Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Corações partidos

Imagem de Matvevna por Pixabay
Imagem de Matvevna por Pixabay
Tais Civitarese

Todo mundo que eu conheço tem um coração partido. Ninguém passou ileso.

 Às vezes, a situação é tão séria que a ferida se faz ver no semblante. Está sempre carrancudo. Noutras, o peso das partes quebradas emudece e embarga as palavras. 

Há quem tenha a dor muito viva e só saiba falar de si. 

E tem aqueles que a tamponam com um mundo todo enfeitado e fingem não ver que ela está lá. Ou a cobrem com uma lista infinita de compromissos a cumprir.

Uns se isolam. Alguns enlouquecem.

O que sei é que esse fio que nos liga pode ser detectado em qualquer um. Basta conversar. E não se trata necessariamente de uma comunidade por decepções de amor. O coração pode se quebrar por tantos motivos. Sonhos não realizados. A morte prematura de alguém. Um grande susto que se viveu. O medo excessivo.

Ultimamente, vinha sentindo uma raiva muito estranha. Raiva de quem julgo estar errado. Imediatamente, lhes sentenciava uma condenação mental direto para o último dos infernos.

Aí, me lembrei de uma palavra que tenho escrita num quadro. Quadro esse com o qual me acostumei e, por isso, parei de enxergar. Nele, está escrito “compaixão”.

Há quanto tempo não a exerço.

Creio que não há outro meio de sobreviver sem sofrer muito. Se formos muito duros com os outros, seremos duros também com a gente mesmo.

Dureza demais não dá trégua. E quem, nesse momento, não precisa de um respiro?

Se entendemos que todo mundo está machucado, fica mais fácil tolerarmos uns aos outros. 

Dentro de nossas carnes tem sangue. Não duvidemos disso. Ao invés de sangrarmos mais, que sejamos hospitaleiros.

*
Curta: Facebook / Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.