Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Quem escolhe vacina, escolhe o final da fila

Guilherme Scarpellini
scarpellini.gui@gmail.com

Imagine você ao fazer compras no supermercado se depara com uma gôndola de vacinas. Um funcionário, que está recompondo o estoque, chama a freguesia: “vamos chegando, estão fresquinhas”. Algumas pessoas aparecem para conferir. Olham uma ampola aqui, outra ali. E torcem os narizes quando encontram o selo de procedência: Instituo Butantan.

“Calma que tem para todos os gostos”, diz um vendedor no alto falante. E os mais afoitos correm para conferir a oferta do folheto, nas geladeiras dos fundos. Donas de casa se acotovelam em torno das ampolas. “Dose única, sem efeitos colaterais e 30% off”, lê-se em um cartaz afixado na parede.

Mas aglomerar pra quê? Ao lado da geladeira tem outra geladeira. E depois mais outra. Tem vacina para todo mundo.

Em um dos refrigeradores você deve encontrar a famosa imunização solidária. A cada dose adquirida um dólar é convertido para o Governo Federal. Há também as caríssimas vacinas importadas da Índia. Só para os ricos.

Mas outras doses podem ser adquiriras a um preço bem mais módico: 99,99% de desconto. Imperdível? Seria se já não estivessem fora do prazo de validade.

No meio do supermercado, ergue-se uma enorme seringa inflável, que é pra chamar a atenção da clientela. Coitadas, é ali que estão as vacinas desprezadas pelo presidente. Quem passa naquele corredor e não a dá bola para os lamentos das pobres ampolinhas, ouve desaforo: “vai responder não, p.?”.

Quem procura qualidade pode investir nos produtos da Johnson & Johnson. Não é cotonete, não é fralda de bebê. É vacina de primeira categoria. Hoje é mais requisitada do que pixuleco em Brasília.

E você, qual vai querer?

A não ser que você pense que posto de vacinação é supermercado, “a que tiver” será a resposta. Afinal, quem escolhe vacina, escolhe o final da fila.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.