Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Genocida

Guilherme Scarpellini
scarpellini.gui@gmail.com

O povo de Pindorama deu um basta no presidente. Já é hora de ir!, o grito ecoou das ruas. Por isso, o pior governante da história daquele povo sofrido — e também muito arrependido — ficou conhecido como Jair.

Era mesmo um péssimo presidente esse Jair. Destrambelhado, só abria a boca para falar asneira e abria a boca sempre. Embora sentisse um prazer quase sexual em mandar jornalistas fecharem as suas. Com isso, repórteres poderiam entrevistá-lo, desde que não fizessem perguntas. Foi assim que a rádio Peter Pan chegou ao topo da audiência.

Quando a peste chegou, Jair tratou de evitar o pânico. Para ele, tudo não se passava de histeria. Afinal, 500 mil mortos não eram um milhão — ainda. E homem que é homem não deveria ter medo de gripezinha. Até que faltasse oxigênio.

A conta de mortos não parava de crescer em Pindorama, e Jair proibiu o uso de máscara. Afinal, para ele, máscara era coisa de “viado”. Sorte é que veado e burro são espécies diferentes, e a maior parte do povo de Pindorama soube diferenciar.

Desafeto número um da Constituição, inimigo público da vida e já dando sinais de desespero, Jair se isolou no Palácio de Pindorama. Diante de um escândalo de corrupção envolvendo a compra de vacinas indianas a preço do Taj Mahal, nem os deputados do centrão atendiam mais aos seus telefonemas. A coisa piorou.

Com uma taxa de rejeição que cabia dentro do buraco em que havia metido o povo de Pindorama, não restou alternativa: Jair resolveu mudar. Pôs um salto alto, um lindo vestido vermelho e trocou de nome.

Agora é Genoveva Aparecida. Também atende por Genocida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.