Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Vingança

Reprodução/GettyImages
Guilherme Scarpellini
scarpellini.gui@gmail.com

Uma pessoa disse que eu, como todo escorpiano, sou uma pessoa vingativa. Como não podia deixar barato uma acusação dessa monta, resolvi expor o nome dela em público: Daniella.

Só por vingança.

Imagine, eu, uma pessoa vingativa… Coisa que mais detesto na vida é cultuar o rancor. Sou capaz de esquecer uma desfaçatez só para não precisar lembrar-me de onde ela veio. Além do mais, praticar o perdão é um dos ensinamentos mais belos e mais sábios da Bíblia. Embora o livro que eu mantenho na minha cabeceira seja outro, “O Conde de Monte Cristo”.

Foi nessa linda história de inveja, traição e reviravolta que entendi o verdadeiro significado da frase “a vingança é um prato que se come frio”. Foram 14 anos que Edmond Dantès passou na prisão planejando uma resposta à altura de seu detrator. Quatorze anos… tempo demais para uma só vingança.

Logo percebi que esse negócio de deixar o prato esfriar não é para mim. Outro dia fui fechado no trânsito e, no minuto seguinte, eu já ultrapassava o motorista para, na sequência, reassumir a frente. E, ao chegar lá, o prato ainda estava fumegante.

Entretanto, às vezes, a desafronta exige mesmo tempo e inteligência emocional para ser bem aplicada. É preciso planejar, esperar e agir na hora certa. Mas isso, sim, não seria uma amostra de vingança dissimulada, pura e crua, olho no olho? É que escorpiano também é bom de memória.

Em criança, havia um grandalhão que me perseguia na escola. Duas ou três vezes cheguei em casa com um olho roxo. Levou quase duas décadas para nos reencontramos, desta vez, numa sala de audiência. Ele, no banco do réu. Eu, como advogado do autor.

Foi uma refeição glacial.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.