Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

O caso dos gatos

O caso dos gatos – Pixabay
Tais Civitarese

Durante o período principal da minha infância, morei em um apartamento do primeiro andar. Lá, tinha uma varanda. No seu canteiro, minha mãe plantava flores: azaléias, buganvílias, beijinhos, manacás. Nas jardineiras laterais, mais altas, gerânios e espadas de São Jorge. 

Era o lugar onde minha irmã e eu brincávamos. Balançávamos na rede, soltávamos bolhas de sabão, fazíamos pinturas, modelávamos argila. Era onde se passavam nossas festas de aniversário e onde tínhamos acesso à chuva e ao céu. 

Ao lado do nosso prédio, havia uma casa. E essa casa era cheia de gatos. Muitas vezes, ao irmos lá fora para brincar, víamos um ou mais vultos acinzentados saltarem de volta para o telhado. Para nós, deixavam seu legado: montes de fezes pelo jardim. Aquilo trazia o maior desgosto. Mamãe ficava uma fúria! 

Papai mandou construir um muro mais alto entre a casa e a varanda. De nada adiantou. Os gatos agora usavam as jardineiras laterais. Mamãe mandou colocar cacos de vidro no beiral. Não adiantou também. Foram então conversar com o vizinho. Pouco interessado, ele “não podia fazer nada”. Revoltada com suas lindas plantas devassadas pelos animais, mamãe disse em voz alta: “Um dia, vou matar esses gatos!”. 

Semanas depois, apareceu um gato morto no telhado. E mamãe recebeu uma intimação. Deveria ir à polícia prestar esclarecimentos. Alguém da casa ao lado tinha ouvido sua ameaça e ela se tornou a principal suspeita. 

No dia do depoimento, lembro que ela usou uma camisa branca. E demorou muito a voltar. Por fim, foi liberada. Não havia provas. Ela se dizia inocente. 

Até hoje não sei exatamente o que houve… 

Ela conta que o delegado compreendeu seu lado. Que disse: “Ameaçar não é fazer. Todo dia digo que vou matar minha sogra e ela está aí, vivinha até hoje.” . Apesar da piada de mau gosto, de rompante em rompante, salvaram-se todos. Menos o finado gato e as plantas de mamãe, que continuaram servindo como um banheiro florido até nos mudarmos de lá.

*

Curta: Facebook / Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.