Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

O tempo da delicadeza

Sandra Belchiolina
sandra@arteyvida.com.br

Toda gentileza é uma declaração de amor, é a afirmação de Mia Couto que chegou num post do Facebook para mim. Outra veio na música: Todo Sentimento de Chico Buarque, e nela o refrão que carrega o sentir de muitos nessa atualidade dura: “Pretendo descobrir//No último momento//Um tempo que refaz o que desfez//Que recolhe todo sentimento//E bota no corpo uma outra vez.

Li também um título da Revista Prosa Verso e Arte que me chamou atenção pela dureza: “Agora é preciso coragem para ter esperança”. É uma publicação de fragmentos sobre o livro: “Dar tempo ao futuro” de Mia Couto também. O escritor moçambicano relata sobre outra época, mas a provocação de suas palavras encontrou ressonância em mim e pensei nesse mundo de 2020 e 2021. 

Fiquei instigada na frase “agora é preciso coragem para ter esperança”, é um paradoxo? Esperança é uma palavra que carrega o futuro em si. É esperança de algo num tempo futuro. E pensando sobre a coragem atual, se manter vivo e saudável é ser corajoso. É preciso ter coragem para abrir mão de recursos financeiros, afetos, lazer; para não ser contaminado pelo COVID-19, recriar-se não é fácil. 

Há poucos dias fui fazer compra de supermercado e vi que um atendente estava sem máscara, solicitei que ele a colocasse. O fez, mas com uma irônica pergunta: está com medo? Respondi que estava morrendo de medo e principalmente porque estava com idosos. Acredito que a coragem de assumir que tem medo e que não quer isso para você e para outras pessoas é esperançar. A esperança está aí – você se projetando para o futuro. Vamos morrer com certeza, mas não precisa ser agora.

Ainda quero viver o tempo da delicadeza; no tempo que irá refazer os encontros e abraços de corpo a corpo, que converterá nele todos os sentimentos das nossas ausências físicas. Viver o tempo de receber todas as gentilezas e sejam elas: do fruto da terra, do mar, das matas e dos homens como um gesto de amor.

Temos de sonhar e nos reinventarmos!

*

Curta: Facebook / Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.