Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Ah, a infância!

Ah, a infância! – Foto: Pixabay
Tais Civitarese

Esta tarde, levei meus dois filhos para andar de bicicleta em uma rua a um quarteirão de nossa casa. É uma rua plana, especialmente calma aos feriados, onde só existem casas e não passa quase carro nenhum.

Ao chegarmos, avistamos um grupo de meninos, de idades aparentemente  próximas às deles, com suas respectivas “bikes”.

Logo, disse aos meus:

– Vão lá fazer amizade!

Como se fosse fácil assim.

Um pouco tímidos, eles  rodearam os garotos, exibindo manobras e algumas pedaladas ágeis.

Surtiu efeito. Logo, se cumprimentaram e perguntaram os nomes uns dos outros. Em poucos minutos, estavam batendo papo e pedalando juntos.

Passado algum tempo, saiu um garotinho de uma das casas que ficam na rua, com sua bicicleta. Ele rodeou o grupo, mas não lhe deram muita atenção.

Fiquei observando a cena um pouco incomodada, à espera da oportunidade de sugerir a um dos meus filhos que chamasse o que estava de fora para o grupo.

Eis que num momento, ouço o grito de meu escandaloso caçula. Ele havia se estabanado e caído de lado, junto ao passeio. Ao ir a seu encontro, percebi o tal garotinho aproximar-se e oferecer ajuda naquela aflitiva situação. Embalaram em pleno assunto, quando o mais velho juntou-se a eles.

Ao perceber que o pequeno não conseguiria mais pedalar, sugeri que fôssemos embora. Então, o garotinho gritou para sua mãe, que estava à sacada:

– Posso ir à casa deles?

E foi assim que voltei para casa com três meninos recém amigos, de uma amizade feita nos moldes de antigamente. Na rua, ao ar livre, com a perna esfolada, mão estendida e solidariedade.

Como se fosse fácil assim.

*

Curta: Facebook / Instagram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.