Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

No aeroporto

Rosangela Maluf

Ao descer do avião, tudo parecia estar em silêncio naquele aeroporto tão movimentado.

Ninguém falava nada. Não se ouvia nenhuma palavra. Nenhum ruído, nenhum som. Silêncio completo. Entretanto seu coração fazia barulho, batia forte. Um tum-tum-tum intenso. Respirava fundo tentando não demonstrar a imensa ansiedade que lhe consumia. Andava calmamente para disfarçar o tremor das pernas. Trocou de mão a pequena valise que carregava. Passou a bolsa para o outro ombro. Olhou o relógio, o voo chegara no horário. Suspiro.

O caminho até a saída nunca lhe parecera tão longo. O silêncio absoluto continuava. Respiração profunda. E o frio na barriga, nas mãos, nos pés? E o coração continuava a bater, menos acelerado, mas ainda barulhento. Era o único som que ela ouvia. 

A porta se abriu e ansiosamente ela buscou com o olhar as pessoas que aguardavam do lado de fora. Não estava em frente à saída. Caminhou mais um pouco e pôde então olhar dos dois lados. Sim, perto de uma pilastra, lá estava ele. Aguardando por ela conforme o amplamente esperado. E combinado, e acertado. 

Havia sido um planejamento de meses. A folga no trabalho, a emenda daquele final de semana com o feriado, possível aos dois. A família de cada um. O comunicado aos filhos. Tudo precisava coincidir para que, finalmente, o encontro se desse. Afinal, era o primeiro e quem sabe o início de uma série de outros? Bem que podia ser, pensou.

Ela se sentiu num filme. Andava em câmera lenta. Muito lenta. Ele a viu. Acenou. E também em câmera lenta veio em sua direção. O estranho e total silêncio continuava. Nenhum som. Estranho.

Foram se aproximando. Os dois esboçaram um tímido sorriso. Tudo que viam era novidade. A altura, o cabelo ainda molhado, os olhos, a roupa, a boca e o sorriso que passo a passo se abria um pouco mais. Cada um sorrindo o mais feliz dos sorrisos.

Ele abriu os braços e ela mergulhou naquele abraço quente. Fechou os olhos e, como se já houvesse sido combinado contaram: um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete, oito. Separaram-se. De novo, um abraço. Contagem até oito, já que nenhum bom abraço deve durar menos que oito segundos.  Nenhum dos dois disse nenhuma palavra! 

Aquele calor tão imaginado. Os cheiros. Os sorrisos. Os abraços tão demorados. Um beijo. Lento, bem lento. Molhado. Uma troca de sentimentos até então apenas sonhada. As mãos subindo pela nuca, também em câmera lenta. Pausa. Mais um abraço, apertado. Outros olhares. Outros beijos. Mãos que acariciavam o rosto e, com carinho, retiravam mechas do cabelo que lhe cobriam o rosto. Os cheiros além dos perfumes. O respirar de cada um. O hálito adocicado. Outro abraço que não queria ter fim. Outro beijo nem tão suave. Apertos significativos. Respirações junto ao ouvido. Outros pequenos e suaves beijos. Outra pausa. Um abraço lento e demorado. Olhares que falavam por si.

Ah, nenhuma palavra se fazia necessária. 

E assim, entrelaçados, seguiram em direção ao estacionamento.

*
Curta: Facebook / Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.