Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Sobre umbigos, dentes e outros tesouros

Sobre umbigos, dentes e outros tesouros - Fonte: Pixabay
Sobre umbigos, dentes e outros tesouros – Foto: Pixabay
Daniela Piroli Cabral
contato@danielapiroli.com.br

Outro dia, uma amiga muito refinada me perguntou por que eu não gostava de usar jóias. Eu respondi que, na verdade, não era o caso de não “gostar”, era mais pela falta de “envergadura” para comprá-las e também pela ausência de coragem para usá-las no meu dia-a-dia, dado o país violento em que vivemos. Uma outra resposta para a questão talvez seja porque eu não tenha sido presenteada com esse tipo de preciosidade ao longo da vida. 

Lembro-me que, quando eu completei 15 anos, ganhei um anel de ouro e brilhante da minha avó, que está guardado numa caixinha de jóias que também me foi dada por ela. A caixa de jóias é feita de couro preto por fora e revestida de feltro negro por dentro. Tem uma fechadura com chave de cópia única, que fica guardada no meu esconderijo.

Vai guardando seus tesouros aqui, Dani. – ela me recomendou quando eu ainda era adolescente.

Na semana passada, num dia de arrumação em casa, me deparei com a “caixa preta” e resolvi abrir. Encontrei um par de brincos infantil de pedra ametista roxa em formato oval e ouro que também me foi dado por minha avó, quando eu era criança. Já havia me esquecido deles. Um flash de memórias se acendeu na minha frente. Eu tinha meus 10 anos e ia para a escola, de uniforme, merendeira e brincos.

Aquela jóia, que me foi dada com intenção e afeto, me faziam sentir especial. Os brincos eram um jeito de eu me sentir mais perto de vovó, mesmo quando estávamos longe. O seu valor não estava na raridade do seu material, mas na proximidade que me colocava em relação à ela. Lembro que usei muitos anos aqueles brincos como uma espécie de amuleto.

Num movimento de sucessão, chamei minha filha, lhe contei a história dos brincos e, emocionada, já lhe passei a herança. Agora, Laura carrega a história da bisa dependurada nas orelhas. Tomara que ela se sinta tão especial como eu me senti.

Na caixa de jóias também está guardado o umbigo de Laura, objeto de repulsa e de valor questionável para muitos. Para mim, registro concreto da nossa primeira conexão. Valor inestimável. Não sei o que farei com ele, mas não sinto que devo me desfazer. Talvez falte um ritual ainda não realizado.

Sobre os umbigos, devo dizer que não sou a única neste grupo a reconhecer o valor deles. Recebi o encargo da querida amiga Taís de depositar o umbigo de seu caçula no leito do Rio Sena quando estive na França em 2016. Laura, então com 5 anos, fez as honrarias. Jogou o aparente conjunto seco de células mortas nas águas do rio, num pôr-do-sol nublado de outono. Um pequeno ritual na Pont des Arts que sacramentou a cura e proteção do pequeno João Pedro. Ritual que reeditou a nossa amizade de infância nas figuras de nossos descendentes. Me emociono só de lembrar.

Na caixa de jóias também há um dente. Um dente “extranumerário” pontudo, em formato de chifre, que foi extraído do céu da boca da Laura em 2018. Descobrimos ele por acaso, num raio-X, após uma queda. Na época, eu, que sofro de agenesia do incisivo lateral superior, afirmei que meu dente faltante havia me sido restituído, com trinta anos de atraso, através dela. Brincadeiras com as tentativas de complementaridade e ordenação do caos do universo. Deste dente, ainda vou fazer um pingente, tão logo me sobre alguma grana para comprar ouro.

One thought to “Sobre umbigos, dentes e outros tesouros”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.