Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Concordo em discordar

Concordo em discordar - Foto: Le Lit, 1892, Musée d'Orsay
Concordo em discordar – Foto: Le Lit, 1892, Musée d’Orsay
Victória Farias

Eu vi o mês de maio nunca chegar ao fim. Parecia uma perseguição, polícia contra ladrão. O dinheiro guardado para as cinco semanas contra o dinheiro tomado pela inflação cada vez menos transvestida de reformas institucionais. Assim, o mês de maio, conhecido por ser blasé, nunca chegou ao fim. Até o dia de hoje.

Amanhã, quando o sol raiar no oriente, será o meio do ano aqui. 2021, – ou 2020 parte 2, para os mais chegados – está tomando o rumo de casa e se tornando, como todos aqueles que vieram antes dele e os que virão depois, uma lembrança, talvez um pouco menos calorosa e com certeza menos revisitada pelos saudosos.

Ainda assim, na nossa pressa de empurrá-lo pela porta dos fundos – por onde ele veio – trazemos pelo outro lado um ano de eleições, que, como promessa, serão surpreendentes. Mas a surpresa, assim como tudo o que não se espera, é superestimada. Particularmente, mantenho meu mantra “nós nos preparamos para o pior e esperamos pelo melhor”.

Talvez em junho compartilhemos de melhor humor. Dias mais curtos, noites mais longas. Temperos e temperamentos mais amenos, ideias menos rígidas sobre tudo. Menos passeios de moto, mais agulhas. Dias mais leves, menos ansiolíticos. A vida como ela era.

*
Curta: Facebook / Instagram

One thought to “Concordo em discordar”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.