Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Notas

Notas – Fotos: Caravaggio
Victória Farias

Nada tão denso, que mereça uma profunda admiração e dedicação consciente do ser, tem acontecido ultimamente. Tudo tem sido superficial e pela metade, sob aviso prévio e sem surpresas. Cada coisa em seu lugar e nada sem encaixe. Nada mais nos pega desprevenidos, e até as tristezas, que pretendiam chegar sem serem anunciadas, parecem se moldar perfeitamente ao nosso momento.

As pequenas esperanças a que nos agarramos, como a do ouro olímpico da Seleção Feminina de Vôlei, são levadas de nós como um apagão. Parece um pesadelo acontecendo em câmera lenta, em um filme cujo o roteiro é ao mesmo tempo tenebroso e sádico.

Continuamente, pessoas que fazem figuração junto a nós nessa grande novela chamada de vida, persistem em achar que está tudo bem. Esses iluminados seguem lutando contra um inimigo invisível que – sugerem – quer nos tirar todas as liberdades conseguidas em anos de luta. Mal sabem que a tal liberdade significa muitas coisas diferentes, e nenhuma delas parece conversar entre si.

Mas como disse no início, nada tão denso tem acontecido. O caos instalado parece ter se colocado como uma sinfonia, que a muito tocada em alto e bom tom, se tornara uma contínua só nota. O mesmo movimento do maestro, que parado como uma estátua admirando seu próprio reflexo, incorpora o lugar de Narciso, enquanto os músicos, surdos pelo estrondo das notas, seguem tentando se fazerem ouvidos separadamente, cada um dando o melhor de si em seu instrumento e nenhum percebendo o outro por tempo o suficiente para gritar: bravo!

*
Curta: Facebook / Instagram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.