Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

A janela, o muro e o varal de um arame só

Márcio Magno Passos

Sem cortinas, a velha e emperrada janela pintada com tinta cinza e vidros sujos, mais parece uma abertura para lugar algum. Por ela, o que se vê é apenas um muro alto, erguido com tijolos irregulares, emendas malfeitas e caiado com um branco de dar dó. Entre o muro e a janela, em plano horizontal desnivelado, passa um arame de varal onde nunca se vê coisa alguma dependurada.

Janela, varal de um arame só e um muro alto. Esta é a visão que ele tem na maior parte do dia. De costas para o mundo, postado frente à sua velha e suja máquina de escrever, ele pensa e escreve. Muito mais pensa do que escreve. Dedilha sua sofrida máquina com uma força desnecessária, completa uma frase, coloca os cotovelos sobre a mesma sofrida máquina, cruza os dedos, apoia o queixo nas mãos dadas e fita, ora o muro alto, o varal de um arame só ou a janela pintada e suja de cinza. É ali que ele se inspira, viaja, sonha, sofre e pensa.

É ali, tendo como cenário o muro alto, o varal de um arame só e a janela pintada e suja de cinza, que ele passa a maior parte de seu tempo útil. Catando teclas e se inspirando em seu cenário particular, ele critica muito mais do que elogia, compra suas brigas, relata o que quer e o que não quer, se empolga, lamenta, dá o dever por cumprido e leva a vida.

Noites e mais noites perdidas, outras ganhas, foi ali que ele se tornou um profissional conhecido, respeitado, invejado, atacado, esculhambado, festejado, odiado e querido. Anos e mais anos fazendo jornal de interior, defendendo a cidadania, erguendo a bandeira do município. Cem por cento idealista e nada de exemplo empresarial. Vende espaços, mas não troca palavras por dinheiro. Sempre produzindo jornal com alma, com compromisso de seriedade e ética, por mais que isso lhe custe um misto de angústia e medo, diante do desconhecido futuro. Mas não havia como mudar. Aquela tarefa era sua cachaça, sua empolgação e sua própria vida.

Agora ele está lá, ou melhor, continua lá. Cotovelos apoiados sobre a sofrida máquina, dedos cruzados e as mãos dadas servindo de apoio ao queixo. Olhar perdido na visão de sempre: um muro alto, um varal de um arame só e a janela pintada e suja de cinza. Mas ele não vê o muro, nem o varal e muito menos a janela. Seu idealismo faz água e a bandeira do município está a meio pau. A defesa da cidadania não tem mais o defensor empolgado e a tarefa lhe pesa os ombros. Não quer mais comprar brigas e dispensa notoriedade. Quer mais é ser apenas um bom profissional nos bastidores da vida.

Mesmo assim, ele permanece lá, imóvel e segurando o queixo com as mãos dadas, dedos cruzados e cotovelos sobre a máquina de escrever. Percebe-se claramente que ele pensa distante, mas pensa. Seu semblante está diferente, sereno, talvez em paz. Parece feliz. Ou triste. Ou feliz-triste, se isto existe.

Está claro. Há um muro alto, um varal de um arame só e uma janela pintada e suja de cinza. Seu rosto contrai os músculos e a pele cansada não sente a lágrima fria descendo sobre a face. Já não se percebe se há felicidade, tristeza, ou as duas coisas juntas. Ele se irrita, descruza os dedos, separa as mãos, retrai os cotovelos que se apoiam na máquina de escrever, fecha a janela pintada e suja de cinza e desaparecem tanto o varal de um arame só como o muro alto. Ele apaga a luz e vai para casa dormir, esperando que o tempo passe mais depressa e o novo dia, na manhã seguinte, revigore seu coração e aqueça sua alma.

*

Curta: Facebook / Instagram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.