Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

A dor do membro fantasma

A dor do membro fantasma – Foto: ‘Homem Vitruviano por Leonardo da Vinci
Leānder Quadragesimae

Às vezes, quando eu não tenho nada para pensar, me ocupo refletindo sobre a intrigante tarefa que é estar vivo e na minha fragilidade enquanto existo. Neste sentido, é sempre fascinante perceber que meu corpo é capaz de se regenerar e adaptar, mesmo depois de um grave acidente. Ao mesmo tempo em um pequeno deslize cozinhando, posso queimar um dedo em uma colher quente pode me lembrar, o resto da semana, da minha estupidez e pequenez. 

Aos fãs de Grey’s Anatomy, a dor do membro fantasma já foi retratada em um episódio bem desenvolvido sobre a potência que nosso cérebro tem em criar algo que não está acontecendo, ou não existe – desculpe leitores da área da saúde, Grey’s Anatomy é referência em algumas coisas para este autor. Sendo muito superficial, a dor do membro fantasma acontece diante de quadros de amputação (parcial ou completa) que gera a sensação, em alguns pacientes, de dor no membro ou na área que foi amputada.

É engraçado pensar sobre tudo isso, porque mesmo diante da grandiosidade que é estar vivo (sério, existem centenas de células, sinapses e órgãos trabalhando incessantemente para que eu escreva esse pequeno texto) continuo diariamente encontrando alguma maneira de me sabotar, me comparar ou encontrar algum problema onde não tem. Posto isso e diante de uma crise sanitária mundial, ver pessoas lutando por respiradores nos hospitais me fez refletir sobre a forma devastadora que venho pensando sobre mim mesmo…

Não que com todos esses pensamentos efêmeros eu tenho descoberto a magia do autocuidado. Confesso que ainda não sei bem como lidar com esses dois mundos: entender meu corpo saudável como uma casa que deve ser respeitada ao mesmo tempo que eu me culpo – de forma implacável –por não ter seguido uma rotina exaustiva de treinos e alimentação para alcançar um corpo que não é o meu.

Em síntese, não tenho nenhuma pretensão (acho) em escrever esse texto, até porque das facetas do corpo, não abordei a importância que atribuo à espiritualidade para uma existência menos desgastante. Todavia, achei interessante revelar esses súbitos pensamentos que vagam por aqui.

*
Curta: Facebook / Instagram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.