Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

O José em nós

Sandra Belchiolina
sandra@arteyvida.com.br

Fiquei muito tentada em falar mais sobre Carlos Drummond de Andrade, depois que escrevi a crônica da semana passada – “Carlos Drummond de Andrade – do calçadão de Copacabana à Itabira”. Como Carlos é instigante vou atrever-me a falar de seu universal poema José. Com certo acanho, pois existem muitas análises do mesmo. Ainda assim, trago o meu olhar e também o personagem verídico que inspirou o poeta. História que conheci na sua Itabira percorrendo o “Caminhos Drummondianos” – Ponto 14 “O casarão” onde tudo se inicia.  

E agora, José?
A festa acabou,
A luz apagou,
O povo sumiu,
A noite esfriou,
e agora,  José?
E agora, você?

Esses eram os ecos que escutava após a festa de 15 anos de minha filha. Momento de reflexão de uma mãe que já vê os filhos em busca de seus próprios caminhos. Em muitas outras situações o poema José ecoou em mim. E Drummond me interroga e questiona: qual o passo seguinte a ser dado? Para que lado vai? Pois, algo já está posto!

Mas quem foi José? José existiu na vida de Drummond, ele mesmo se vê no José?

Carlos tinha um irmão chamado José. Esse enamorado de uma prima a pede em casamento. Alianças no dedo, mas José espanta a noiva – iria colocar barras de ferro na frente de sua futura casa para que ninguém a visse. Apavorada com o ciúme de José, Lili – a noiva – recuou e desfez o noivado. Nosso poeta transcreve para o papel o desolamento e carência do homem:

Está sem mulher,
está sem discurso,
está sem carinho,
já não pode beber,
já não pode fumar,
cuspir já não pode,
a noite esfriou
o dia não veio…

Com esse real devastador que abateu José, ele busca uma saída e para onde? A porta de fuga? O mar? A morte? Minas? Não há nada. E agora? 

Com a chave na mão
Quer abrir a porta,
não existe porta;
quer morrer no mar,
mas o mar secou,
quer ir para Minas,
Minas não há mais.
José, e agora?

E Drummond enxerga uma saída: marcha, José!

Sozinho no escuro
qual bicho-do-mato,
sem teogonia,
sem parede nua
para se encostar,
sem cavalo preto
que fuja a galope,
você marcha, José!
José, para onde?

Na genialidade de Drummond, José, seu irmão, se eternizou e tornou-se qualquer um de nós em momentos de frustações e desolamento. Quando uma questão se põe: para onde?

Ps: A história de José pode ser lida em mais detalhes no livro: “Caminhos Drummondianos” dos autores: Dadá Lage Lacerda, Ricardo Shitsuka e Dorlivete Moreira Shitsuka.

*
Curta: Facebook / Instagram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.