Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Carta que não recebemos mais

Carta que não recebemos mais – Foto: Pixabay
Sandra Belchiolina
sandra@arteyvida.com.br

Tenho uma caixa de arquivo, onde escrevi em letras vermelhas: AFETIVOS. É o lugarzinho de muitas cartas, cartões, bilhetinhos e poesias que recebi ao longo de minha vida.

Não guardo receitas médicas, nem contas de anos passados, nem prestações de dívidas que já passaram. Essas não me interessam.

Mas a caixinha, que não é tão pequena, foi engordando ao longo dos anos. 

Hoje, deparei-me com uma carta do final dos anos 70, de uma amiga. Não quis lê-la toda. Os sentimentos diante de tantas lembranças costumam ser ambíguos. Algumas pessoas que deixaram cartas e bilhetes escritos à mão, já passaram para o outro plano. Tenho amigas que relatam seus momentos na hora da escrita de forma preciosa e que me transportam para escuta de suas vozes com a riqueza de suas descrições. Cartas e bilhetes preciosos de minha filha e filho, irmãos e minha mãe marcam presença constante e compõem deliciosas lembranças.

Não é hábito abrir o “Afetivos”, e, quando isso ocorre, a memória de momentos surgem como uma fotografia. É a fotografia da escrita ou será a escrita da memória? Enfim, é bom e ruim. Um aperto no coração surge e aquilo que se foi, foi, mas se faz presente também.

Com o passar dos anos a caixinha deixou de engordar. As cartas pelo correio não chegam mais. Hoje me dei conta dessa experiência maravilhosa. Era uma boa surpresinha quando uma chegava. Pensei então sobre esse empobrecimento das comunicações humanas. Como era bom pegar um papel, uma caneta e letrinhas e emoções surgirem como num passe de mágica. Imagine quem não passou por essa experiência? Como era esperado o carteiro!

Deslocamos para os e-mails, em seguida para Whatsapps e tudo ficou muito imediato, sem o tempo do fazer em letras bordadas, passar a limpo, ir ao correio, selar, enviar… o tempo da escrita e o tempo da espera.

E a resposta? Poderia demorar!

Havia tempo,

Havia espera.

*
Curta: Facebook / Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.