Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Paranoia

Paranoia - Foto: Ventania - Anita Malfatti
Paranoia – Foto: Ventania – Anita Malfatti
Victória Farias

“Eu autorizo!” É o que eu diria para a página de “termos e condições” de um novo aplicativo ou site, que insiste em perguntar se “eu autorizo que usem a minha localização, rastreiem minha conduta, tenham acesso irrestrito a minha conta bancária para analisar minha movimentação.” Sem ler ou nem mesmo passar os olhos, diria com uma pressa de quem anseia pela descoberta: sim, eu autorizo!

Mas ao brado retumbante ouvido às Margens do Lago Paranoá, de um povo covarde, banhados pelo sol da desigualdade em raios pela-hora-da-morte no céu da pátria nesse instante, em uma sexta-feira em plena-pandemia, não, eu não autorizo!

Seria uma paranoia minha? Deixar que grandes empresas de tecnologia lidem com os meus dados, mas não querer que meus vizinhos me digam o que fazer, ou pior deem a uma representação daquilo que não se deve ser o poder de fazer o que quiser comigo? 

As perdas das liberdades individuais impostas pelo vírus tiraram o ímpeto que necessita a luta pelas liberdades individuais impostas por outras coisas. Tanto que, hoje, a filha foge à luta. E fugirá amanhã, pois já está combinado com aqueles que temem a própria morte: mês que vem, sem falta, abriremos uma poupança para o coiote.

Quando o Lago Paranoá secar, nos encontraremos no deserto.

*
Curta: Facebook / Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.