Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Todos contra um

Aula de anatomia – Michiel Jansz van Mierievelt

Victória Farias

Eu descobri que era resistente a morfina depois de uma cirurgia. Uma enfermeira veio e informou que estava aplicando 10 ml no soro, o máximo que poderia me oferecer dentro de um espaço de tempo. Não resolveu. Se ela tivesse colocado água mineral ao invés do remédio, talvez o efeito placebo teria melhor resultado. 

A dor, em todos os sentidos, era excruciante. Lembro dela citando um por um dos fármacos que estavam entrando veia afora e goela a dentro. Tylex parecia bala de goma; toragesic tinha um gostinho engraçado de morango; miosan só serviu para me deixar mais acordada e paracetamol tratou logo de não fazer nada daquilo que se propõe.

Todos eles nos seus devidos horários. De 6 em 6 horas, de 8 em 8 horas, de 12 em 12 horas. De todas as posições, a única que se mostrou unicamente suportável foi quando uma amiga me segurava e me acalentava. Nessa eu não tinha vontade de sair correndo desesperadamente clamando por socorro. 

Meu fígado, que nunca foi cristão, implorava para todos os anjos, arcanjos e entidades. Minha cabeça, existencialista que só ela, jurava naquilo que não existia.

Me lembro que antes de entrar no quarto, ainda sob efeito da anestesia, eu havia anunciado a todos que tinham ouvido: “não se preocupem! Eu sou imune à dor.” Depois da segunda hora de um choro copioso, tive que mudar meu discurso para “não se preocupem, a dor é imune a mim.”

Eu nunca fui de desconfiar da medicina, muito menos dos seus feitos milagrosos à vida humana, mas naquele dia eu desconfiava de tudo. Inclusive da própria dor. Afinal, não podia ser real. Não depois de experimentar todas as fórmulas químicas randomicamente testadas.

De lá, saí cambaleando. Trocando todas as palavras do dicionário que eu havia inventado, e com um pedido médico para testar minha imunidade biológica aos matadores de dor. Mas tudo está bem. Afinal, cada um tem a carcaça dura que merece.

*

Curta: Facebook / Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.