Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Maternidade

Maternidade – Foto: Pixabay
Tais Civitarese

Tornei-me mãe aos 31 anos. Já havia percorrido alguns caminhos. Já tinha uma profissão, vários empregos, amigos, convivência em família. Já tinha morado em dois países e já tinha, eu mesma, participado de inúmeros nascimentos.

Entretanto, pouco me lembro conscientemente das coisas que vivi antes daquele dia. Parecem tratar-se de uma outra pessoa, de uma outra vida. Mesmo sem nunca ter sonhado em tornar-se mãe, uma vez que a maternidade colocou-se para mim, ela me transformou de forma irrecuperável.

A caminho do parto, sentia-me como numa montanha-russa de onde não poderia descer sem antes enfrentar a queda livre. Aquela volta já havia começado e o chão ficara bem para trás, lá embaixo. Quando segurei o bebê em meus braços, senti sim um afeto imediato. E senti que nada jamais seria como antes. A pessoa que eu era morreu com aquele nascimento. E surgiu outra no lugar, que foi nascendo aos poucos ao longo do tempo, reeditando-se dia a dia.

Não sei que processo é esse que acontece com as mulheres. Não se trata propriamente do “amor incondicional” de que tanto se fala. Creio ser algo mais profundo, mais instintivo. No meu caso, essa sensação tocou profundamente a tecla da responsabilidade. Passei a saber que aquela vida dependia de mim. Que minha função seria zelar por aquele bebê custasse o que custasse. De certa forma, sinto-me assim até hoje.

Foi muito difícil voltar a ser pediatra após ter filhos. Todos os meus pacientes passaram a ser um espelho desse sentimento. Ao ponto de uma vez, durante o exame clínico de uma criança no Pronto-Socorro, eu dizer: “Agora, a mamãe vai olhar seu ouvido”. Ele não era meu filho. Porém, era. A mãe entendeu perfeitamente.

A verdade é que além das alterações da rotina, tem algo de muito estranho e forte que nos lastreia a partir deste momento. Uma espécie de fio, que pode ser visto como tolhedor da liberdade, mas também como uma conexão para um outro mundo. Um mundo muito único, de sensações intensas, de poder, de solidão, de afeto, de medo. É nesse novo mundo que se passa a ter que existir. E construímos ao redor de quem éramos uma pessoa que desempenhe bem o seu papel ali. Ainda me sinto tateando os caminhos, segurando-me nas bordas, ora escorada na parede, ora deitada no chão. Sinto-me em construção inacabada, tendo que abrigar dois filhotinhos. Como um carro que circula cheio e de portas abertas. Ou como a terra que dá a vida e que também treme, explode em lava, promove tempestade, transforma-se a cada chuva.

Sinto-me muito estranha, porém confesso viver uma aventura muito interessante. E olhe que já faz quase nove anos que vim para “aqui”. Dizem que essa sensação dura a vida toda.
Cada mãe é um planeta. Tem a face escura e a clara, a iluminada e a sombria. Só espero não sair da órbita e passar a vagar desgovernada pelo universo. Para isso, talvez a força gravitacional materna seja essa sensação invisível que nos conecta a esse novo jeito de existir com um horizonte no rosto de cada um de nossos filhos.

*
Curta: Facebook / Instagram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.