Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Eurípedes, o liberal

Reprodução/GettyImages
Guilherme Scarpellini
scarpellini.gui@gmail.com

Seu Eurípedes é um liberal raiz e não gosta nada de o Estado meter o dedo na vida dele. Foi por isso que tomou um cafezinho na padaria da esquina e pagou com um lenço de bolso. Afinal, quem é o Estado para dizer que uma moeda vale mais que um lenço? Pendurou um jornal na conta e voltou para casa.

Aposentado, Seu Eurípedes lê o jornal tranquilamente, mas pula o caderno de economia, pois não quer saber de onde vem o dinheiro da aposentadoria. Embora não faça vista grossa quando o assunto é o lixo acumulado lá fora. Ele mesmo faz questão de recolher e pôr na caçamba do caminhão. E ainda sobra para o gari: “Meu lixo, minha propriedade!”.

Outro dia, Seu Eurípedes cismou com o guarda que faz o patrulhamento da rua. Saiu na porta de casa com um roupão e uma espingarda nas mãos. E quase tomou um tiro! Não fosse a dona Clotilde para livrar o marido do sufoco, dizendo que havia um ladrão nas redondezas. O guarda ligou a sirene e cantou os pneus da viatura.

Seu Eurípedes só vai à igreja, porque acredita que o Estado é laico; só aposta no jogo do bicho, porque sabe que ali o Estado não se intromete. E almoça no restaurante do centro da cidade todos os dias um almoço que não é grátis.

Como o vírus não discrimina ideologia, Euripinho, o filho mais novo de seu Eurípedes, tenta pôr na cabeça do velho que é preciso vacinar. “Eu sou lá cobaia de Estado?” Nem da China, nem do Dória, nem da Rainha. Seu Eurípedes não quis saber de vacina. E essa história não podia acabar bem.

Outro dia, Seu Eurípedes tomou o cafezinho na padaria da esquina, e a bebida desceu insípida como água. Sentou-se na poltrona para ler o jornal e sentiu que o ar lhe faltava. “É gripe!”, asseverou. Levou a mão no bolso da camisa, mas não encontrou o seu lenço.

“Dane-se. Era um lenço vermelho”, desdenhou.

Seu Eurípedes hoje ocupa um leito do SUS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.