Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Antipatia semântica

Antipatia semântica – Imagem de tom bark por Pixabay
Tais Civitarese

Já contei aqui nesse querido espaço que faço desta página um confessionário. Aqui, escrevo coisas que penso em segredo e que, por vezes, não conto nem para mim mesma. Ou então, falo de emoções que vêm e não sei de imediato colocar em palavras. Hoje, serão elas as protagonistas do meu texto: as palavras. E junto delas, alguns sentimentos borbulhantes…

Há algum tempo, tenho observado os modismos linguísticos. Termos que pareciam esquecidos ou que tinham um uso específico entram em voga e se espalham por toda parte. Dentre esses, uma certo ramo me incomoda profundamente. Tudo começou com “diferenciado”.

De 2010 para cá, tudo o que era “bacana”, “luxuoso” ou que tinha um quê a mais, ganhou essa alcunha um tanto quanto pastosa. Em seguida, disseminaram-se os tais “prime” e “premium”. Na mesma linha, para dizer de coisas exclusivas, especialíssimias, selecionadas para pessoas da mais alta estirpe (geralmente, quem tem dinheiro). Poderia parar por aí que já estaria insalubre o suficiente. Porém, piopocaram também as traduções breguíssimas “exclusive” e “privilège” para a poluição vocabular geral.

Leitor, eu não suporto essas palavras.

O texto é para dizer apenas isso.

Que ninguém me diga que algo é “diferenciado” porque, sinceramente, esse eufemismo para a pseudo-superioridade me causa é desgosto. Diga-me que é legal, que é massa. Entenderei perfeitamente.

“Prime” e “premium” são coisas das quais quero passar longe. Para mim, tem um cheiro doentio de querer ser o primeiro em tudo. Geralmente, por razões econômicas. Ou seja, concernem a quem tem mais grana. O mundo já é desigual demais. Nem todos poderemos ser os primeiros ou principais.  Vimos na pandemia que “grana” não resolve tudo. Não mesmo.

Portanto, que não me venham oferecer nada “prime”. Dispenso. Por precaução, nem mesmo o prime rib, também conhecido como filé de costela. Afff.

Quanto às demais, precisamos de palavras para unir, não para excluir. Que proliferem expressões mais agregadoras e inclusivas. Nosso tempo pede uma mudança de valores. Os ditames sociais já mudaram e quem não percebeu isso será engolido pelo ostracismo. Está aí um palavra bonita: ostracismo. Lembra-me uma ostra cismada, voltada para dentro. É assim que eu queria ver tais termos. Engolidos por si próprios e arremessados ao fundo do mar.

*

Curta: Facebook / Instagram

2 thoughts to “Antipatia semântica”

  1. Descobri seus textos recentemente e, sempre que tenho um tempinho, venho aqui ler algum mais antigo que ainda não tenha lido. São muito envolventes e bem escritos. Parabéns e obrigada pela escrita cativante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.