ao sair de casa não mereceu sequer um bom dia do porteiro. O cachorro da rua não abanou o rabo. O mendigo passou sem pedir esmola. Caminhar despercebida pelo mundo era um talento que não pediu a Deus.

Já pensou em andar pelada. Enfiar uma melancia na cabeça. Certa vez chegou a tingir o cabelo de rosa, como uma punk dos anos oitenta. Mas só atraiu aquilo que era ainda pior do que o desprezo velado: o desprezo na cara dos outros.

Chegou ao seu trabalho e o maldito pé ainda não havia chegado. Era um membro fantasma: estava ali, mas não estava. A merda de um pé dormente debaixo da mesa.

Sua mesa era distante das outras. Isso ela até gostava. A prevenia daquele papo furado, com bafo de café, típico dos escritórios. Talvez por isso, trabalhava mais que os outros. Acreditou que arrancaria uns elogios do chefe qualquer dia desses. Acreditou porque era idiota. Uma idiota invisível.  

Foi embora sem elogio.

Precisou caminhar arrastando o pé dormente no caminho de volta para casa.

Já estava escuro quando ela chegou. Três minutos para encontrar a chave dentro da bolsa. Estava morta de cansada. Abriu a porta e foi direto para o quarto.

Foi quando acendeu a luz que tomou um susto enorme. Havia alguém deitado em sua cama.

Susto maior ainda foi perceber que era ela mesma que estava deitada. Como pode isso?

Ela não saberia explicar.

A única certeza é que já fazia algum tempo que ela estava ali, pálida, dura e gelada.

Morta.

Um dos pés estava completamente carcomido por larvas gordas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.