Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Brisa de inverno

Brisa de Inverno - "Paisagem de Inverno" - John Everett - 1829-1926
Brisa de Inverno – “Paisagem de Inverno” – John Everett – 1829-1926

Victória Farias

Assim como tudo o que é frio, a brisa de inverno não pretendia ser, e nem sabia que era. Obstinada, aparecia nas manhãs, e, junto ao sol de aspecto gélido, ocupava as preocupações dos trabalhadores matutinos.

Como tudo que não tem peso, era vazia. Às vezes se dispersava, às vezes andava em conjunto consigo mesma. Constantemente inconsciente da sua própria existência, não sabia onde estava, muito menos se estava.

A brisa de inverno sentia quando tinha que aparecer, sempre no meio do ano. Seu trabalho era único: fazer tremer aqueles que madrugavam nas filas em caracol dos pontos de ônibus. Roçava no pescoço dos desavisados; e, às escondidas, transpassava as blusas daqueles que não sabiam exatamente como se portar. Quando animada, ia tão profundo que fazia tremer todos os órgãos internos. Era romântica, não poupava nem o coração.

Como se natural, vinha todos os anos. Não importava o quão juntos e abraçados ficávamos, a brisa de inverno atacava a todos. Logo no final de junho já estava pronta. Quando a última folha caía no asfalto, vinha do norte. Estava preparada. Esse ano iria balançar janelas, levantar saias, desarrumar papéis. Este ano! Este ano. Este ano?

Quando chegou, na data e horário combinado, não sabia se estava no lugar certo. De início, viu pouca gente, e os que viu pareciam não se importar com sua presença. Ficou em silêncio, não sabia o motivo, mas mesmo na inconsciência da sua existência, sentia tristeza.

Continuou tentando por alguns dias. Chegava, mas ninguém dava sinais de preocupação. Não houveram comentários. Não havia bocas para reclamações. Não havia bocas. Tentou chegar as noites, muda, sem seu característico bater de janelas. Parecia não existir.

Naquela manhã, olhou para o sol amarelo. Em silêncio, e para o lado oposto, se retirou. No inverno, não havia corações para balançar, nem orelhas para se fazer gelar. Também não haviam abraços para se fazer dissipar. Sendo assim, não havia nada. Cabisbaixa, desistiu. Se pôs, novamente, à norte. Talvez ano que vem. Hoje não. Brisa de inverno, não sei se suporto ser abandonada até por você.

*

Curta: Facebook / Instagram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.