Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

O que essa Olimpíadas traz


Reprodução/Twitter @timebrasil/Jonne Roriz/COB
Sandra Belchiolina
sandra@arteyvida.com.br

As Olimpíadas são um evento mundial que envolve nações, atletas e suas equipes. A de 2020 trouxe desafios e surpresas inesperadas. A abertura dos jogos sem a presença de público foi capaz de arrancar lágrimas de muitos. O país sede – Japão, traz sua história de guerras ancestrais, terremotos, bombas atômicas, tsunamis e marcas de superação.

O renascimento japonês é simbolizado pelo Miraitowa, mascote das Olimpíadas. “Mirai” que significa futuro e “towa” eternidade. Cada atleta que vai ao pódio recebe junto a medalha um buquê de flores que representam as regiões que sofreram com os desastres naturais. 

Cada atleta tem sua história de dedicação, empenho e desejos. Esses, podemos pensar se vem de encontro com o seu espírito competitivo ou se são um desejos e pressões impostas pelos outros. O “não” que Simone Biles deu no início das competições estremeceu o mundo. Ela alega ser em prol de sua saúde mental. A possibilidade de um sujeito, mesmo sendo atleta e diante de sua consagração, se resguardar. Que lição ela nos aponta? Qual é o limite de cada um? Respondermos nossos desejos e não o que o outro espera de nós? Fato é que Simone Biles, superando sua limitação e não fazendo algumas provas, ainda pôde subir no pódio e conquistar seu bronze na trave.

Uma lição é dada!

Já as meninas do Brasil estão dando outra e ao que indica será o melhor resultado que teremos em conquistas de medalhas pela equipe feminina de atletas. O protagonismo feminino apresenta uma nova face da mulher brasileira e seu modo de ser e fazer esporte. 

Isso nos mostra também a importância de termos políticas públicas incentivando os jovens ao esporte. Nesse mundo em que tirá-los das telas de celulares e tvs é tarefa árdua, apresentá-los outras possibilidades a trabalhar o corpo, interagir e criar um espírito competitivo e cooperativo será muito bem-vindo.

Essas Olimpíadas foram um marco pelo desafio para o país sede – Japão, que após um ano nesse adiar, devido à Covid-19, sustenta a falta. A falta dos aplausos, dos abraços e do calor humano. Um marco por um “não” que acredito ter sido bem dado por Simone Biles, por nossas “minas” dando um show e fazendo história. Brasil, sil, sil… com o verde e amarelo que merecemos. E salve, salve nossa bandeira que nenhum partido tem o direito de “roubar”.

Ela é nossa!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.