Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Alusão

Galerie Neue Meister, Dresden, Germany © Staatliche Kunstsammlungen Dresden/Bridgeman Images
Galerie Neue Meister, Dresden, Germany © Staatliche Kunstsammlungen Dresden/Bridgeman Images

Victória Farias

Lunação

Prólogo

A Lua, depois de pedir conselhos para cinquenta astros e estrelas diferentes, ouviu exatamente o que queria. Finalmente – pensa – enquanto as palavras saem da boca do seu interlocutor. As mesmas palavras que brilhavam em sua mente constantemente como uma supernova. Estava aliviada. Um redentor, transvestido de razão, levou embora sua culpa. Na sua inocência chegou até a pensar, embora sem provas, que talvez o universo conspire mesmo a seu favor.

Multinacional

Prólogo

Não existia paz nos corredores apertados daquele consciente. Ideias, pensamentos e loucuras dividiam espaço nas sinapses minúsculas, falando diferentes línguas e tentando chegar primeiro ao ouvido já muito cansado de quem os carregava. Esse mesmo, que jurava de pé junto, mão cruzada no peito e com mais afinco do que Lampião que não tinha coração. Os sentimentos brotavam do estômago, ou das pernas; ele mesmo não compreendia se os tinha. Mas, o que ele também não sabia era que um dia, com o celular perto demais do peito, deixou escapar duas batidinha. Pigarreou. – É fome – disse. Não houve argumentação. Se era outro sentimento que queria brotar, tratou-se logo de ser asfixiado com Coca-Cola.

Promessa

Prólogo

Era quase um sussurro, mas ela tinha certeza de que todos estavam cientes. Era mais do que um desejo, beirava uma ameaça, mas com um pouco de desdém de quem não acreditava que fosse mesmo acontecer. Deitada, olhando para a parede azul clara do quarto iluminada pela luz da lua, ela sentencia: eu vou conseguir, vocês vão ver. O lençol não acreditava nela, a coberta não acreditava nela, a tinta não acreditava nela. De canto de olhou, vislumbrou seus sapatos novos. Estava tentando convencê-los, sem muita convicção em si, de que eles seriam usados para ir a lugares extraordinários. Não era verdade. Mas eles não precisavam saber disso. Inocentes, descobririam da pior forma possível que ficar exporto na vitrine era melhor do que desbravar o mundo perverso dos humanos.

Vaidade

Prólogo

A Vaidade, tão segura de si que era, sabia o velho testamento de cor e salteado. Levava no olhar um leve desdém, um pensamento – quase – contido de que poderia ser o melhor dos piores pecados. Ninguém nunca havia dito isso a ela, mas quando via a Gula se acabar em migalhas, a Vaidade as enchia de Luxúria e se sentia a melhor das piores entidades. Todos os dias, a Vaidade roga a santíssima trindade para livra-la do caminho do mal. E é sempre a mesma resposta quando perguntam como mantém sua beleza: – Nossa! O que você passa no cabelo? – Ah! Que nada! É só um pouco de babosa! Até o pior dos pecados consegue ter uma horta, por que eu não consigo fazer uma orquídea viver?

Camurça

Interlúdio

Camurça é um animal que pode ser encontrado nos Alpes e Bálcãs – apenas. Catalogado em 1758, sua fama o precede. Mesmo não existindo aos muitos, está em todos os lugares, sapatos e bolsas espalhadas pelo mundo. A camurça (ou seria “o”?) não sabe o que está acontecendo para além das terras geladas onde pasta tranquilamente. Na mente dela (ou seria dele?) se manter quente é a única preocupação. Seus meio irmãos não fazem diferença. Mas, vez em quando um pensamento diferente cruza a sua rotina. No Brasil, nos aglomerados das feirinhas, o vendedor afirma: – pode levar! É de camurça original! – não é não. O animal responde, comendo seu matinho.

*
Curta: Facebook / Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.