Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Andarilha

Andarilha; Fonte: Arquivo pessoal
Andarilha – Fonte: Arquivo pessoal
Daniela Piroli Cabral
contato@danielapiroli.com.br

“A caminhada faz você redescobrir com felicidade o elementar da condição humana.” (LeBreton).

Quem me conhece sabe o quanto gosto de caminhar. Já até escrevi sobre A liberdade de não ter”, falando da minha opção de viver sem carro e experimentar as cenas da cidade a pé. Neste mês, completo 3 anos sem ter automóvel próprio e me considero totalmente adaptada a este estilo de vida. Digo estilo de vida porque é isso que andar a pé tem se tornado.

Mas hoje não vou falar das minhas andanças urbanas, quero contar sobre meu hobby (que está quase virando uma “nova” carreira) que são as caminhadas na natureza, o famoso “trekking” ou “hikking”, para ser mais precisa.

Muita gente não sabe, mas os termos “trekking” e “hikking” são  estrangeirismos importados para dizer das modalidades de caminhada na natureza que, apesar de serem usados como sinônimos, se diferem um pouco.

Na prática, hikking é uma caminhada considerada “bate e volta”, de no máximo um dia, que não inclui pernoite nem exige uma mochila cargueira, apenas uma pequena bolsa de “ataque”, com água, lanches e algum outro item. Já o trekking é uma caminhada de duração maior, que inclui pernoite em barracas ou abrigos e exige o transporte de equipamentos para tal finalidade – barraca, fogareiro, mochila, entre outros.

Andarilha. Fonte: arquivo pessoal
Andarilha. Fonte: arquivo pessoal

Desde 2016 tenho praticado tanto hikking quanto trekking de forma regular. Já pisei em vários terrenos: terra batida, cascalho, pedras, areia, água. Descobri a diferença entre andar sobre as dunas “velhas”, compactas, duras, estáveis, e sobre as dunas “novas”, recém-formadas pela ação do vento constante. As dunas novas são “fofas” e quando pisadas engolem nossos tornozelos e joelhos. Atravessei rios e mares. Descobri as bolhas nos pés e os hematomas nas unhas dos háluxes.

Ao ar livre respiro melhor, incorporo a natureza, deixo-me ser envolvida pelas paisagens, amplio os meus sentidos e a percepção. Meus olhos são capazes de distinguir os matizes do verde na mata, os tons do azul do céu, compreendo os formatos, as cores e as densidades das nuvens. O meu olfato sente e a minha memória resgata o cheiro do mato, da terra, das flores, do eucalipto, do “barbeiro”.

O show de texturas e cores dos troncos, dos líquens, dos musgos, dos fungos e bichos incitam a necessidade do toque, a delicadeza do tato. Permito-me ser banhada pelos raios do sol na pele.

Os sons da natureza são outros: o quebrar das folhas secas ao serem pisadas, o ruído do vento, o canto dos pássaros, o barulho natural das quedas d’água que ecoam ao longe e que aos poucos se aproximam e vão me mostrando que estou no rumo certo.

Caminhar na natureza é uma forma nova de me relacionar com o mundo. É também se permitir perder um pouco de si, abrir mão das seguranças, relógio, calendário. É poder viver, mesmo que por breves instantes, o ritmo próprio dos ciclos do natural e do seu próprio corpo. A respiração ofegante me permite experimentar uma nova consciência corporal, que é uma forma de autoconhecimento.

Tomar o rumo do desconhecido é renunciar às certezas, se descobrir parte. Ser simples, essência.

Todo dia que eu caminho, me sinto em paz. Todo dia que eu caminho, sou senhora de mim e soberana sobre o passar do tempo. Todo dia que eu caminho é um dia que eu vivo.

*
Curta: Facebook / Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.