Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Dormência

Dormência - Foto da autora - Vila Lorandi em 18/07/21
Dormência – Foto da autora – Vila Lorandi em 18/07/21
Daniela Piroli Cabral
contato@danielapiroli.com.br

O mais previsível da vida é a morte. Essa é a verdade mais evidente. Mas a certeza dessa realidade nos aflige de tal maneira que preferimos ignorá-la e, para driblá-la, fazemos malabarismos. 

A gente se finge forte e eterno. A gente voa, cria, trabalha. A gente experimenta, se expande, se imagina imortal. 

A gente bebe espumante, se alimenta de frutas da estação e de risoto de cogumelos. A gente ama e faz planos para o futuro.

A gente vai à praia, toma banho de mar e água com gás. A gente caminha e escala montanhas.

A gente se acha dono do tempo, quer controlar a vida, disciplinar os desejos do outro. A gente se multiplica, se reproduz, querendo o infinito. 

A gente anda de bicicleta, faz pudim de leite condensado, tira fotos e posta a vida nas redes sociais. O que a gente posta mesmo é o nosso medo da morte, o medo de não ter vivido.

Porque a verdade inequívoca é que a gente é tão humano como roupas estendidas nos varais. E a vida é tão imponderável que deixá-la seguir no seu fluxo parece um desaforo.

A morte nos iguala em todas as dimensões, mas a gente insiste em querer ser diferente, exclusivo, único, especial. 

Escrevo hoje do Rio Grande do Sul, gosto de escrever quando estou aqui. Meu olhar daqui é de estrangeiro, então as paisagens sempre me inspiram muito. Agora o frio está rigoroso, faz entre um e nove graus lá fora. Fico de pijamas e casaco a maior parte do dia. Escrevo. O vento é forte e seu barulho é um uivo contínuo, como nos filmes de terror.

Os álamos e plátanos estão secos, as folhas decíduas caíram todas. Os pomares de maçã e os parreirais também estão sem cor, aparentemente mortos pela aridez do inverno. Não há colheita, só geada. Todos eles estão dormentes, recolhidos, à espera do tempo. São pacientes e sábios, esperam a rigidez do inverno passar para voltarem a brotar. Sabem se proteger. Sabem perceber os sinais dos ciclos para serem o melhor que podem ser. A sabedoria da natureza está explícita por aqui.

Vendo os ciclos de transformações definidos pelas estações do ano, eu penso em alinhar os meus próprios ritmos, a me recolher um pouco mais, um convite a viver mais integrada com a natureza. Ao me harmonizar com os ritmos das estações e do meu próprio corpo, eu me respeito e isso me traz conforto e paz.  

Ontem à noite, a morte nos visitou. A morte, toda concreta em sua irreversibilidade. Um denso nevoeiro invadiu os corações e obscureceu os olhares. Tudo ficou mais frio e cinza, a vida entrou em dormência permanente. E, apesar de toda luz e calor de um verão precoce ao redor, ela não vai mais brotar, não acorda mais.

Tomara que as dores da morte se curem e cicatrizem como as feridas no braço de uma criança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.