Skip to main content
 -
Daniela Piroli Daniela Piroli

Psicóloga clínica, graduada também em terapia ocupacional, curiosa sobre a vida e o mundo humano.

Eduardo de Ávila Eduardo de Ávila

Advogado e Jornalista sugere debater e discutir – com leveza – situações que vivemos no nosso dia a dia.

Guilherme Scarpellini Guilherme Scarpellini

Jornalista que se interessa por tudo o que a todos pouco interessa. E das beiradas, retira crônicas.

Rosangela Maluf Rosangela Maluf

Professora universitária na área de marketing e nas montanhas de Minas lê, escreve e sonha!

Sandra Belchiolina Sandra Belchiolina

Psicanalista, consultora de viagens, amante da vida, arte e cultura na sua diversidade. Vamos conversar de viagens: nossas e pelo mundo.

Taís Civitarese Taís Civitarese

Pediatra formada pela UFMG. Trabalha com psiquiatria infantil e tem um pendor pela filosofia.

Victória Farias Victória Farias

Jornalista e estudante de Relações Internacionais, além de editar o blog fará uma crônica semanal do nosso cotidiano.

Per aspera ad aspera

"Pandora" by Charles Edward Perugini (1839-1918).
Pandora – Charles Edward Perugini (1839-1918).
Victória Farias

Per aspera ad aspera = por (caminhos) tortuosos à (caminhos) tortuosos.

Os primeiros dias de 2021 parecem ter sido escritos pela perfeita caligrafia de Deus. Traduzindo: não fazem o menor sentido. A segunda-feira eterna, que insistia em ser sombra em todas as nossas ações, parece dar lugar a uma tardia terça-feira.

Depois de uma virada no mínimo interessante – para usar poucas palavras –, cobramos de um ano – que não pode responder por si só – promessas (?) que ele não fez. 

Mas esperar coisas concretas de objetos inanimados é uma das nossas muitas especialidades. Quem nunca exigiu que uma bola cruzasse a linha do gol ou que a comida ficasse pronta mais rápido no forno? Somos uma eterna torcida daquilo que não pode nos dar nada de volta. 

Isso é o que muitos especialistas chamam de esperança. Uma predisposição em dar roupagem positiva – ou menos pior – a uma coisa que, obviamente, não vai nada bem.

Geralmente usamos isso quando o time está perdendo de quatro a zero, ou quando você sabe que o gás está prestes a acabar. Ainda assim prefere o gol de consolação, e reza para que o fogo que ainda resta derreta pelo menos o gelo da lasanha. Esperança. 

A única coisa que Pandora, claramente uma humana – em todos os sentidos que a palavra carrega – conseguiu que ficasse dentro da caixa. A única coisa que nasce intrínseca a nós. Os sentimentos que conseguiram escapar – desespero, fúria, desprezo – adquirimos ao longo da vida. Ainda bem! Já pensou ter de carregar o peso da esperança mais todas essas coisas quando nascemos? Ufa.

Entrando agora na terceira – já – semana do ano, que será de ameaças, jogos de poder e perturbações políticas – não, caro leitor, não estou profetizando, até porque não sou eu a encarregada disso nessa história, só estou te contando aquilo que Pandora não queria que você soubesse – só nós resta torcer e esperar para que o almoço fique pronto o mais rápido possível.

*

Curta: Facebook / Instagram

One thought to “Per aspera ad aspera”

  1. A internet hoje em dia ajuda muito com informações e leva
    as pessoas aos lugares que elas nunca imaginaram, mas
    existem alguns artigos na internet que são pura perda de
    tempo. Posso dizer que seu artigo ajudou muito e também
    é extremamente útil. Obrigado pela informação e
    compartilhado no meu facebook.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.