Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

O gigante da terra: o homem e seus amores

O gigante da terra: o homem e seus amores – Foto: Sandra Belchiolina
Sandra Belchiolina
sandra@arteyvida.com.br

Escrevi sobre animais nas duas semanas que se passaram. Os temas que na sequência foram: os gigantes do mar – a baleia, os gigantes do ar – o albatroz; pensei para essa semana o gigante da terra. Não será o tamanho físico que determinará o terrestre, mas algo especial. Falarei do homem e suas gigantes invenções. Melhor, falarei da gigante invenção que é o amor, afinal, passou-se há poucos dias essa data dedicada a Eros. 

Não tenho a pretensão de desenvolver nenhuma teoria sobre tipos de amores conforme definições filosóficas ou demais. Mas os poetas falam dessa emoção, sonho, desejo de encontro e relação amorosa, do fazer par. O que segundo Lacan, psicanalista francês, é impossível. Não entrando nesse mérito, falando somente do lado romântico, busco o poeta para essa crônica e me mantenho no ritmo do mar também.

Começo o diálogo com nosso precioso Carlos Drummond de Andrade: “O mundo é grande e cabe nesta janela sobre o mar. O mar é grande e cabe na cama e no colchão de amar. O amor é grande e cabe no breve espaço de beijar.” Sobre a areia e tendo o mar de companhia, caminhava no dia dedicado ao amor, quando avisto o que motivou essa crônica – um desenho na areia: “TE AMO” e o formado do romântico coração. Capturei a foto ilustrativa e segui pensando:

Era um casal? Foi um ritual para celebração de cupido? Com declarações de amor? Casal apaixonado? Ou será que é uma dupla querendo apimentar algo que já está morno? Um novo casal e um dos pares resolveu declarar a paixão? Mas, também pode ser um solitário apaixonado dando vazão ao seu sentimento.

Fato é que o desenho na areia em menos de cinco minutos não existiria mais. O mar já lambia sem piedade esse momento fugaz. Menos fugaz pode ser o amor do casal ou do solitário andarilho. Sigo minha caminhada torcendo por eles e desejando que a vida seja mais generosa do que o mar para os corações apaixonados.

Maria, a pescadora de crônicas passadas. Eu a reencontrei na praia novamente. Tentei conversar um pouco, mas ela estava na correria e seu marido aguardava no barco para seguirem mar adentro. Corria para pegar a rede de pesca. Mas também, nesse breve encontro, confirmei o que já havia escutado sobre sua história.

Lembro sobre seu amor pelo mar e como seu marido havia-lhe salvado a vida. Na praia, Maria conta-me que ficou órfã de pai e mãe e uma tristeza tomou conta, estava desolada e sem vontade de viver. Momento que encontra Sr. Reis, pescador e o pede para leva-la para o mar. Conforme conta: “nunca mais sai”. Desde então Maria é uma pescadora – alerto que não é uma profissão onde encontramos muitas mulheres. Para minha alegre constatação, recebi um vídeo na véspera do dia dos namorados, onde sua amiga Geovanna filmava Maria saindo para pescar, e dizia: “lá vai Maria e Reis namorar no mar”. 

Com certeza o amor tem seu valor quando dá sentido à vida de alguém e o faz desejante de vida.

Como já escrito por Drummond: “Amar se aprende amando. Nos sonhos dos namorados da imagem na areia e o amor maduro de Maria, finalizo o texto nas ondas do mar – que se formam para logo se quebrarem na praia, num fluxo e refluxo contínuo, com:

Amor e Seu Tempo

Amor é privilégio de maduros
estendidos na mais estreita cama,
que se torna a mais larga e mais relvosa,
roçando, em cada poro, o céu do corpo.

É isto, amor: o ganho não previsto,
o prêmio subterrâneo e coruscante,
leitura de relâmpago cifrado,
que, decifrado, nada mais existe.

valendo a pena e o preço do terrestre,
salvo o minuto de ouro no relógio
minúsculo, vibrando no crepúsculo.

Amor é o que se aprende no limite,
depois de se arquivar toda a ciência
herdada, ouvida. Amor começa tarde. 

*
Curta: Facebook / Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.