Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Anohni

Tais Civitarese

Antony passou batom. Penteou os longos cabelos negros. Aplicou pó compacto sobre a pele clara e imaculada. Vestiu um figurino composto por uma blusa de franjas aplicadas sobre um vestido em tricô.

Antony sentou ao piano. E cantou e tocou uma música extremamente bela sobre a angústia em torno da morte.

A voz de Antony é uma junção entre o grave e o agudo, entre o rouco e o límpido, entre o trêmulo e o forte. Mais do que isso. É uma voz que acorda todas as dores que já foram sentidas no mundo. E ao acordá-las, suaviza os seus pontos álgicos como um bálsamo. Fala da morte. Diz que gostaria de ter alguém ao seu lado no momento da derradeira partida. Seria o medo da travessia mais intenso do que o da finitude em si?

Fala também que não quer se encontrar no entremeio da luz e de lugar nenhum. Para essa sensação, creio que não seja imprescindível morrer.

Mais tarde, descobri que Antony não se chama Antony, mas Anohni. É uma mulher transgênero inglesa. Pela potência de seu canto, achei que fosse uma mulher negra. Lendo sua história, soube que ela fez um longo percurso rumo a sua identidade como artista e como pessoa.

Há apenas cinco anos assumiu publicamente sua identificação feminina, escolheu um novo nome e os pronomes com os quais gostaria de ser tratada. Da cena musical americana marginal e alternativa, foi indicada ao Oscar em 2016 pela trilha sonora de um documentário ambientalista (não foi à cerimônia).

É compreensível que somente alguém como uma estrada tão particular poderia transmitir com sua obra a amplitude de emoções que ela evoca. Rapidamente, transmuta da dor ao deleite. Ela também é artista visual e defende múltiplas causas ecológicas e humanitárias.

Faz dias que ouço sua canção todos os dias. A cada repetição, as notas me arrepiam de maneira diferente. Ora trazem felizes lembranças, ora me fazem chorar.

Anohni, sou sua fã.

Texto sobre a música: “Hope there’s someone”, de Antony and the Johsons.

*
Curta: Facebook / Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.