Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Adeus, Charlie Watts

Guilherme Scarpellini
scarpellini.gui@gmail.com

Quando Charlie Watts, o lendário baterista dos Rolling Stones, sentava atrás de seu instrumento, era como se estivesse sorvendo chá. Com a postura de um lorde inglês, Sir Watts empunhava a baqueta por entres os dedos da mão esquerda, movimentando-a com tamanha delicadeza, que parecia manusear uma xícara de chá.

Sempre impecável no seu terno alinhado, preciso como um metrônomo e ostentando aquela invariável expressão de “tanto faz” no rosto, há meio século e mais um pouco Watts vinha fazendo rock and roll com seus companheiros de banda. Ou, melhor, vinha fazendo do trabalho pesado de um baterista de rock um singelo chá das cinco entre bons amigos. Até que, nesta semana, a xícara quebrou. E os Rolling Stones perderam uma pedra — preciosa —, que nunca mais rolou.

Watts funcionava mesmo como um chá das cinco após mais um dia de sexo, drogas e rock and roll no planeta Stones. A sua calmaria de camomila destoava da energia eletrizante de Mick Jagger. Suas batidas firmes e viradas metricamente precisas antagonizavam os improvisos loucos dos roqueiros Keith Richards e Ron Wood.

Rolling Stones é blues, mas Watts sempre foi jazz. Caos e ordem convivendo em plena harmonia durante todos esses anos. Ternos de alfaiataria em meio a calças rasgadas e jaquetas de couro. A única mente sóbria. O único Stone de uma mulher só. Quem, em sã consciência, poderia apostar que daria certo? Foi um homem discreto e careta que assumiu as baquetas na maior banda de rock do mundo.

Errado que não podia dar mais certo, Watts foi a pedra fundamental para fazer de uma banda de rock os Rolling Stones que são.

Obrigado por ter existido. Adeus, Charlie Watts.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.