Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Sobre os “problemas de gênero”

Sobre os "problemas de gênero" -  Fonte: Internet - cena do filme "A garota dinamarquesa".
Sobre os “problemas de gênero” – Fonte: Internet – cena do filme “A garota dinamarquesa”.
Daniela Piroli Cabral
contato@danielapiroli.com.br

Na última sexta-feira, o clube de leitura do qual faço parte debateu o livro de Judith Butler, “Problemas de gênero” e eu, como mediadora, escrevi algumas palavras sobre a obra e a temática do gênero.

A leitura de Butler é desafiante e instigante em suas proposições. Ela propõe uma subversão no campo da identidade ao problematizar as questões de gênero a partir de uma lógica não binária e heteronomativa. 

Sustentando sua obra em referências importantes como Levi-Strauss, Sigmund Freud, Simone de Beauvoir, Julia Kristeva, Jacques Lacan, Luce Irigaray, Monique Wittig, Jacques Derrida e Michel Foucault, ela propõe novas construções teóricas fora da lógica binária para se pensar a identidade. Evidentemente, existem muito mais perguntas que respostas, mas é importante dar visibilidade a todas essas discussões tão importantes quanto necessárias no momento atual.

O primeiro ponto que queria trazer é a questão do rompimento que Butler propõe em relação ao alinhamento pensado entre corpo, sexo, gênero e sexualidade. O nascimento no sexo biológico do macho não leva necessariamente a uma identidade masculina e a um desejo heterosexual em relação ao feminino. Assim como o nascimento no sexo biológico da fêmea não leva necessariamente a uma identidade feminina e a um desejo heterossexual em relação ao masculino. Não há pares opostos, mas movimentos dinâmicos de mútua afetação que contribuem para a construção de identidades. Nesta perspectiva, pode-se falar numa proliferação identitária além da estrutura binária e a necessidade de ressignificação subversiva dela decorrente.

Para a autora, o sexo não é uma dimensão natural dada pelo biológico ao nascimento. Tanto sexo quanto gênero são categorias construídas socialmente, o que retira a nossa falsa estabilidade no campo da identidade do feminino e do masculino. Além disso, ela questiona a subordinação histórica que se fez da noção de gênero à questão da formação da identidade.

Tal proposição nos leva a um segundo ponto de atenção que é pensar as identidades (no plural) a partir de uma lógica de uma performatividade construída social e culturalmente. Isso significa lançar uma interrogação na constituição do sujeito que não demande uma identificação normativa com o sexo binário. Isso nos leva a superar uma lógica biologicista e essencialista e também todos os impactos disso. Para mim, um dos principais seriam os efeitos de despatologização dos gêneros. Temos acompanhado diversas tentativas conservadoras de patologizar comportamentos tais como o Projeto de Lei da “cura gay” que recentemente tramitou no nosso parlamento. 

O terceiro ponto que queria destacar é a desnaturalização das desigualdades de gênero, que deixam de ser compreendidas como “inatas” ou “naturais” e passam a ser entendidas a partir de um amplo campo de sentidos que são produzidos, compartilhados e transmitidos socialmente. Isso nos leva a não permitir mais que as diferenças entre os gêneros se tornem desigualdades nem que se naturalizem como relações de poder e de dominação. A necessidade de classificação responde à uma demanda da vida “disciplinar”, que muitas vezes reforça estereótipos aprisionados dentro de uma determinada estrutura social.

Isso nos leva ao quarto ponto que é pensar a questão do preconceito e das violências, físicas e simbólicas, sofridas por aqueles que “escapam” da normatividade estabelecida. A esse respeito, também podemos enfatizar a lógica do reconhecimento e do poder proposta pela autora, conferindo a questão da alteridade lugar de destaque para se reconhecer o estatuto do humano nas diferenças. Reconhecer o outro na sua diferença faz com que eu me reconheça a mim mesmo. Isso significa passar a reconhecer os sujeitos para além da normatividade de comportamentos na modernidade.

O quinto e último ponto que eu gostaria de trazer é para se pensar a questão do desejo. O desejo sempre pressupõe destinatários. O desejo é direcionado ao outro. E a esse respeito é necessário operar a desconstrução de sexualidades aprisionadas. Podemos pensar em “assumir”, palavra que odeio, porque assumir significa quase uma confissão de culpa. Podemos pensar nas estratégias de repressão. Mas mais que proibir, a repressão implica numa exigência que se faça algo de uma única maneira, de um único modo. Assim podemos pensar numa tentativa de se domesticar o exercício de uma sexualidade que pode ser tão diversa e singular como o é o desejo.

Referências:

– Clube de leitura Lendo elas – Instagram: @lendo.elas

– Filme: A garota dinamarquesa – https://www.youtube.com/watch?v=NlH4n5FRq1c

– BUTLER, Judith. Problemas de Gênero. Civilização Brasileira: Rio de Janeiro, 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.